Trombeta-de-anjo

Nome científico: 
Brugmansia suaveolens (Humb. & Bonpl. ex Willd.) Bercht. & J.Presl
Família: 
Solanaceae
Sinonímia científica: 
Datura suaveolens f. albidoflava (Lem.) Voss
Partes usadas: 
Flor, semente.
Constituintes (princípios ativos, nutrientes, etc.): 
Alcaloides tropanos (principalmente escopolamina, hioscinamina, atropina e hioscina).
Propriedade terapêutica: 
Antiespasmódico, antiasmático, anticolinérgico, narcótico, sedativo.
Indicação terapêutica: 
Algesia.

Nome em outros idiomas

  • Inglês: Angel trumpets shrub, angel's tears

Origem
Oriunda e com ampla distribuição na América do Sul. Naturalizada no sul dos EUA, Porto Rico e algumas ilhas do Oceano Pacífico.

Descrição [1]

B. suaveolens é um arbusto semi-lenhoso ou pequena árvore que chega a 1,8-4,6 m de altura, geralmente com um tronco único bem ramificado.

Suas flores pendulares em forma de trompete são bem distintas, podem ser branca, creme, amarela e laranja pálida ou rosa pálida em algumas variedades. 

As folhas têm geralmente forma oval, com até 25 cm de comprimento e 15,2 cm de largura e ainda maiores quando cultivadas à sombra. As flores são lindas, perfumadas, com cerca de 30 cm de comprimento em forma de trombeta. 

Uso popular e medicinal 
Cultivada pela floração vistosa e atraente, é planta popular em jardim. Costuma ser  fumada, comida, bebida como um chá ou usada como enema de limpeza.

Na Tanzânia é adicionada à cerveja. Curandeiros tradicionais usam as folhas secas adicionadas ao tabaco para induzir a visões para diagnóstico e tratamento de várias doenças. Serve ocasionalmente como cerca viva em Uganda [1].

Flores e sementes de B. suaveolens são utilizadas no Brasil (Rio Grande do Sul, RS) como uma mistura aquosa, ingerida pelas suas propriedades analgésicas por indivíduos que se encontram em algesia (sensibilidade à dor).

Os principais alcaloides de valor medicinal encontratos são tropanos principalmente escopolamina, hioscinamina, atropina e hioscina, que inibem os receptores muscarínicos de acetilcolina e agem no sistema parassimpático. São utilizados na medicina para o tratamento de espasmos, sedação e outros procedimentos. O extrato da planta exibe propriedades antiespasmódico, antiasmático, anticolinérgico, narcótico e sedativo.

Um trabalho científico [2] avaliou os possíveis efeitos do extrato aquoso de B. suaveolens sobre parâmetros comportamentais como a formação e evocação da memória em esquiva inibitória sobre a ansiedade, atividade locomotora e memória espacial, além de investigar a ação desse extrato sobre a peroxidação lipídica e o dano de DNA no hipocampo.

Os autores concluiram que o extrato aquoso bruto possui ação hipoquinésica, ansiogênica e amnésica em ratos, e promove o estresse oxidativo e a neurotoxicidade. Esses resultados reforçam a hipótese de que os alcaloides tropânicos, principais componentes da B. suaveolens, podem afetar a sinalização celular e induzir o dano oxidativo.

Sugerem que esses compostos podem agir diretamente nos processos cognitivos e na ansiedade e mostra ser possível que a interação dos diferentes compostos influencie de forma desigual as várias vias de memória, requisitadas nas diferentes tarefas comportamentais.

 Atenção [1]
Todas as partes desse vegetal são consideradas venenosas para humanos e animais e podem ser fatais se ingeridas. Seu emprego como planta de paisagem é banido em alguns municípios dos EUA.

 Dedicado a Bárbara Kaminski (Paraná, PR).

 Referências

  1. BioNET-EAFRINET: Brugmansia suaveolens (Angel's Trumpet) - Acesso em 18 de março de 2018
  2. Revista Brasileira de Farmácia (RBFarma, 2010): Efeitos comportamentais e neurotóxicos do extrato aquoso de Brugmansia suaveolens em ratos - Acesso em 18 de março de 2018
  3. Imagem: Wikimedia Commons - Acesso em 18 de março de 2018
  4. Safari Garden: B. suaveolens - Acesso em 18 de março de 2018
  5. The Plant List: Brugmansia suaveolens - Acesso em 18 de março de 2018

GOOGLE IMAGES de Brugmansia suaveolens - Acesso em 18 de março de 2018

Galeria: clique na imagem para ampliar: