Resíduos de romã, um aliado na prevenção de Alzheimer

 

(*) Cinderela Caldeira

Estudo realizado no Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição da ESALQ/USP com resíduos de romã mostrou sua potencialidade como aliado na prevenção de Alzheimer. A pesquisa foi conduzida por Maressa Caldeira Morzelle sob a orientação da Profa. Jocelem Mastrodi Salgado.

Dados da OMS e da Associação Internacional da Doença de Alzheimer estimam que o número de pessoas com a doença chegue a 65 milhões até 2030. O mal de Alzheimer é uma doença degenerativa e atualmente incurável, atingindo idosos com idade entre 60 e 70 anos. De acordo com a pesquisa, na casca de romã é possível encontrar mais antioxidante do que no suco e polpa. Os antioxidantes são essenciais para a prevenção contra os radicais livres que matam as células de nosso corpo, acarretando doenças degenerativas. O desafio era buscar alternativas que pudessem concentrar todo o extrato da casca em pó, para ser diluído como suco ou adicionado a sucos de outros sabores, levando em consideração os desafios do processamento e armazenagem, além de não afetar as propriedades sensoriais do produto.

No final do trabalho observou-se resultados positivos em relação ao preparado em pó para refresco, que manteve suas características. O material tem grande potencial para a indústria no emprego das microcápsulas à base do extrato de casca de romã como um ingrediente a ser incorporado na dieta, sendo um aliado na prevenção da doença.

(*) Transcrito da revista Espaço Aberto da USP N. 148, abril, 2013

Em nosso Portal, leia mais sobre romã.