Insulina

Nome científico: 
Cissus verticillata (L.) Nicolson & C.E.Jarvis
Sinonímia científica: 
Cissus sicyoides L.
Família: 
Vitaceae
Partes usadas: 
Folhas, ramos.
Constituintes (princípios ativos, nutrientes, etc.): 
Esteróis, quinonas, compostos fenólicos, antocianinas, aminoácidos, alcaloides, saponinas, taninos, açúcares, esteróis, lactonas sesquiterpênicas, flavonoides.
Propriedade terapêutica: 
Sudorífica, hipotensora, preventiva de derrame, antidiabética, anti-inflamatória, antirreumática, estomáquica, anti-hemorroidária.
Indicação terapêutica: 
Diabetes, taquicardia, hidropsia, problemas respiratórios, hepáticos e renais, ovários, epilepsia, furúnculos, abcessos, gânglios inflamados.

Origem

América tropical. Nativa da região Amazônica (Norte do Brasil) onde é muito cultivada em jardins e hortas domésticas para fins ornamentais e medicinais.

Nome em outros idiomas

  • Inglês: princes vine, possum grape vine, season vine, monkey liana
  • Francês: liane-molle, liane-à-eau, liane-à-chasseur, liane-brûlante, liane-douce, liane-corde.

Descrição [1,2]

C. verticillata é uma liana encontrada geralmente sob arbustos e arvoretas em ambiente aberto poluído e próximo a cursos de água.

A raiz é adventícia, caule na forma de cilindro elíptico de cor verde e verde-acinzentado, gavinha de formato cilindrico e coloração verde localizada no lado oposto ao das folhas.

Folha peciolada, simples, inteira, limbo ovada, margem dentada e base cordada.

Inflorescências corimbiformes, flôres brancacentas ou amarelo-esverdeadas, dispostas em cimeiras numerosas ou em umbelas pequenas. Fruto glaba preta com uma semente ou raramente duas. Propaga-se por estacas dos ramos.

Uso popular e medicinal

Seu uso popular principal é o tratamento de diabetes. O chá feito dos ramos e folhas é considerado sudorífico e hipotensor, sendo por isso usado nas doenças do coração corno taquicardia e hidropsia.

Indicada para problemas respiratórios, hepáticos, renais, ovários e para a epilepsia. As folhas amassadas servem para furúnculos, enquanto que as folhas aquecidas são utilizadas em abcessos e gânglios inflamados.

Constituintes químicos principais: esteróis, quinonas e compostos fenólicos nas folhas e antocianinas nos frutos, aminoácidos, alcaloides, saponinas, taninos, açúcares, esteróis, lactonas sesquiterpênicas e flavonoides. Dentre os minerais destacam-se magnésio, manganês, silício, cálcio, fósforo e potássio [1].

De suas folhas é feito o chá usado no tratamento de doenças do coração, taquicardia, hidropsia, tremores e para baixar a pressão arterial. Diversos estudos são realizados nas áreas da farmacologia, ciências da saúde e fitoquímica devido a sua utilização eficaz como anti-inflamatório, antiepiléptico, anti-hipertensivo, antitérmico, antireumático e antidiabético.

Foi detectada nas folhas de C. verticillata a presença de compostos como taninos, compostos redutores, triterpenos esteróides, aminoácidos, compostos graxos e flavonoides.

A planta é bem usada na região de Manaus (AM) na forma de chá das folhas para diabetes, colesterol, hemorragias e inflamações. E o chá das folhas, gavinhas e caules para diabetes, colesterol, inflamações e pedras nos rins [2].

O sumo de C. verticillata é usado na medicina tradicional paraense em associação com o de outras espécies para o tratamento das sequelas do acidente vascular cerebral.

Em Lavras (MG) menciona-se o uso como antidiabético na forma de chá a ser ingerido continuamente, daí a denominação “insulina vegetal”. Admite-se que ela esteja baseada na ocorrência de certos flavonoides no chá preparado com o vegetal. Foram realizados testes administrando-se extrato aquoso das folhas de C. verticillata a ratos normoglicêmicos. O preparado apresentou ação hipoglicemiante nos animais [3].

Dosagem indicada

  • Infuso ou decocto a 2%: 50 a 200 ml por dia. Extrato fluido: tomar 1 a 4 ml por dia. Tintura: tomar 5 a 20 ml por dia [1].
  • Chá: prepara-se a partir da trituração das folhas, gavinhas e caules, colocar em água e ferver por 5 a 10 minutos. Para obter 1 litro de chá usam de 5 a 8 folhas. Tomar 1 chícara (chá)  3 vezes ao dia [2].

 Referências

  1. LAMEIRA, O. A.; PINTO, J. E. B. P.; Ed. Plantas Medicinais: Do cultivo, manipulação e uso à recomendação popular. Belém, Pará: EMBRAPA Amazônia Oriental, 2008.
  2. Universidade Federal de Viçosa (2006). Cissus verticillata: informações etnofarmacológicas e anatomia dos órgãos vegetativos - Acesso em 21 de maio de 2017
  3. Revista Brasileira de Farmacognosia (2002). Flavonoides de Cissus verticillata e a atividade hipoglicemiante do chá de suas folhas - Acesso em 21 de maio de 2017
  4. Image: Courtesy of Forest & Kim Starr
  5. The Plant List: Cissus verticillata - Acesso em 21 de maio de 2017

GOOGLE IMAGES de Cissus verticillata - Acesso em 21 de maio de 2017