Dilenia

Nome científico: 
Dillenia indica L.
Sinonímia científica: 
Dillenia elongata Miq.
Família: 
Dilleniaceae
Partes usadas: 
Fruto, flor.
Princípio ativo: 
Triterpeno lupeol (ácido betulínico, betulina, betulinaldeido), flavonóis (miricetina), isoramnetina, "dillenetin", glicosídeos, triterpenoides, flavonoides.
Propriedade terapêutica: 
Adstringente, refrescante, cardiotônico, laxante.
Indicação terapêutica: 
Angina, febre, sistema nervoso central.

 Esta espécie é considerada Planta Alimentícia Não Convencional.

Nome em outros idiomas

  • Inglês: elephant apple, chulta, Indian simpoh, Indian rose apple
  • Alemão: rosenapfel, elefantenapfel, Indische dillenie

Origem
D. indica é espécie nativa do sudeste da Ásia. Cresce amplamente em florestas tropicais na Índia, Bangladesh, Sri Lanka e China, onde os nomes locais mais comuns são chalta ou chalita (bengali e hindi), karambel ou karmal em Marathi e ramphal no Nepal.

É geralmente cultivada como ornamental e para produção de madeira fora da área de origem e distribuição natural. Usada na arborização de parques e praças na Grande São Paulo (Brasil).

Descrição [1,2]
Árvore perene de até 30 m de altura. Folhas organizadas em espiral, simples, oblonga. Flor branca de 20 cm de diâmetro. O fruto é grande, tem cheiro que lembra cebola, é consumido cozido. A polpa tem sabor ácido.

Das sépalas cortadas em cubo e fervidas extrai-se uma goma que dá um doce cremoso muito apreciado nas regiões de origem dessa árvore. Com a polpa limbosa do fruto se faz uma bebida fermentada de sabor suave e refrescante.

Frutos jovens são cortados e adicionados a "kaeng som" (ou "gaeng som"), um caril ou curry (português brasileiro), mistura de especiarias muito utilizada na culinária da Índia, Tailândia e outros países asiáticos.

Propaga-se por sementes ou estacas.

Uso popular e medicinal
Folhas, cascas e frutos são usados desde longo tempo na medicina tradicional asiáticaEm Bangladesh, D. indica é uma das espécies comestíveis mais comuns. O suco da fruta é misturado com açúcar e água e utilizado como bebida refrescante no tratamento de febre e como cardiotônico.

Folhas e cascas têm efeitos laxante e adstringente, sendo recomendadas para combater a artrite. Um xarope feito com as sépalas das flores é excelente para uso peitoral contra angina. Os frutos servem para preparar sucos (batido no liquidificador com folhas de hortelã), doces, sorvetes e picles [3,4].

O extrato alcoólico de D. indica mostrou atividade depressora do sistema nervoso central. Estudos fitoquímicos demonstraram que espécies de D. indica contêm o grupo de triterpeno lupeol tal como o ácido betulínico, betulina, betulinaldeido e flavonóis como miricetina. Casca do caule contém miricetina, isoramnetina, "dillenetin" e glicosídeos. Por análise cromatográfica e espectrofotometria do extrato de folhas foi constatada a presença de triterpenoides e flavonoides [5].

 Colaboração

  • Nélia Nascimento, Salvador (BA), 2015.

 Referências

  1. Local Vegetables of Thailand: Dillenia indica - Acesso em 5 de julho de 2015
  2. Colecionando Frutas: Dillenia indica - Acesso em 5 de julho de 2015
  3. Mansfeld's World Database of Agriculture and Horticultural Crops: Dillenia indica - Acesso em 5 de julho de 2015
  4. Maria mestre-cuca: Suco de fruta-cofre - Acesso em 5 de julho de 2015
  5. Bangladesh Pharmaceutical Journal: Isolation and identification of compounds from the leaves extract of Dillenia indica - Acesso em 5 de julho de 2015
  6. Imagem: © Forest & Kim Starr - Acesso em 5 de julho de 2015
  7. The Plant List: Dillenia indica - Acesso em 5 de julho de 2015

GOOGLE IMAGES de Dillenia indica - Acesso em 5 de julho de 2015

Galeria: