Buxus

Nome científico: 
Buxus sinica (Rehder & E.H.Wilson) M.Cheng
Família: 
Buxaceae
Sinonímia científica: 
Buxus microphylla subsp. sinica (Rehder & E.H.Wilson) Hatus.
Partes usadas: 
Caule, folha.
Constituintes (princípios ativos, nutrientes, etc.): 
Flavonoide fisetina.
Propriedade terapêutica: 
Neuroprotetora, antioxidante, anti-inflamatória.
Indicação terapêutica: 
Distúrbios do Sistema Nervoso Central (SNC), prevenção de hiperglicemia, câncer.

Nome em outros idiomas
Inglês: japanese box, littleleaf box, korean boxwood

Origem
Nativa do Japão e Taiwan. 

Descrição [2]
B. sinica é um arbusto denso, compacto, muito ramificado, largo, perene, crescimento lento.

As flores são amarelo-esverdeadas, sem pétalas (flores masculinas e femininas separadas na mesma planta), aparecem na primavera, são escassas e muito perfumadas.

Cultivares de B. sinica são muito usados em bonsai e paisagismo.

Uso popular e medicinal [1]

Esta planta é valorizada pela presença da fisetina, um polifenol do grupo flavonoide. O componente é encontrado em muitas plantas onde serve como agente corante, frutas e vegetais como morango, maçã, caqui, cebola e pepino. 

Várias atividades biológicas da fisetina foram recentemente identificadas incluindo efeitos neuroprotetor, anti-inflamatório e anticarcinogênico. A atividade antioxidante da fisetina como flavonoide tem sido demonstrada em vários estudos.

Quando transmitida através das membranas celulares, a fisetina pode interagir com diversas vias de sinalização relacionadas ao redox (reações de redução-oxidação). Essas vias são principalmente NF-kB, Nrf2, MAPK e PI3K/Akt, portanto a fisetina exerce sua atividade antioxidante eficaz por meio de múltiplos mecanismos, como o reforço de antioxidantes intracelulares enzimáticos e não enzimáticos, quelando íons de metais de transição e atuando como substrato para a atividade da oxirredutase. Constata-se que os efeitos antioxidantes da fisetina não são apenas eliminar radicais livres.

No futuro outras vias celulares que possivelmente estão também envolvidas devem ser exploradas e a realização de ensaios clínicos bem planejados usando doses baixas de fisetina deve ser considerada.

 Dosagem indicada [3]

Proteção da função cerebral, distúrbios do Sistema Nervoso Central (SNC), prevenção de câncer e hiperglicemia. Extrato seco 98%: 100 a 500 mg diário.

 Dedicado a Martin Rabner (São Paulo, SP), 2018.

 Referências

  1. ScienceDirect (2017). Antioxidant properties of the flavonoid fisetin: An updated review of in vivo and in vitro studies - Acesso em 14 de outubro de 2018
  2. Missouri Botanical Garden: Buxus sinica var. insularis - Acesso em 14 de outubro de 2018
  3. Florien: Fisetin - Acesso em 14 de outubro de 2018
  4. Image: Wikimedia Commons (Author: Sage Ross) - Acesso em 14 de outubro de 2018
  5. The Plant List: Buxus sinica - Acesso em 14 de outubro de 2018

GOOGLE IMAGES de Buxus sinica - Acesso em 14 de outubro de 2018
 

Galeria: clique na imagem para ampliar: