Anredera

Nome científico: 
Anredera cordifolia (Ten.) Steenis
Família: 
Basellaceae
Sinonímia científica: 
Boussingaultia gracilis var. pseudobaselloides (Hauman) L.H.Bailey
Partes usadas: 
Rizoma, folha.
Constituintes (princípios ativos, nutrientes, etc.): 
Minerais (Fe, Ca, Zn), proteína, fibra.
Propriedade terapêutica: 
Antimicrobiana.
Indicação terapêutica: 
Anemia

 Esta espécie é considerada planta alimentícia não convencional.

Nome em outros idiomas

  • Inglês: madeira vine

Origem
América do Sul subtropical, ocorre em sub-bosque na Mata Atlântica.

Descrição [3]
Trepadeira perene, desenvolve-se vegetando em áreas sombreadas ao longo de cercas ou sobre plantas cultivadas a exemplo do café, citros etc. 

Apresenta caule subterrâneo tubérculo capaz de originar numerosos ramos aéreos, carnosos e volúveis que, ao recobrirem as plantas, podem causar competição por luz. Folhas simples com o pecíolo carnoso, acrescido dos tubérculos nas axilas, dispostas de forma alternada. Limbo em formato ovalado ou reniforme de base cordata, ápice arredondado, glabro em ambas as faces e com as margens inteiras. Fruto carnoso drupoide.

Pode ser identificada em campo pelos tubérculos aéreos que se formam nas axilas das folhas. Propaga-se por meio dos tubérculos aéreos e sementes. 

Tubérculos e folhas são utilizados na alimentação humana e na medicina popular. Recomendada no paisagismo em função do porte, textura das folhas e flores atrativas.

Uso popular e medicinal

As folhas macias e suculentas são ricas em minerais especialmente ferro, cálcio e zinco. Representam boa fonte de proteína e fibras, respectivamente 22% e 27% em base seca.

Costuma-se consumir as folhas cruas em saladas, refogadas ou cozidas em combinação com outras hortaliças e carnes e como ingrediente para bolos e pães.

Os tubérculos aéreos podem ser consumidos cozidos ou fritos logo após a colheita, pois a vida útil é curta [2].

Esta espécie é considerada alimento nutracêutico para crianças. Indicada para tratamento de anemia. Não possui toxidez ou efeitos mutagênicos e pode ser usada como hortaliça corriqueira. 

Extratos aquosos e clorofórmicos dos rizomas têm forte ação sobre bactérias Gram-positivas e Gram-negativas. Contudo sua DL50 é extremamente alta, indicando efeitos não citotóxicos nos testes sobre células renais de macaco. Esta forte ação antimicrobiana pode explicar a longa vida de pães feitos com as folhas frescas. As folhas podem ser secas e moídas para se fazer farinha (pó verde) e usar como suplemento alimentar ou na panificação [1].

 Culinária

Omelete de anredera. Ingredientes: 2 ovos, 5 folhas de anredera, queijo ralado, cebola, óleo, sal a gosto. Modo de preparo: após lavar, corte as folhas de anredera em tiras finas. Bata os ovos levemente e adicione as folhas cortadas, o queijo ralado e o sal. Misture tudo. Aqueça um pouco de óleo em uma frigideira e despeje a mistura. Deixe fritar e dourar dos dois lados. Enrole para uma melhor apresentação [2].

Pão com folhas de anredera. Lave 200g de folhas e liquidifique com um pouco de água, resultando em cerca de 2 copos-medida. Coloque o líquido na fôrma da panificadora com 2 colheres (sopa) de manteiga ou azeite, 1 colher (chá) de sal, 3 colheres (sopa) de açúcar cristal, 4 copos (720 ml) de farinha e 2 colheres (chá) de fermento biológico. Rendimento: um pão de 900g. Pode ser sovado manualmente, bastando adaptar [1]

 Referências

  1. KINUPP, V. F; LORENZI, H. Plantas alimentícias não convencionias no Brasil. Instituto Plantarum de Estudos da Flora, Nova Odessa (SP), 2014.
  2. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA Hortaliças): Anredera
  3. MOREIRA, H. J. C; BRAGANÇA, H. B. N. Manual de Identificação de Plantas Infestantes. FMC Agricultural Products, São Paulo (SP). 2011.
  4. Imagens: EMBRAPA Hortaliças, FMC Agricultural Products.
  5. The Plant List: Anredera cordifolia - Acesso em 17 de novembro de 2019

GOOGLE IMAGES de Anredera cordifolia - Acesso em 17 de novembro de 2019

Galeria: clique na imagem para ampliar: