Acácia

Nome científico: 
Acacia senegal (L.) Willd.
Família: 
Leguminosae
Sinonímia científica: 
Mimosa senegal L.
Partes usadas: 
Fibra, casca, folha, goma.
Constituintes (princípios ativos, nutrientes, etc.): 
Goma: glicoproteínas e polissacarídeos e seus sais de cálcio, magnésio e potássio.
Propriedade terapêutica: 
Adstringente
Indicação terapêutica: 
Colesterol, diabetes, síndrome de intestino irritável, controle de peso, inflamação do intestino, constipação, diarreia, incontinência fecal, problemas do fígado, oftalmia.

Nome em outros idiomas

  • Inglês: gum arabic, Sudan gum arabic, gum acacia, three-thorned acacia
  • Francês: gommier, acacia du senegal, verek

Origem

Nativa de partes da África, Paquistão e Índia.

Descrição [1]

Acacia senegal é um arbusto de folha decídua, cresce até 15 m de altura, é geralmente ramificada a partir do solo. Os ramos se bifurcam repetidamente e em árvores maduras formam uma coroa arredondada e plana.

O tronco pode variar em diâmetro até cerca de 30 cm. A casca é branca-acinzentada, embora em árvores antigas que crescem ao ar livre pode ser escura, escamosa e fina, mostrando a camada verde brilhante logo abaixo da superfície.

Espinhos curvados de 3-5 mm de comprimento aparecem nos nós dos ramos. São afiados, alguns apontando para frente e outros para trás. O nome genérico "acácia" vem do grego "akis" que significa "ponta", "farpa" ou "rebarba".

Folhas bipinadas, raque de até 2,5 cm de comprimento. Flores branco-amareladas e perfumadas. As vagens são retas, finas, achatadas, oblongas (7,5 x 2 cm), verdes e pubescentes quando jovens, com maturação de bronze brilhante, geralmente com manchas escuras.

Sementes 3-6, lisas, planas, pequenas, brilhantes, castanha escura. As sementes são secas e conservadas para consumo humano como vegetais.

A semente seca é o principal componente de panchkut, uma iguaria em Jodhpur (Índia), que também contém frutos de Capparis decidua (planta medicinal usada na Índia e Paquistão, serve como vegetal por diabéticos), Cucumis sativus (nosso conhecido "pepino") e Prosopis cineraria, cujas flores, cascas e cinzas são remédio popular na Índia para várias doenças).

Uso popular e medicinal [2]

Rica em fibras solúveis, a fibra de acácia é proveniente da seiva da árvore Acacia senegal, também conhecida como goma-arábica ou goma de acácia.

Na forma de pó, pode ser agitada em água e consumida como bebida. Algumas pessoas preferem a acácia a outras formas de fibra porque ela não é áspera, não engrossa e tem um sabor bem suave. Costuma-se também misturar o pó em smoothies (bebida espessa batida no liquidificador com gelo, leite, iogurte ou suco de frutas) e outras bebidas.

A fibra de acácia ajuda a baixar os níveis de colesterol, manter sob controle o açúcar no sangue, proteger contra o diabetes e auxiliar no tratamento de distúrbios digestivos como a Síndrome do Intestino Irritável (SII). Essa fibra dissolve-se em água e forma uma substância semelhante a gel nos intestinos.

A fibra de acácia ajuda a controlar o apetite, reduzir a inflamação do intestino, aliviar a constipação, a diarreia e apoiar os esforços de perda de peso (ajuda o indivíduo a ficar saciado por mais tempo).

Diz-se também que essa fibra é prebiótica - um ingrediente alimentar não digerível da fibra dietética que pode estimular o crescimento de bactérias benéficas nos intestinos.

Algumas evidências de que a fibra pode oferecer certos benefícios foram relatadas em publicações científicas:  

  • Alivio dos sintomas da SII, conforme estudo publicado no World Journal of Gastroenterology em 2012
  • Controle de peso, conforme estudo publicado no Nutrition Journal com grupos de mulheres saudáveis que tomaram diariamente goma arábica ou placebo. No final do período de estudo de 6 semanas, aquelas que tomaram a goma arábica tiveram uma redução significativa no IMC e no percentual de gordura corporal. Um estudo anterior publicado no Appetite descobriu que a goma arábica diminuía a ingestão calórica 3h após o consumo e aumentava as classificações subjetivas de saciedade.
  • Incontinência fecal: Estudo publicado em Pesquisa em Enfermagem e Saúde comparou os efeitos de 3 tipos de fibra dietética (carboximetilcelulose, psílio e goma arábica) em pessoas com incontinência fecal. Todos os participantes tomaram um dos suplementos de fibra ou placebo por 32 dias. No final do estudo, apenas a suplementação de psílio foi encontrada para diminuir significativamente a frequência de incontinência. As avaliações de qualidade de vida não diferiram entre os grupos.
  • Colesterol alto: Relatório publicado na Food and Chemical Toxicology informa que a fibra de acácia parece reduzir os níveis de colesterol em ratos.
  • Diabetes: A fibra dietética desempenha um papel na regulação do açúcar no sangue. Conforme a Pesquisa de Pressão Arterial e Rins em 2012, testes em camundongos diabéticos determinaram que o tratamento com fibra de acácia ajuda a baixar a pressão arterial. Os autores apontam que a fibra de acácia pode ajudar a proteger diabéticos da nefropatia diabética (um dano renal que acredita-se resulta, em parte, do mau controle do diabetes e da pressão arterial).
  • Saúde do fígado: estudo publicado na Pharmacology Research aponta que o tratamento de camundongos com fibra de acácia antes da administração de acetaminofeno ajudou a proteger seus fígados dos efeitos tóxicos da droga. De acordo com os autores, a fibra de acácia pode ajudar a combater danos no fígado, reduzindo o estresse oxidativo.

Além da fibra, a casca e a folha são utilizadas como adstringente no tratamento de constipações, oftalmia, diarreia e hemorragia [3].

Quimicamente a goma arábica é um composto complexo ligeiramente ácido de glicoproteínas e polissacarídeos e seus sais de cálcio, magnésio e potássio.

O principal polissacarídeo é o ácido arábico, um polissacarídeo ramificado com um esqueleto de D-galactose (1,3) ligado com ramos ramificados ligados por (1,6) compostos de L-arabinose, L-ramnose e ácidos D-glucurônicos. As proteínas são caracterizadas como proteínas de arabinogalactana ricas em hidroxiprolina.

Amostras comerciais de goma arábica mostraram a seguinte composição: arabinose 24-29%, galactose 32-41%, ramnose 12-18%, ácido urônico 14-17% e proteína cerca de 2% [3].

Outros usos [3]

Sendo facilmente solúvel em água, a goma arábica forma soluções em uma ampla gama de concentrações. Apresenta valorizadas propriedades de emulsificação, estabilização, espessamento e suspensão.

A indústria alimentícia usa de 60% a 75% da produção mundial. Nos produtos de confeitaria, a goma arábica é utilizada para evitar a cristalização do açúcar, como emulsionante e como cobertura em produtos de panificação. Em refrigerantes e bebidas alcoólicas serve tanto como veículo para aromatizante ou como agente estabilizante. 

Em produtos lácteos congelados, a goma arábica é usada para encapsular aromas como óleos cítricos. É agente de suspensão ou emulsificador na fabricação de revestimento de comprimidos.

A goma arábica é usada na indústria de impressão para revestir chapas litográficas e evitar a oxidação, aumentar suas propriedades hidrofílicas e torná-las repelente à tinta. É base para produtos químicos fotossensíveis. Na cerâmica, ajuda a fortalecer a argila.

Outras aplicações técnicas incluem pirotecnia, fabricação de tinta, têxteis, pinturas e adesivos como a tradicional cola de escritório e selo postal. Goma arábica é usada localmente em pratos especiais e como goma de mascar. Tem aplicações medicinais para humanos e gado e para tratar doenças de pele e inflamação.

Acacia senegal é árvore multiuso. Folhagem e vagens são importantes fontes de forragem para camelos e cabras. A semente pode ser seca e conservada para consumo humano, principalmente como alimento de emergência. 

A madeira é usada para fins de construção de pequena escala e implementos agrícolas. Produz lenha de boa qualidade, que pode ser transformada em bom carvão. 

Os galhos espinhosos servem para cercar animais ou proteger campos agrícolas. Sendo uma árvore muito resistente à seca, é plantada para fixação de dunas de areia, quebra-ventos e cinturões de abrigo em regiões áridas.  

As flores são uma fonte de mel. Fibras extraídas das raízes servem para confecção de cordas e redes de pesca. A semente contém uma gordura que é usada tanto na medicina quanto na fabricação de sabão.


 Atenção [2]

Ao consumir qualquer tipo de suplemento rico em fibras, certifique-se de aumentar gradualmente sua ingestão e obter fluidos suficientes para proteger contra os efeitos colaterais comumente associados a altas doses de fibras como gases, inchaço, constipação e cãibras.

Os efeitos colaterais relatados nos estudos incluem náusea matinal, diarreia moderada e inchaço abdominal.

 Referências

  1. World Agroforestry Center: Acacia senegal - Acesso em 27 de janeiro de 2019
  2. Verywel (2017): The benefits of acacia fiber - Acesso em 27 de janeiro de 2019
  3. Plant Resources of Tropical Africa (PROTA4U): Acacia senegal - Acesso em 27 de janeiro de 2019
  4. Image: Credits Dr. Tilman Musch - Original picture: West African Plants - Acesso em 27 de janeiro de 2019
  5. The Plant List: Acacia senegal - Acesso em 27 de janeiro de 2019

GOOGLE IMAGES de Acacia senegal - Acesso em 27 de janeiro de 2019

 

Galeria: clique na imagem para ampliar: