Tomilho

Nome científico: 
Thymus vulgaris L.
Sinonímia científica: 
Thymus vulgaris subsp. palearensis (O.Bolòs & Vigo) O.Bolòs & Vigo
Família: 
Lamiaceae
Partes usadas: 
Sumidades floridas.
Constituintes (princípios ativos, nutrientes, etc.): 
Essência (timol), flavonoides, compostos fenólicos (ácidos cafeico, rosmarínico), tanino, matérias resinosas e pépticas.
Propriedade terapêutica: 
Tônico, estimulante de apetite, antiespasmódico, antisséptico, antifúngico, expectorante.
Indicação terapêutica: 
Tosse convulsa, inflamação crônica dos brônquios, asma, dor de estômago, distúrbios digestivos, diarreia.

Nome em outros idiomas

  • Inglês: thyme

Origem
Tomilho é originário da bacia do Mediterrâneo. Encontra-se em estado silvestre em certas regiões da Espanha, Portugal e países próximos. No Brasil esta planta aclimatou-se facilmente. 

Descrição [1]
Dotada de caule lenhoso, ereto, possui folhas pequenas, lanceoladas e dispostas em forma de cruz ao redor do caule. Flores vermelhas, de dois tamanhos diferentes na mesma planta, sendo as maiores hermafroditas e as menores, femininas.

Cultivada em jardins como planta aromática e ornamental, o traço característico desta planta é aroma intenso desprendido, devido a presença de uma substância chamada timol, essência antisséptica descoberta por Gaspar Neumann (1683 - 1737), uma cânfora à qual primitivamente deu o nome de "sal volatile thymi". 

Gotículas da essência podem ser vistas em minúsculas cavidades nas folhas do tomilho com auxílio de uma lente.

Uso popular e medicinal [1,2]
Para uso medicinal são colhidas as sumidades floridas em um dia sem nuvens, pela manhã, após evaporada a umidade do orvalho. Nessas condições a quantidade de essência apresenta-se em maior concentração. Secar a sombra em local bem ventilado e armazenar em sacos fechados, caixas de madeira ou até mesmo em latas metálicas.

Além da essência (timol), esta espécie contém flavonoides e certos compostos fenólicos tais como ácidos cafeico ou rosmarínico, que lhe confere efeitos tônico, estimulante de apetite, antiespasmódico, antisséptico, antifúngico e expectorante. 

Tomilho tem sido usado contra a tosse convulsa, inflamação crônica dos brônquios, asma, dor de estômago, distúrbios digestivos e diarréia.

Na composição do timol, que às vezes é representado por um seu isômero, o carvacrol, utilizado na indústria de perfumaria, apresentam-se o tanino e matérias resinosas e pépticas.

No passado o serpol, isômero do tomilho, foi recomendado para combater a tosse ferina (ou coqueluche).

 Dosagem indicada [2]

  • Infusão. Preparar com uma colher pequena de chá por xícara (chá) de água fervente. Tomar no máximo 3 xícaras ao dia.
  • Essência. 1 a 5 gotas, 3 vezes ao dia, após as principais refeições.
  • Decocção para uso externo. Acrescentar 50 g da planta em 1 litro de água quente. Deixar em ebulição por 3 minutos. Aplicar como compressa, loção, banho ou antisséptico bucal.

Além dessas fórmulas magistrais, tomilho pode ser encontrado em farmácias ou casas de ervas, puro ou integrado a outras formas compostas.

Outros usos [1,2]
De sabor levemente amargo, é muito utilizado na culinária, em banhos de imersão ou em almofadas para perfumar ambientes. Faz parte de numerosas preparações farmacêuticas e trabalhos de embalsamamento. 

É também indicado como repelente de mosquito.

 Atenção [2]
Pode causar reações alérgicas, especialmente em crianças. Em doses excessivas pode causar convulsão. Não se recomenda usar a essência por longo período de tempo.

 Referências

  1. QUEIROZ, R. G. O mundo mágico das plantas. Thesaurus Editora, Brasília (DF), 2003.
  2. Enciclopedia de Plantas Medicinales.
  3. Imagem: © Forest & Kim Starr - Acesso em 14 de junho de 2015
  4. The Plant List: Thymus vulgaris - Acesso em 14 de junho de 2015

GOOGLE IMAGES de Thymus vulgaris - Acesso em 14 de junho de 2015

Galeria: