Teca

Nome científico: 
Tectona grandis L.f.
Sinonímia científica: 
Jatus grandis (L.f.) Kuntze
Família: 
Lamiaceae
Partes usadas: 
Folha, flor, semente.
Constituintes (princípios ativos, nutrientes, etc.): 
Tectoquinona, caucho.
Propriedade terapêutica: 
Diurética, depurativa, estimulante, antidisentérico, vermífuga.
Indicação terapêutica: 
Anemia, astenia, febre, malária, amebíase, esquistossomose, tuberculose, sarna, afecções biliosas, bronquite, queixas urinárias.

Nome em outros idiomas

  • Inglês: teak, Indian oak
  • Francês: teck

Origem
A teca é originária das florestas tropicais do sul e sudeste da Ásia.

Descrição [2]
Quando adulta a árvore atinge entre 25 a 35 m. O tronco é reto e revestido por uma casca espessa resistente ao fogo.

As folhas podem ter disposição oposta ou verticilar em grupos de três, são coriáceas e medem de 30 a 60 cm de comprimento por 20 a 35 cm de largura. Os limbos são largos e elípticos, glabros na face superior e tomentosos na face inferior. As folhas amplas tornam a árvore sombreante desde a fase juvenil. Caem durante a estação seca (espécie caducifólia).

As flores são pequenas, de coloração branco-amarelada e se dispõem em panículas de até 40 x 35 cm.

Os frutos são do tipo drupa, cilíndricos, de cor marrom e possuem diâmetro de aproximadamente 1cm. Cada fruto apresenta quatro cavidades dentro das quais estão as sementes (uma por cavidade).

A madeira, de grande importância econômica, é a preferida na construção naval devido a extrema resistência à decomposição e atividade corrosiva da água. Apresenta boa resistência a peso, tração e flexão, semelhante ao mogno brasileiro. A durabilidade do cerne deve-se a tectoquinona, um preservativo natural contido nas células da madeira. O alburno é permeável, propriedade que facilita a aplicação de preservativos.

Tanto o alburno quanto o cerne contêm uma substância semelhante a um látex denominado caucho, que reduz a absorção de água e lubrifica as superfícies. Essa substância também confere resistência a ácidos e protege pregos e parafusos da corrosão.

Uso popular e medicinal [1]
As folhas são usadas para embalar produtos alimentares nos mercados. A casca da raiz e as folhas novas produzem um corante marrom-amarelado, vermelho ou amarelo, usado para colorir papel e tecidos em seda, algodão ou lã, mas requerem um mordente (substância associada ao tingimento com a função de manter a durabilidade da cor). 

As folhas têm reputação de serem diurética, depurativa, estimulante, antidisentérico e vermífuga. São usadas na medicina tradicional para tratar anemia, astenia, febre, malária, amebíase, esquistossomose e tuberculose. Diz-se que um óleo extraído de brotos jovens é usado para tratamento da sarna. As flores são usadas contra afecções biliosas, bronquite e queixas urinárias. Elas são diuréticas, assim como as sementes. 

O óleo da semente é aplicado como um tônico de cabelo. A casca adstringente é usada para tratar bronquite. A serragem é utilizada para a produção de carbono ativo.

 Referências

  1. Plant Resources of Tropical Africa (PROTA4U): Tectona grandis - Acesso em 24 de setembro de 2017
  2. Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais (IPEF, 2003): Tectona grandis - Acesso em 24 de setembro de 2017
  3. Image: Courtesy of Forest & Kim Starr
  4. The Plant List: Tectona grandis - Acesso em 24 de setembro de 2017

GOOGLE IMAGES de Tectona grandis - Acesso em 24 de setembro de 2017

Galeria: