Tanaceto

Nome científico: 
Tanacetum parthenium (L.) Sch.Bip
Sinonímia científica: 
Chrysanthemum parthenium (L.) Bernh.
Família: 
Compositae
Partes usadas: 
Folhas
Princípio ativo: 
Seus constituintes característicos são as lactonas sesquiterpênicas, sendo o partenolídeo o componente mais importante. Outros componentes ocorrem em menores quantidades, como os guaianolídeos e os eudesmanolídeos.
Propriedade terapêutica: 
Antileucorréico, emenagogo, antiespasmódico, febrífugo.
Indicação terapêutica: 
Dores de cabeça, enxaqueca, artrite, diarréia, perturbações gástricas e insônia.

Nota de Esclarecimento
No texto Cultivo de Horta Medicinal (veja Referência) essa espécie aparece como Artemísia (Chrysanthemum parthenium). Segundo o site "The Plant List", que utilizamos como base de consulta aos nomes científicos e famílias botânicas, Chrysanthemum parthenium é um sinônimo científico de Tanacetum parthenium.

Em outras referências Tanacetum parthenium aparece com nome popular Crisântemo. Aqui estamos tratando Crisântemo e Tanaceto como sendo a mesma espécie porém mantendo páginas separadas para cada uma, pois as fontes de consulta foram diferentes para a mesma espécie. Assim sendo, essas páginas se complementam.

Consulte aqui a página do Crisântemo.

Ainda como esclarecimento, Artemísia é tratada aqui como outra espécie Artemisia vulgaris.

Consulte aqui a página da Artemísia

Uso medicinal
Antileucorréico, emenagogo, antiespasmódico, febrífugo, para dores de cabeça, enxaquecas, artrites, diarréia, perturbações gástricas e insônia.

Há no site da ANVISA a descrição de um medicamento fitoterápico denominado Tamion (veja Referência), indicado na profilaxa de enxaqueca. Este medicamento possui em sua formulação Tanacetum parthenium L. A parte da planta utilizada para extração de seus componentes ativos são as folhas. 

 Dosagem indicada
Infusão. 2 a 3 folhas e 3 a 4 flores em 1 xícara de chá com água, tomar 1 xícara por dia.

Outros usos
Planta ornamental, repelente de insetos.

 Toxicologia
Não deve ser utilizado durante a gravidez, pois exerce forte ação sobre o útero, podendo causar aborto.

 Colaboração
Sérgio Antonio Barraca, estudante de graduação da ESALQ/USP, Piracicaba (SP), 1999.

 Referência

GOOGLE IMAGES de Tanacetum parthenium