Segurelha

Nome científico: 
Satureja montana L.
Sinonímia científica: 
Clinopodium montanum (L.) Kuntze
Família: 
Lamiaceae
Partes usadas: 
Sumidades floridas ou as folhas
Princípio ativo: 
Óleo volátil (essencial) - carvacrol, cineol, cimeno, terpenos, timol, nitrofenol; taninos 4 a 8,5 %
Propriedade terapêutica: 
Estomáquica, carminativa, expectorante, antiespasmódica, antisséptica, tônica, aperiente, antidiarreica.
Indicação terapêutica: 
Auxiliar no processo da digestão, tratamentos broncopulmonares, asma, bronquite, eliminação de gases, picada de marimbondo, diarrréia.

Nomes em outros idiomas

  • Inglês: Savory, Summer savory
  • Alemão: Bohnekraut (erva-feijão, pois é um excelente flavorizante para feijão), pfeffertrant
  • Espanhol: ajedrea de jardín
  • Francês: sarriete des jardins
  • Italiano: santorregia

Outras espécies

  • Satureja hortensis L.
  • Satureja repandra

Origem
Europa meridional, crescendo espontaneamente em lugares elevados de colinas. Adaptada à Austrália e ao Brasil. Foi considerada um estimulante psíquico e físico, recebendo o apelido de "sátiro". Gregos e romanos a consideravam um bom remédio contra picadas de cobras. A S. hortensis é conhecida como segurelha-de-verão e possui sabor picante, que lembra o da pimenta.

Características gerais
Planta anual ou bienal - em climas de invernos frios, é anual, que atinge 10 a 40 cm de altura. Folhas pequenas, com 12 a 37 milímetros, coriáceas (com textura semelhante ao couro), brilhantes, glabras (sem pelos), estreitas, pontiagudas, de cor verde escura; flores brancas, cor-de-rosa ou lilases, que florescem durante todo o verão e são muito perfumadas.

A segurelha é uma planta que cresce em qualquer tipo de clima, menos os muito quentes ou muito frios.

Indicações terapêuticas

Auxiliar no processo de digestão. Indicada nos tratamentos broncopulmonares (fluidifica as secreções, facilitando sua eliminação pela tosse). Indicada para o tratamento de asma e bronquite. Auxilia na eliminação de gases. Auxilia as circulações locais, provocando rubefaciência (vermelhidão) no local da aplicação.

Pode ser usada externamente para aliviar os efeitos de picadas de marimbondos.

Na Europa é usada para matar a sede excessiva dos diabéticos; usada em casos de diarréia, devido à presença de taninos.

 Receitas populares

Chá. 25 a 30 gramas para 1 litro de água. Tomar três vezes ao dia antes ou após as refeições.

Chá para o estômago. Colocar 10 gramas de sumidades floridas para 250 ml (1 copo) de água fervente. Deixar esfriar por 15 minutos, coar e tomar três vezes ao dia.

Chá contra dores de estômago. Ferva uma colher (sopa) de galhos floridos em uma xícara de água. Tampe e deixe amornar. Tome 4 xícaras pequenas ao dia.

 Uso culinário
Usada como aromatizante de alguns licores. Possui sabor aromático e picante.

Considerada um ótimo condimento, tornando legumes que contém fécula mais digeríveis. Auxilia também na digestão de carnes de caça e comidas "pesadas".

Para aproveitar melhor sua propriedade na culinária, sugere-se manter a segurelha em ramos e moê-la na hora do uso.

Combina bem quando usada com orégano, tomilho ou salsinha em pratos que levam cebola.

 Contraindicações
Não foram encontradas na bibliografia consultada.

 Referências

  • CREASY, R. The edible herb garden. Periplus, 1999, Singapura, p. 57.
  • FOSTER, S.; TYLER, V. E. Tyler´s honest herbal. The Haworth Herbal Press, 4th edition, New York, 2000, p.341-342.
  • GOMES, M. As plantas da saúde. Paulinas, 1ª edição, 2002, São Paulo, p. 263.
  • HERTWIG, I. F. Von. Plantas aromáticas e medicinais. Ícone Editora, São Paulo, 1986, p. 410-418.
  • MORGAN, R. Enciclopédia de ervas e plantas medicinais. Hemus Editora Ltda., 8ª edição, São Paulo, 1997, p. 158.
  • Plantas que curam - a natureza a serviço de sua saúde. Editora Três, São Paulo 2001, v. 35, p. 440.
  • READER´S DIGEST. Segredos e Virtudes das Plantas Medicinais. Reader´s Digest Livros, 1ª ed. revisada, Rio de Janeiro, 2001, p. 292.
  • RHOMER, F. O livro do chá. Editora Aquariana, São Paulo, 2002, p. 169.
  • TESKE, M. T.; MARGALY, A. Compêndio de Fitoterapia. Herbarium, 3ª ed, Curitiba, 1997, p. 256-257.
  • The Plant List
  • Imagens: Wikimedia Commons (Endogen, Nova), Flors de Catalunya

 Colaboração

  • Débora Gikovate, Bióloga, Especialista em Plantas Medicinais, São Paulo (SP), fevereiro de 2005.

​GOOGLE IMAGES de Satureja montana

Galeria: