Rosa

Nome científico: 
Rosa gallica L.
Sinonímia científica: 
Não há registro de sinônimo científico para esse nome.
Família: 
Rosaceae
Partes usadas: 
Pétalas
Constituintes (princípios ativos, nutrientes, etc.): 
Óleo essencial, tanino, potássio, ferro (em óxido), ácido gálico, albumina e um corante.
Propriedade terapêutica: 
Cardiotônica, adstringente, afrodisíaca, refrescante, laxativa, calmante, digestiva.
Indicação terapêutica: 
Depressão, afecções da garganta, boca e atonia digestiva, diarréia, queimaduras, urticária, picadas de inseto.

Nomes em outros idiomas

  • Inglês: French rose, apothecary's rose, Provence rose, red rose
  • Alemão: Essig-Rose, Apotheker-Rose.

Origem
Europa

Descrição
Rosa gallica, muita usada nos jardins medievais, é uma das mais antigas espécies cultivadas pelos gregos e romanos. A maioria dos cultivares das atuais rosas tem a R. gallica em seus ancestrais.

É um arbusto pequeno podendo atingir 2 m de altura, de folhas geralmente com cinco folíolos ovados ou orbiculares e flores grandes, de um tom vermelho vivo.

A rosa é cultivada como ornamental mas devido às suas múltiplas propriedades medicinais, ficou conhecida como "rosa dos boticários".

A mistura de pétalas de flores secas com especiarias, acondicionadas em jarros (potpourri), é utilizado para perfumar o ar.

Potpourri (em francês, literalmente "vaso podre") designa uma jarra contendo uma mistura de pétalas de flores secas e especiarias, para perfumar o ambiente.

São também usadas na preparação de cosméticos, perfumes, banhos e licores.

Uso medicinal
As pétalas são antibactericidas, adstringentes e tonificantes. Internamente ao organismo, podem ser utilizadas no tratamento de resfriados, bronquite, gastrite, diarréia, depressão e letargia. Externamente são empregadas no tratamento de infecções oculares, dores de garganta, feridas leves e problemas de pele.

As pétalas são a matéria-prima do mel rosado usado em aftas e conhecido desde Hipócrates, mas também de xaropes, pomadas (para rachaduras de lábios e mamilos), vinagre (usada em queimaduras, urticárias e picadas de inseto). É matéria-prima ainda de licores, perfumes e refrescos.

O fruto de diversos membros do gênero são rica fonte de vitaminas e minerais, especialmente vitaminas A, C, E, flavonóides e outros compostos bioativos. É ainda uma fonte razoavelmente boa de ácidos graxos essenciais, o que é relativamente incomum para frutos. Está sendo investigado como um alimento capaz de reduzir a incidência de câncer, ou até mesmo cessar ou reverter seu crescimento.

Na aromaterapia, o óleo essencial das flores é usado no combate à depressão, ansiedade e sentimentos negativos.

dosagem indicada

Inflamações da boca, olho e garganta, diarréia, mau hálito (infusão). Para boca, 10 g de pétalas. Para diarréia, 25 g de pétalas secas feitas pó misturadas a 7 g de glicerina e usar 10 g da mistura 2 vezes ao dia.

Inflamações do olho.  Infusão de 15 g de sumidades floridas de alecrim em 500 mls de água destilada fervente, deixadas em repouso por 8 dias. Acrescentar depois 15 g de rosas e compressar.

Urticária, queimadura. Faz um vinagre com vinho, que depois de fervido serve de depositório de um punhado de pétalas de rosas. Lavar o local, ou usar sabonetes, óleos oara massagens e banhos encontrados no mercado. 

 Receita de Licor de Rosas
Ingredientes. 100 g de pétalas de rosa vermelha, 1 litro de aguardente, 1 kg de açúcar, 7.5 dl de água.

Modo de fazer. Rasgar as pétalas de rosa e colocar de infusão com a aguardente, durante uma semana, num local escuro. Passado este tempo fazer a calda com a água e o açúcar, juntar a aguardente devidamente coada, filtrar e engarrafar.

 Referências

GOOGLE IMAGES de Rosa gallica

Galeria: