Quebra-pedra

Nome científico: 
Phyllanthus niruri L.
Sinonímia científica: 
Diasperus niruri (L.) Kuntze
Família: 
Phyllanthaceae
Partes usadas: 
Toda a planta.
Princípio ativo: 
Alcaloides, ácidos carboxílicos, cimeno, ácido elágico, taninos elágicos, lignana, salicilato de metila, nirurim, nirurine, niruriside, quercetina, quercetol, quercitrina, rutina, saponinas, triacontanal, tricontanol.
Propriedade terapêutica: 
Diurética, litolítica, aperiente, analgésica, relaxante muscular, anti-infecciosa.
Indicação terapêutica: 
Litíase urinária (cálculos ou pedra nos rins), estômago, cistite, gonorreia, cólicas, diabetes, disenteria, febre, gripe, tumores, icterícia, vaginite, dispepsia.

Formulário de Fitoterápico da Farmacopeia Brasileira
Quebra-pedra tem uso científico comprovado como litolítico nos casos de litíase urinária.

Nome em outros idiomas

  • Inglês: stone breaker
  • Espanhol: chancapiedra, piedra cachón

Origem
Índia​.

Descrição
Originária da Índia, P. niruri geralmente ocorre como erva daninha de inverno nas áreas mais quentes. O gênero Phyllanthus contém mais de 600 espécies de arbustos, árvores e ervas anuais ou bienais, distribuídas por vastas áreas tropicais e subtropicais. A erva cresce até 60 cm, muito glabras. O caule é frequentemente ramificado na base.

Curiosidade
O gênero Phyllanthus significa "folha e flor" porque a flor, assim como o fruto, parece se confundir um com o outro.

Uso popular e medicinal
Quebra-pedra é amplamente usada na América do Sul, onde é considerada o remédio mais popular para pedra na bexiga e nos rins.

Na medicina natural peruana também é utilizada para a hepatite, infecções do trato urinário e como diurético.

No Brasil é um excelente remédio para diminuir o ácido úrico na urina, remover pedras e contra hidropsia urinária (retenção hídrica). A hidropsia é caracterizada pelo acúmulo anormal de líquidos nos tecidos ou em determinadas cavidades do corpo. A progressão da doença inicia-se em um tecido ou membro que começa a inchar, até todo o corpo ser atingido. Os sintomas são fraqueza generalizada e urina escassa.

A lista de indicações é extensa: infecções da bexiga e bloqueios, doenças hepáticas, articulações dolorosas, cistite, doenças da próstata, distúrbios renais, hepatite, diabetes e como relaxante muscular. A ação analgésica e relaxante muscular de seus alcaloides ajuda na expulsão dos cálculos renais, por atuar no relaxamento dos uréteres.

Na Índia é conhecida por pitirishi. Usam-se como remédio caseiro para asma, bronquite, tosse, sede extrema, anemia e tuberculose.

Nas Bahamas, onde é chamada grama ou terra furacão, serve para estimular o apetite, constipação, febre tifoide, gripe e resfriados.

A medicina tradicional chinesa recomenda-a como um excelente hepatoprotetor, especialmente em pessoas que se recuperam de hepatite B.

Quebra-pedra tem sido objeto de muita investigação a partir de meados da década de 1960, para determinar os componentes ativos e as suas atividades farmacológicas. Os grupos de pesquisa da Índia e do Brasil foram os primeiros a realizar esses estudos, pois esta planta era conhecida por todos os povos devido aos seus efeitos terapêuticos em várias doenças.

As pesquisas mais recentes mostram que a atividade antiviral de quebra-pedra estende-se ao virus HIV (imunodeficiência humana). 

 Preparo e dosagem
Litolítico nos casos de litíase urinária (preparar por infusão, uso interno). Componentes: partes aéreas secas (3 g); água q.s.p. (150 mL). Modo de uso: acima de 12 anos, tomar 150 mL do infuso, 10 a 15 minutos após o preparo, 2 a 3 vezes ao dia. Advertência. Não utilizar em gestantes. Concentrações acima das recomendadas podem causar diarreia e hipotensão arterial [1].

Litíase urinária e diurético (preparar como tintura, uso interno). Componentes: partes aéreas secas (10 g); álcool 70% p/p q.s.p. (100 mL). Orientação para o preparo: estabilizar o material vegetal submetendo à secagem em estufa a 40o C por 48 h e extrair por percolação. Acondicionar em frasco de vidro âmbar bem fechado em local fresco, seco e ao abrigo da luz.  Advertência: não usar em gestantes, lactantes, crianças menores de 2 anos, alcoolistas e diabéticos. Doses acima das recomendadas podem causar efeito purgativo. Não usar por mais de três semanas. Modo de uso: acima de 12 anos, tomar 5 mL da tintura diluídos em 75 mL de água, 3 vezes ao dia [1].

Uso geral (infusão). 1 xícara de cafezinho da planta fresca picada em ½ litro de água. Tomar 1 xícara de chá 6 vezes ao dia. 

Relaxamento dos uréteres (decocção): 2 plantas inteiras em ½ litro de água. Tomar várias vezes ao dia. Suspender por 2 semanas o uso do decocto após 10 dias de uso contínuo.

 Toxicologia
Abortiva e purgativa em dosagem acima das normais.

 Referências

  1. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), 1ª ed. 2011.
  2. Digitalz Perú: Chancapiedra - Acesso em 05/06/2016
  3. International Braz. J. Urol (2010): Phyllanthus niruri as a promising alternative treatment for nephrolithiasis - Acesso em 05/06/2016
  4. Imagem: Prelude Medicinal Plants Database - Acesso em 05/06/2016
  5. The Plant List: Phyllanthus niruri - Acesso em 05/06/2016

GOOGLE IMAGES de Phyllanthus niruri - Acesso em 05/06/2016

Galeria: