Poligala

Nome científico: 
Polygala senega L.
Sinonímia científica: 
Senega officinalis Spach
Família: 
Polygalaceae
Partes usadas: 
Raiz seca.
Princípio ativo: 
Salicilato de metila, saponinas triterpênicas.
Propriedade terapêutica: 
Expectorante, antisséptica, diurética.
Indicação terapêutica: 
Problemas no trato respiratório, asma, bronquite.

Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira
Poligala tem uso científico comprovado como expectorante.

Nome em outros idiomas

  • Inglês: seneca snakeroot
  • Francês: polygala sénéca, polygala de Virginie.

Descrição [2]
P. senega é planta nativa da Nova Inglaterra (região nordeste dos EUA, abrange os estados de Connecticut, Maine, Massachusetts, New Hampshire, Rhode Island e Vermont). Encontrada em margens de rios, bosques e costões de calcário. 

Planta perene, cresce de forma densamente agrupada a partir de um rizoma nodoso. As folhas são simples, lobadas ou não, não separadas em folhetos. Arranjo das folhas alternado, uma folha por nó ao longo da haste, borda dentada. A flor tem simetria lateral e 5 pétalas, sépalas ou tépalas. Pétalas e sépalas são separadas e não fundidas. A pétala tem cor branca. 

O fruto tem comprimento de 3 a 3,5 mm, é seco e divide-se quando maduro.

A planta foi usada pelos senecas (povos indígenas dos EUA e Canadá) para tratamento de mordida de cobra cascavel. É cultivada no Japão Índia e Brasil. Nos anos 1960 o Canadá foi o principal exportador de produtos a base de poligala [4]

Uso popular e medicinal
A atividade expectorante de P. senega está relacionada ao seu conteúdo de saponinas triterpênicas que promovem irritação local das membranas mucosas estimulando a secreção aquosa que dilui o muco espesso do produto inflamatório.

As saponinas também reduzem a tensão superficial do muco espesso, facilitando a sua eliminação. O salicilato de metila apresenta atividade antisséptica contra inúmeros microrganismos do trato respiratório. Na composição química são encontrados salicilato de metila (0,1 - 0,3%); e saponinas triterpênicas (6 - 16%): 3-glucosideos de presenegenina, que também contém no C-28 um radical oligossacarídeo de fucose esterificado com o ácido 3,4-dimetoxicinamico ou 4-metoxicinamico [3].

Na raiz relata-se a ocorrência de ácidos fenólicos, poligalitol (um derivado de sorbitol, um álcool de açúcar) e esteróis.

A raiz é moída em pó e utilizada em diversas patentes, particularmente em medicamentos para a tosse, asma e bronquite. É usada também na medicina veterinária. Além dos efeitos sobre o sistema respiratório, promove a transpiração e a micção [4].

 Dosagem indicada [1]
Expectorante. Componentes: raizes secas (4,5 g); água q.s.p. (150 mL). Preparar por infusão considerando a proporção indicada na fórmula. Uso interno: acima de 12 anos, tomar 150 mL do infuso logo após o preparo, 2 a 3 vezes ao dia. 

Cuidado: altas doses podem causar vômitos e diarreia.

 Referências

  1. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), 1ª ed. 2011.
  2. Go Botany: Polygala seneca - Acesso em 23 de agosto de 2015
  3. Universidade Bandeirante de São Paulo (UNIBAN - Mestrado Profissional em Farmácia - Prof. Niraldo Paulino, 2014): Fitoterapia nas patologias do sistema respiratório - Acesso em 23 de agosto de 2015
  4. Agriculture and Agri-Food Canada: Polygala senega - Acesso em 23 de agosto de 2015
  5. Imagem: Northeast School of Botanical Medicine (© 2015 7Song) - Acesso em 23 de agosto de 2015 
  6. The Plant List: Polygala senega - Acesso em 23 de agosto de 2015 

GOOGLE IMAGES de Polygala senega - Acesso em 23 de agosto de 2015

Galeria: