Poejo-miúdo

Nome científico: 
Cunila microcephala Benth.
Sinonímia científica: 
Hedyosmos microcephalus (Benth.) Kuntze
Família: 
Lamiaceae
Partes usadas: 
Ramos com folhas
Constituintes (princípios ativos, nutrientes, etc.): 
Composição do óleo essencial: 82,3-85,1% de mentofurano, 2,1-3,8% de limoneno, 3,3-3,9% de b-cariofileno, a-pineno, canfeno, b-pineno, sabineno, b-mirceno, 1-8-cineol, b-ocimeno, g-terpineno, linalol, pulegona, a-terpineol e germacreno D.
Propriedade terapêutica: 
Estimulante, antiespasmódica.
Indicação terapêutica: 
Tosse, resfriado, gripe, febre, regras irregulares.

Origem
Sul do Brasil, Uruguai e Argentina.

Ocorrência
Em lugares úmidos de campo, junto a banhados e beira de matos de galeria. Nas nascentes e cursos dágua de pequeno volume e depressões do terreno em locais altos.

Uso popular
O poejinho possui cheiro aromático, sabor quente e fracamente amargo. O óleo essencial de Cunila microcephala apresenta composição química bastante diversificada. 

As folhas e flores são usadas na forma de chá como estimulante, antiespasmódico e no tratamento de tosses crônicas e infecção respiratória.

No Brasil dois tipos de poejo são conhecidos e correspondem a duas espécies diferentes. Uma espécie é originária da Europa e seu nome científico é Mentha pulegium. A outra espécie é o poejo nativo, originário da América do Sul, Cunila microcephala, ambas da família Labiatae. Cunila microcephala é o mais comum, de folhas bem pequenas, caules finos e longos, que se estendem pelo solo. É o mais usado e cultivado. O outro, Mentha pulegium, é mais raro, de folhas maiores e mais claras. O aroma deste é também forte e agradável, como o do outro. As propriedades de ambos são as mesmas, sendo portanto também os mesmos usos.

A seguir, mais informações sobre poejinho, com foco na descrição botânica e cultivo.

Descrição
Planta perece, herbácea, rasteira, não se elevando a mais que 0,20 m do chão, mas abrindo círculos de 0,80 m de diâmetro. Caule fino, prostrado, pardo-claro e esverdeado enraizando em vários pontos em contato com o solo. Ramos longos, quadrangulares, tenros e aromáticos.

Folhas simples, opostas cruzadas, inteiras, oblongas ou oval-espatuladas e concheadas, peninérveas, margens lisas, sésseis e aromáticas. Faces concolores, verde-claras e com pelos glandulares de essências.

Flores brancas com manchas violáceas nas pétalas inferiores. Corola zigomorfa com 5 dentes, sendo 3 inferiores menores. Estames 2, com anteras de 2 lojas na extremidade de filetes longos e maiores que a corola. Estilete longo, ascendente e curvo com estigma bífido. Inflorescência em glomérulos de aspecto cônico com as primeiras flores abrindo-se na base do cone. Florescimento na primavera (de setembro a dezembro).

Frutos constituídos de núculas muito diminutas e de cor escura.

Cultivo
Propagação. Divisão de touceiras e estacas.

Época de plantio. Outono (março a junho).

Espaçamento. 0,80 m entre as linhas e 0,50 m entre as plantas. 

Clima. É planta de clima temperado. Planta de plena luz quando em seu habitat de campos planos e úmidos. Em áreas mais altas deve ser plantado em local semi-sombreado. Não resiste a secas prolongadas bem como a geadas e ventos frios.

Solos. É planta quase palustre. Exige terras úmidas e férteis. Solos secos e arenosos são impróprios. Não é exigente quanto ao pH do solo.

Tratos culturais. São os mínimos, somente o controle dos inços, pois sendo planta baixa é frequentemente abafada por outras plantas invasoras. No verão o poejo deve ser irrigado para não ocorrer a morte as plantas.

Pragas e doenças. Como se trata de planta fortemente aromática, é rejeitada pela maioria das pragas de outras culturas, mesmo as formigas não a atacam em demasia. Quanto às doenças, somente foi constatada a incidência de estiolamento quando cultivada em local sombreado ou asfixiada pelos inços. Por vezes ocorre o aparecimento de manchas esbranquiçadas nas folhas quando cultivadas em local pouco ensolarado.

Colheita. Colher os longos ramos enfolhados, geralmente no segundo ano, do outono até a primavera.

Rendimento. É planta baixa, entrelaçada, de difícil colheita e baixa produção de massa verde.  Sua produtividade é muito baixa, não indo além de 1.000 kg/ha.

 Referência

GOOGLE IMAGES de Cunila microcephala

Galeria: