Pitaya-vermelha

Nome científico: 
Hylocereus undatus (Haw.) Britton & Rose
Sinonímia científica: 
Cereus trigonus var. guatemalensis Eichlam
Família: 
Cactaceae
Partes usadas: 
Flor, fruto, semente.
Propriedade terapêutica: 
Laxante
Indicação terapêutica: 
Gastrite, prevenção contra o câncer de cólon, diabetes, neutralização de substâncias tóxicas e metais pesados, redução do colesterol e da pressão alta, problemas renais.

Nome em outros idiomas

  • Inglês: pitahaya, dragon fruit, night blooming Cereus, strawberry pear, belle of the night, cinderella plant
  • Francês: pitaya, fruit du dragon, cierge-lézard, poire de chardon
  • Alemão: drachenfrucht, distelbirne
  • Espanhol: pitahaya roja, flor de caliz, junco tapatio, reina de la noche, tasajo
  • Italiano: pitahaya, frutto del drago

Origem [3]
É amplamente distribuída nos trópicos em cultivo. É litofítica (cresce sobre rochas) ou hemiepífíta (cresce sobre outras plantas). Como todos os cactos, o gênero se origina nas Américas mas a origem precisa da H. undatus é incerta e pode ser um híbrido.

Descrição [1]
Planta perene, trepadeira, com caule classificado morfologicamente como cladódio, de onde se originam várias raízes adventícias que ajudam na absorção de nutrientes e fixação da planta em um tutor.

O fruto tem sabor leve e adocicado, propriedades organolépticas, polpa firme de excelente qualidade digestiva e baixo teor calórico. É vermelha por fora e a polpa é branca. No Brasil o cultivo da pitaya teve início na década de 90 no interior do Estado de São Paulo, região de Catanduva.

Outras espécies comerciais conhecidas são a pitaya-vermelha (Hylocereus costaricensis), vermelha por dentro e por fora; pitaya-amarela (Selenicereus megalanthus), casca amarela e interior branco; e a pitaya-do-cerrado (Selenicereus setaceus) que pode ser encontrada vegetando naturalmente em regiões do Brasil.

Uso popular e medicinal
Segundo o conhecimento popular apresenta propriedades medicinais como melhora de gastrites, prevenção contra o câncer de cólon e diabetes, neutralização de substâncias tóxicas como metais pesados, redução dos níveis de colesterol e pressão alta, além dos cladódios e as flores serem utilizados contra problemas renais. As sementes têm ação laxante [1].

Rico em vitamina C, fibra, cálcio e fósforo. Recomendado aos diabéticos como fonte de alimentos de fibra em substituição ao arroz. Usado para reduzir o colesterol, pressão arterial, remover metais pesados e toxinas [2].

 Referências

  1. Casa do Produtor Rural (USP/ESALQ, 2013): Cultivo da pitaya - Acesso em 19 de fevereiro de 2017
  2. The Free Dictionary: Hylocereus undatus - Acesso em 19 de fevereiro de 2017
  3. Global Biodiversity Information Facility (GBIF, 2016): Hylocereus undatus - Acesso em 19 de fevereiro de 2017
  4. Image: Wikimedia Commons (Authors: Forest & Kim Starr) - Acesso em 19 de fevereiro de 2017
  5. Image (fruit): Wikimedia Commons (Author: SMasters) - Acesso em 19 de fevereiro de 2017
  6. The Plant List: Hylocereus undatus - Acesso em 19 de fevereiro de 2017

GOOGLE IMAGES de Hylocereus undatus - Acesso em 19 de fevereiro de 2017

Galeria: