Pata-de-vaca

Nome científico: 
Bauhinia forficata Link
Sinonímia científica: 
Não encontrado.
Família: 
Leguminosae
Partes usadas: 
Folhas, flores, raízes, cascas do tronco.
Propriedade terapêutica: 
Purgativa, diurética.
Indicação terapêutica: 
Problemas do aparelho urinário, diabetes, problemas renais, retenção de líquidos, colesterol.

 Esta espécie é considerada Planta Alimentícia Não Convencional.

Nome em outros idiomas

  • Inglês: brazilian orchid tree

Origem
Sul do Brasil e nordeste da Argentina. Ocorre em r
egiões subtropicais em matas baixas, locais secos e declivosos ou cultivadas como ornamental e medicinal em ruas, cercas e beiras de matos.

Descrição

Planta perene, arbórea, baixa (2,00 m – 3,00 m), chegando a 10,00 m – 12 m  na mata. Caule tortuoso, casca fina, clara e muito ramificada. Ramos arqueados, espinhosos, em zigue-zague, escuros e arroxeados e em cada cotovelo estão dois espinhos curtos, agudos e ganchosos.

Essa descrição refere-se a Bauhinia forficata subsp. pruinosa (Vogel) Fortunato & Wunderlin.

Folhas simples, alternas, dísticas, pecíolos curtos e finos. Limbo bilobado na forma de um casco de boi, bordos lisos, nervuras palminérveas. Na extremidade da nervura média (mais curta), encontra-se um espino atrofiado. Lâminas verde-escuras na face ventral e verde-claras na dorsal, com as nervuras salientes. A folha se insere entre dois espinhos do cotovelo do ramo.

Flores grandes, zigomorfas, diclamídeas, hermafroditas, pentâmeras. Corola dialipétala, papilionácea, constituída de 5 pétalas brancas, pergaminadas. Cálice gamossépalo em forma de tubo fendido. Estames em número de 10 com filetes longos, sendo 9 unidos e 1 livre, anteras alongadas e arqueadas. Ovário estipilado e linear. Estilete longo e estigma peltado. Flores geminadas. Florescimento no verão (dezembro a março).

Frutos constituídos de vagens lenhosas, comprimidas, bivalvas, com pedúnculos longos e finos, solitárias ou geminadas. São ainda planas, alargando-se próximo à extremidade que ostenta uma ponta algo recurva. São deicentes, projetando as sementes à distância.

Sementes marrom-escuras, achatadas, discóides, formando quase um círculo menor por um setor chanfrado. São secas e leves em número de 8 a 10 por vagem.

Uso popular e medicinal
Hipogliceminante (antidiabético), purgativo e diurético. Indicada para problemas do aparelho urinário.

O chá de pata-de-vaca combate a diabetes promovendo no pâncreas a produção de mais insulina. Reduz o colesterol, é emagrecedor e diurético. Indicado também para problemas no fígado, intestino, estômago, rins, diarreias, impedindo o aparecimento de açúcar na urina, insuficiência urinária, prisão de ventre, nos casos de poliúria ou urina solta.

 Preparo e dosagem
Diabetes (infusão). 2 xícaras de cafezinho da folha picada em ½ litro de água ou 1 folha picada por xícara de chá. Tomar 4 a 6 xícaras de chá ao dia. Não interromper a dieta específica para diabetes. 

Purgativo. Infusão das flores. 

Pó: feito com cascas e folhas secas. Usar na forma de decocção, com uma colher de sopa em 150 ml de água (1 xícara). Tomar ½ a 1 xícara de chá ao dia.

Outros usos
Planta melífera. Pioneira e rústica, pode ser usada em recomposição florestal.

Cultivo

Variedades. Não são conhecidas. Existem outras espécies de Bauhinia africanas ou até nativas, sem espinhos, trepadeiras ou não de flores lilases e mesmo brancas, mas que não foram estudadas quanto à sua ação medicinal. É tratada aqui a B. candicans (um sinônimo de B. forficata subsp. pruinosa).

Clima. Subtropicais e temperados-brando. Resiste ao frio e aos calores do verão. Produz maior volume de folhas quando há maior distribuição de chuvas. É espécie pioneira (heliófita), mas pode ser plantada à meia-sombra.

Solos. Prefere os solos férteis, levemente úmidos e com bom teor de matéria orgânica. Pode ser plantada em várzea, encosta e locais pedregosos. Nos solos fracos seu desenvolvimento é lentro, o caule fino e ramos espinhentos em demasia.

Propagação. Por sementes que a planta produz em grande quantidade. As sementes devem ser previamente tratadas com água quente e deixadas de molho por uma noite para facilitar a germinação. O nascimento é demorado e irregular. As mudas devem ficar no viveiro até que tenham 0,20 m a 0,40 m, mas não mais que isso devido a sua raiz principal que é longa e pivotante.

Plantio. É feito em linhas a 2,50 m - 3,00 m, deixando as mudas a 2,0 m – 2,5 m entre si na linha. O plantio deve ser feito no fim do verão, outono ou inicio do inverno.

Tratos culturais. Roçagens para manter o mato baixo na cultura. Capinas em coroa ao redor das mudas. Replantes, tutoramento e regas para manter um bom número de plantas por hectare.

Pragas e doenças. A praga mais preocupante é de gorgulhos, que atacam as sementes ainda nas vagens, inutilizando-as. Com isso escasseia o número de sementes para o  plantio.

Colheita. A colheita das folhas é feita no fim da primavera e início do verão, ou no início do outono, antes da desfolha. No verão as folhas estarão em flor sendo portanto desaconselhável cortar os ramos e no outono não há folhas para serem colhidas. As folhas devem ser colhidas livres de orvalho e levadas para secagem o mais rápido possível para não perderem a cor verde ou ficarem mofadas.

 Colaboração

  • Sérgio Antonio Barraca, estudante de graduação da ESALQ/USP, Piracicaba (SP), 1999.

 Referências

  1. ESALQ/USP (1999): Cultivo de horta medicinal - Acesso em 29/05/2016
  2. CASTRO, L. O.; CHEMALE, V. M. Plantas Medicinais, Aromáticas e Condimentares – Descrição e Cultivo. Livraria e Editora Agropecuária, Guaíba (RS). 1995.
  3. Imagem: Flora RS (Autores: Eduardo L.H. Gihel, Daniel Grasel, Sergio Campestrini) - Acesso em 29/05/2016
  4. Farmácia Homeopática Dias da Cruz - Acesso em 29/05/2016
  5. Árvores do Brasil - Acesso em 29/05/2016
  6. The Plant List: Bauhinia forficata - Acesso em 29/05/2016

GOOGLE IMAGES de Bauhinia forficata - Acesso em 29/05/2016

Galeria: