Mil-folhas

Nome científico: 
Achillea millefolium L.
Sinonímia científica: 
Achillea albida Willd.
Família: 
Compositae
Partes usadas: 
Folha, inflorescência, parte aérea, sumidades floridas.
Princípio ativo: 
Azulina, apigenina, ácido salicílico, betonicina, flavonoides.
Propriedade terapêutica: 
Antiespasmódica, estomáquica, expectorante, cicatrizante, anti-inflamatória, antirreumática.
Indicação terapêutica: 
Dispepsia, úlceras internas, varizes, cólicas menstruais, amenorreia, celulite, hemorragias, diarreia, ferimentos, queimaduras, hemorroidas.

Formulário de Fitoterápico da Farmacopeia Brasileira
Mil-folhas, preparado como infuso e tintura, tem uso científico comprovado como . antidispéptico, antiflatulento, anti-inflamatório, colerético e antiespasmódico. Para mais informações, consulte a monografia.

Nome em outros idiomas

  • Inglês: common yarrow, milfoil
  • Espanhol: hierba de las cortaduras
  • Francês: herbe à dindes, achillée millefeuille, persil à dinde

Origem
Europa e Ásia.

Descrição
Planta perene, herbácea (0,50 – 0,80 m), rizomatosa, com inúmeras raízes fibrosas e finas. Rizoma fino e longo, pardo-claro, rebrotando na extremidade. Hastes erétas, finas, com extremidade pilosa, sulcada e poligonal, de coloração arroxeada.

Folhas alternas, simples mas profundamente fendidas parecendo uma folha composta. Pecíolo com bainha achatada, listrado e piloso nas laterais. Lacínias do limbo verde-escuras e brilhantes, aroma agradável e gosto amargo.

Flores reunidas em capítulos dimorfos com as flores do raio liguladas, brancas ou levemente rosadas, unissexuadas-femininas (pistiladas) e as do centro tubulosas e hermafroditas, brancas, com estigma bifurcado e papiloso na sua extremidade. Antera unidas rodeando o longo estilete. Inflorescências terminais formada de capítulos com poucas flores sobre um receptáculo cônico, constituindo o conjunto dos capítulos um corimbo composto. As folhas têm aroma agradável lembrando o mel. O florescimento é longo iniciando em setembro indo até abril.

Frutos pequenos, secos e duros (aquênios), de sabor amargo, contendo apenas uma semente.

Sementes inseridas nos aquênios que são frutos indeiscentes.

Uso popular e medicinal
Antiespasmódico, estomáquico e expectorante. Contra distúrbios digestivos (dispepsia) e úlceras internas, varizes, cólicas menstruais, amenorreia, celulite e hemorroidas. Cicatrizante, anti-inflamatório e antirreumático (uso externo).

Além das já citadas, esta planta tem muitas outras propriedades e utilizações medicinais, como tratamento do resfriado comum, anorexia e artrite.

Outros usos incluem enfeite de jardins e paisagens, pois é uma planta muito bonita. Seres humanos e insetos polinizadores são atraídos pela fragrância de mel que exala de umbelas brancas de maio a outubro. Também intensifica os aromas e fragrâncias de outras plantas e ervas que crescem perto dela.

Curiosidade
Diz a lenda que Achillea é uma ode a Aquiles, que teria usado um cataplasma das flores perfumadas de mil-folhas para parar o sangramento de seus soldados feridos na batalha.

 Preparo e dosagem

  • Infusão: 1 a 2 colheres de sopa da planta seca em 1 xícara de água, tomar 1 a 2 xícaras de chá ao dia (uso interno). 
  • Decocção: uso externo para lavar feridas, ulcerações e hemorroidas, sob a forma de compressas. 
  • Sumo: preparado com a planta fresca previamente lavada, colocado sobre ferimentos e ulcerações.

 Toxicologia
Existem referências que tratam de sua possível ação tóxica nos animais domésticos.

Ocorrência
Vegeta espontaneamente e assilvestrada no norte e leste da Ásia, norte da África, América do Norte e sul da Austrália. Cultivada em vários países de zonas temperadas.

Cultivo
Propagação. Por divisão de touceiras, por rizomas e sementes. Estas devem ser importadas, o Brasil não produz sementes.

Época de plantio. Pode ser feita no outono (março a junho) ou na primavera ( setembro-outubro).

Espaçamento. 0,50 m a 0,70 m entre as linhas e 0,30 m a 0,40 m entre as plantas na linha. Em solos pobres os espaçamentos são menores.

Clima. Temperado-brando a temperado-frio. Exige pouca chuva e muita luz. Climas úmidos bem como chuvas excessivas prejudicam o seu teor em óleos essenciais.

Solos. Não é exigente quanto à textura do solo. Nos arenosos e secos seu porte é menor, mas seu teor em óleo é maior. A produção é máxima nos solos férteis em minerais, matéria orgânica e levemente úmidos. Tem restrições aos solos excessivamente úmidos mas apresenta-se resistente a um pH (acidez) desfavorável.

Tratos culturais. Arrancamento dos inços (quando nova é sensível a invasoras, mas quando adulta é dominante no solo). Irrigações nos verões muito secos. Adubações complementares no outono pois é planta esgotante do solo se plantada por longo tempo sem adubações de reposição.

Pragas e doenças. Não foi observado até o momento a incidência de pragas e doenças nesta cultura. Nos frios intensos, conjugados com ventos frios, ocorre um avermelhamento e mesmo morte de muitas folhas.

Colheita. As partes colhidas são as folhas, sumidades floridas, inflorescências ou toda a planta.

Rendimento. Para folhas e sumidades floridas cita-se como médio um rendimento de 2.500 a 3.000 kg de planta seca por hectare. Este é o resultado da secagem de uma colheita de 9.000 kg/há de planta verde.

Momento da colheita. Se a finalidade for sumidades floridas a colheita é feita na abertura das primeiras flores. Se for a de flores, deve-se esperar que a maioria delas estejam abertas. Para colher folhas ou toda a planta para fins medicinais deve-se fazer quando surgirem os primeiros botões florais.

 Referências

  1. USP/ESALQ (1999): Cultivo de horta medicinal
  2. CASTRO, L. O.; CHEMALE, V. M. Plantas Medicinais, Aromáticas e Condimentares – Descrição e Cultivo. Livraria e Editora Agropecuária, Guaíba (RS). 1995.
  3. The Plant List: Achillea millefolium - Acesso em 8 de janeiro de 2017
  4. Green Light Plant: Achillea millefolium - Acesso em 8 de janeiro de 2017
  5. Imagens: Wikimedia Commons (Author: AnemoneProjectors); © Carl Farmer, Bio 406D Native Plants - Acesso em 8 de janeiro de 2017

GOOGLE IMAGES de Achillea millefolium - Acesso em 8 de janeiro de 2017

Galeria: