Mentrasto

Nome científico: 
Ageratum conyzoides (L.) L.
Sinonímia científica: 
Ageratum album Hort.Berol. ex Hornem.
Família: 
Compositae
Partes usadas: 
Parte aérea, folhas
Princípio ativo: 
Alcaloides (pirrolizidínico, lycopsamine e echinatine), cumarinas, óleos essenciais, saponinas, flavonoides e taninos.
Propriedade terapêutica: 
Analgésica, anti-inflamatória, antirreumática, antidiarretica, febrífugo, carminativa, emenagogo, tônica.
Indicação terapêutica: 
Artrose, reumatismo, cólica menstrual, hemorragias, diarreias, depressão, psoríase.

Nome em outros idiomas

  • Inglês: white weed, billy goat weed
  • Francês: ageratum du Mexique., azier françois, bouton, eupatoire bleue.
  • Espanhol: chuva

Origem
Nativa do Brasil (regiões tropicais da América do Sul).

Ocorrência
Nas regiões tropicais e subtropicais ocorrendo em antigas lavouras, margens de caminhos, beira de matas pomares e campos sujos, quase sempre em locais úmidos e parcialmente sombreados. Vastamente encontrado no Brasil, exceto no extremo sul.

Descrição
Planta anual, herbácea (0,50 – 0,80 m), caule verde-claro, cilíndrico ou achatado, piloso com pelos brancos e curtos, ramificado. Ramos eretos, longos, verde-claros e pilosos. Raiz principal pivotante e inúmeras secundárias.

Folhas simples, opostas, pecioladas, membranáceas, macias e aromáticas. Pecíolos longos, finos e pilosos. Limbo lanceolado, base atenuada nas folhas novas e largo-atenuada ou cuneada nas maduras, ápice acuminado, nervação peninérvea com  nervuras salientes na face dorsal e depressas na ventral com a nervura central e duas laterais bem visíveis. Bordos crenulados e grosso-serrilhados e ambas as faces de cor verde-clara.

Flores hermafroditas, tubulosas, limbo pentalobulado. Cálice constituído de um papilho composto de uma só fila de páleas ou escamas lanceoladas, margens serrilhadas e ápice aristado. Anteras obtusas na base e apendiculadas no ápice. Estilete com ramos obtusos. Flores reunidas em capítulos hemisféricos, azul-celeste ou branco dispostos em corimbos terminais.

Frutos constituídos de aquênios providos de 5 costados, minúsculos e escuros, sem o “papus” mas com um papilho paleáceo de 5 escamas.

Sementes representadas pelos aquênios acima descrito.

Uso popular e medicinal
A atividade antiinflamatória de mentrasto foi confirmada cientificamente por trabalho financiado pela extinta Central de Medicamentos (CEME). Recentemente foi relatado que a decocção de suas folhas demonstraram atividade frente a inflamações ovarianas, amenorréia, dismenorréia, reumatismo e diarréia.

Na região de Crisciuma (SC) são reconhecidas as propriedades analgésica e antiinflamatória desta planta,  onde também é usada para tratar depressão, reumatismo, dores articulares, edemas, cólicas menstruais, tosse e psoríase.
 
Um trabalho científico avaliou a atividade antidepressiva do extrato hidroalcoólico de Ageratum conyzoides L. em  camundongos utilizando modelos comportamentais. Investigou-se a indução de toxicidade pela administração aguda do extrato hidroalcoólico através de parâmetros definidos. Os resultados obtidos mostraram que A. conyzoides aumentou o tempo de imobilidade no teste do nado forçado nas doses de 75,0 e 150,0 mg/kg e no teste de suspensão da cauda na dose de 25,0 mg/kg. O extrato não alterou a atividade locomotora espontânea e a coordenação motora dos animais. Foi observada alteração apenas na dose de 50,0 mg/kg aos 60 minutos de observação no teste do rota-rod. Estes resultados sugerem que o extrato hidroalcoólico de A. conyzoides possui propriedade antidepressiva, principalmente em baixas doses. Entretanto no modelo de toxicidade aguda, o extrato mostrou-se tóxico sobre vários parâmetros em todas as doses testadas, sendo observada maior toxicidade sobre camundongos fêmeas. Os efeitos tóxicos podem ser devido à presença de alcalóides pirrolizidínicos nesta espécie. O estudo concluiu que outras tentativas são necessárias para melhor avaliar as propriedades psicofarmacológicas de A. conyzoides, além de melhor investigar seus efeitos tóxicos para utilização mais segura pela população. 
 

 Preparo e dosagem

  • Cólicas menstruais (infusão): 1 xícara de cafezinho da planta seca picada em 1/2 litro de água, tomar 1 xícara de chá de 4 em 4 horas. 
  • Reumatismo/artrose (tintura): 1 xícara de cafezinho da planta fresca para 5 xícaras de álcool, tomar 10 gotas em água 2 vezes ao dia (cólicas) ou aplicar em massagens locais. 
  • Artrose (pó): colocar 1 colher (café) do pó em água ou suco de frutas para cada dose a ser tomada, tomar 3 a 4 vezes ao dia. 
  • Reumatismo e artrose (decocção, uso externo): cozinhar a planta inteira e despejar o chá morno numa vasilha, colocar os pés ou mãos dentro durante 20 minutos, 2 vezes ao dia, ou usar sob a forma de compressas 2 vezes ao dia.

Outros usos
Apresenta atividade contra insetos hemípteros (precocenos).

Sem efeitos tóxicos nos estudos realizados.

Cultivo
Variedades. Não se conhece variedades da espécie típica.

Clima. Tropicais e subtropicais. No Estado do Rio Grande do Sul é possível cultivá-la na Depressão Central e Litoral Norte. Dá-se bem nos locais meio-sombreados e protegido do frio. Desaparece na entrada do inverno, não resistindo ao frio desta estação.  

Solo. Areno-argilosos e férteis onde dá maior produção de folhas, embora não seja exigente quanto ao solo, produzindo melhor nos úmidos e tolerando também os secos e menos férteis.

Propagação. Por meio de sementes que as plantas produzem em abundância. A germinação é alta. Em vista de serem minúsculas, a semeadura em viveiros é boa prática.

Plantio. Feito na primavera, direto no campo ou no viveiro para posterior transplante de mudas. Por serem pequenas não devem ser cobertas para nascer, mas regadas para aderir ao solo. No local definitivo as linhas devem ser deixadas a 0,50 m e as plantas na linha plantadas ou desbastadas para que fiquem a 0,3 – 0,40 m.

Tratos culturais. Resumem-se a capinas para manter a cultura livre dos inços até que as plantas cubram o terreno. Irrigações devem ser feitas em caso de estiagem.

Pragas e doenças. A ocorrência de ácaros nas folhas comprometem a qualidade do produto. Não se conhece a incidência de doenças na cultura.

Colheita. Realizada 120 dias após o plantio. As sementes são cortadas a 10 cm acima do solo para que possam rebrotar e produzir nova colheita. A secagem deve ser feita de imediato. A produção é variável com as condições de solo, clima e de cultivo.

 Referência

GOOGLE IMAGES de Ageratum conyzoides

Galeria: