Manjerona

Nome científico: 
Origanum majorana L.
Sinonímia científica: 
Amaracus majorana (L.) Schinz & Thell.
Família: 
Lamiaceae
Partes usadas: 
Ramos, folhas verdes.
Constituintes (princípios ativos, nutrientes, etc.): 
Substâncias tânicas, princípios amargos e minerais. A principal é a essência aromática composta de terpenos, terpineno e origanol (cerca de 40%).
Propriedade terapêutica: 
Estimulante, antiespasmódica, antisséptica, antiespasmódica, carminativa, colagoga, diaforética, diurética, emenagoga, expectorante, estomáquica, levemente tônica.
Indicação terapêutica: 
Reclamações dos brônquios, dor de cabeça, insônia, ansiedade, distúrbios digestivos e respiratórios, menstruação dolorosa, dor muscular, artrite, entorses.

Nome em outros idiomas

  • Inglês: sweet marjoram
  • Francês: marjolaine
  • Espanhol: mejorana

Origem
Espécie originária da região Mediterrânea e Oriente Médio.

Descrição [1]
O. majorana é uma erva perene, cespitosa, de 0,30 m - 0,60 m de altura. Os caules são grisáceo-tomentosos, lenhosos na base, eretos, quadrangulares, ramosos. Os ramos são finos e longos, pardo-arroxeados e pilosos.

As folhas são simples, opostas, ovaladas ou arredondado-elípticas, verde-acinzentadas e pilosas na face inferior e mais escuras e lisas na face superior. Os pecíolos são curtos e pilosos e possuem aroma forte e agradável.

As flores são pequenas, zigomorfas, bilabiadas, com corola esbranquiçada ou lilacina. Têm cor branca ou rosada, são protegidas por brácteas verdes e reunidas em espigas. O cálice tem cinco dentes, profundamente fendidos nas laterais. O ovário é súpero tetrapartido, com óvulos ortótropos em número de um por lóculo. O estilete é ginobásico, com estigma curto e bifurcado.

Os frutos são pequenas nozes (núculas) ligeiramente oblongas, escuras e lisas. As sementes no interior das núculas são muito pequenas (1g contém 4000 sementes), possuindo capacidade germinativa de três anos.

Uso popular e medicinal [1, 2]
Ramos e folhas ainda verdes (ou raramente dessecados) de manjerona são usados principalmente na culinária
em carnes, embutidos, aves, copas, omeletes, saladas e como substituto do orégano em pizzas e outros pratos.

A erva tem valor medicinal devido às suas propriedades estimulante e antiespasmódica. É um bom tônico geral para o tratamento de várias doenças do sistema respiratório e digestivo. Promove a menstruação, então não se recomenda a mulheres grávidas, embora na culinária seja segura em pequenas quantidades. Outras propriedades reconhecidas: antisséptica, carminativa, colagoga, diaforética, diurética, emenagoga, expectorante, estimulante, estomáquica e levemente tônica.

Toma-se internamente para o tratamento de reclamações dos brônquios, dores de cabeça tensionais, insônia, ansiedade, distúrbios digestivos menores e menstruação dolorosa. Externamente é utilizada para tratar a dor muscular, queixas brônquicas, artrite, entorses e articulações.

Serve na perfumaria como aroma e fixador de perfumes. Extrai-se o óleo essencial da planta fresca ou dessecada, colhido o mais próximo possível do inicio da floração. A porcentagem de óleo essencial na planta fresca fica em torno de 0,50%. Na planta seca, seu teor de óleo pode variar de 0,70 até 3%.

O óleo essencial é usado como uma aplicação externa para entorses e contusões. Cerca de 400 g são obtidos a partir de 70 kg de erva fresca. Na aromaterapia sua palavra-chave é "relaxante muscular". 

Cultivo [1]

Variedades. A literatura não cita variedades dessa espécie, mas todo cultivador irá selecionar ao longo dos anos as variedades mais produtivas e adaptadas à sua região.

Clima. Os temperados brandos, os tropicais e os subtropicais comportam esta cultura. Exige local ensolarado, mas protegido dos ventos frios e dos ressecantes. Nos climas subtropicais e tropicais, a cultura sofre com o sol intenso e períodos muito secos.

Solo. Prefere solos drenados, permeáveis, ricos em matéria orgânica e nutrientes. Solos unidos e ácidos são inadequados, devendo ser drenados, adubados e calcareados previamente.

Propagação. Pode ser feita por sementes, divisão de touceiras ou por estacas. A divisão de touceiras e/ou estacas deve ser realizada no outono ou no inverno. Por sementes, é feita em viveiros na primavera ou no outono, gastando-se 1 g de semente/m2. A germinação ocorre em torno de 10 dias.

Plantio. Deve-se deixar uma distância de 40 cm entre linhas e de 25 cm - 30 cm entre plantas. Em solos férteis e climas favoráveis, pode-se deixar uma distância de 50 cm entre linhas e de 30 cm entre plantas. Devem-se escolher dias nublados e solo úmido, evitando-se os dias secos de verão.

Tratos culturais. Constarão de capinas, pois as plantas são sensíveis aos inços. Irrigações só em casos de secas severas, evitando-se as horas quentes. Adubações de reposição feitas em cobertura também são necessárias.

Pragas e doenças. Em boas condições de cultivo, normalmente não há incidência de doenças fúngicas. A praga mais ocorrente é a broca das pontas, que é ocasionada por uma pequena lagarta. O combate deve ser feito com o uso de armadilhas luminosas, no crepúsculo, para caçar as mariposas.

Colheita. É feita por ocasião do aparecimento dos primeiros botões apicais, indicadores do início da floração. Escolhem-se dias secos e horas favoráveis à colheita de aromáticas. Corta-se, sempre, no mínimo a 3 cm acima do solo (3 a 10 cm) para um bom rebrote das plantas. A colheita é variável, dependendo do número de cortes possíveis e do crescimento das plantas, ficando em 10/15 t em 3 cortes de plantas verdes, que ficarão reduzidas a 2.5/3 t de planta seca.

Duração da cultura. Após o 4º ano, a cultura deverá ser renovada.

Operações pós-colheita. Se a cultura destinar-se ao uso caseiro, a coleta é feita conforme as necessidades, seletivamente; se para o comércio de condimentos, deve ser imediatamente seca; se para destilação do óleo essencial, poderá ser feita com a planta verde ou a planta seca. O comprador irá informar se deseja o óleo da planta verde ou planta seca.

Mercado. O mercado para os condimentos secos e para o óleo é bom e os preços são compensadores sendo, por isso, uma boa cultura se bem conduzida. Indústrias de condimentos geralmente são os maiores compradores.

 Colaboração
Rosa Lúcia Dutra Ramos, Bióloga, FEPAGRO, Porto Alegre (RS). Abril, 2004.

 Referências

  1. CASTRO, L.O.; RAMOS, R. L. D. Descrição botânica, cultivo e uso de Origanum majorana L., manjerona e de Origanum vulgare L., orégano (LAMIACEAE). Porto Alegre: FEPAGRO, 2003.15p. (Circular Técnica, 22).
  2. Plants for a Future: Origanum majorana - Acesso em 13 de janeiro de 2015 
  3. Wikipedia: Origanum majorana - Acesso em 13 de janeiro de 2015
  4. Imagem: Wikimedia Commons (Authors: Forest & Kim Starr) - Acesso em 13 de janeiro de 2015
  5. The Plant List - Acesso em 13/1/2015

GOOGLE IMAGES de Origanum majorana - Acesso em 13 de janeiro de 2015

Galeria: