Manga, mangueira

Nome científico: 
Mangifera indica L.
Sinonímia científica: 
Mangifera austroyunnanensis Hu
Família: 
Anacardiaceae
Partes usadas: 
Fruto maduro e verde, casca do fruto, folha, flor seca, caule, caroço do fruto.
Princípio ativo: 
Mangiferol, mangiferina, monoterpenos, ésteres etílicos, etanol, metacrilato de etila, limonen-4-ol, p-cimen-8-ol, eucarvona, γ-elemeno, α-amorfeno.
Propriedade terapêutica: 
Vermífuga, antibiótica, antidismenorreica, antiescorbútica, adstringente, diaforética, diurética, laxante.
Indicação terapêutica: 
Diarreia, disenteria crônica, catarro da bexiga, uretrite, reumatismo, difteria, hemorragia, sangramento de hemorroidas, febre, dores no peito, diabetes, hipertensão, fissuras na pele dos pés, sarna, micose

Nome em outros idiomas

  • Inglês: mango
  • Francês: mangue, manguier
  • Alemão: mango

Origem
A manga é nativa do Sul e Sudeste da Ásia, de onde foi distribuída para todo o mundo. É uma das frutas mais cultivadas nos trópicos. A Índia é o centro de diversidade do gênero Mangifera. Foi introduzida no Brasil durante a colonização com variedades do tronco filipínico e posteriormente com variedades procedentes da Flórida (EUA), de origem indiana.

Descrição [3]
Mangueiras geralmente formam dossel de árvores em florestas tropicais de terras baixas, atingindo altura de 30 a 40 m. Dossel é a sobreposição de galhos e folhas das árvores muito acima do chão (é o conjunto das copas das árvores acima de 25 m de altura).

O fruto da manga é uma drupa, simples monocárpico, indeiscente.

Existem atualmente diversos cultivares de manga. A mais tradicional é a Tommy Atkins, da Flórida (EUA), cultivada no Vale do São Francisco (Brasil). É monoembriônica, vigorosa e precoce. Os frutos pesam aproximadamente 500 g, coloração alaranjada, amarelada, avermelhada ou púrpura, polpa consistente, firme e suculenta, casca aderente, médio teor de fibras e 17o Brix. Nota: a escala Brix é utilizada para medir a quantidade aproximada de açúcares em sucos de fruta.

Uso popular e medicinal [1]
Na alimentação humana o consumo fresco é o mais comum, mas também é muito apreciado em geléias, conservas, tortas, chutney (molho agridoce picante ou suave), sorvetes e amchoor (ou aamchur, o pó de manga, tempero feito de mangas verdes secas).

Chutney de manga é um dos principais símbolos da culinária indiana.

O fruto é uma boa fonte de vitaminas A e C. 

As folhas de Mangifera indica L são importantes como fonte de compostos fenólicos, especialmente mangiferina, que apresentam propriedades antidiabética, hipolipemiante, antioxidante e anti-inflamatória [6].

As flores secas de manga contém 15% de taninos, servem como adstringente em casos de diarreia, disenteria crônica, catarro da bexiga e uretrite crônica resultante de gonorréia. A casca já foi usada contra reumatismo e difteria.

A decocção do caroço do fruto e pó serve como vermífugos e adstringente em tratamento da diarreia, hemorragias e sangramento de hemorroidas. Decocção da folha é tomada como um remédio para febre, dores no peito, diarreia, diabetes e hipertensão.

Os extratos de cascas, folhas, caules e frutos verdes foram usados como antibióticos para muitos males. 

Quando as mangueiras estão em flor, as pessoas sentem coceiras ao redor dos olhos, inchaço facial e dificuldade respiratória, mesmo que não haja pólen no ar. A substância irritante é provavelmente o óleo essencial vaporizado das flores que contém o álcool de sesquiterpeno mangiferol e a cetona mangiferina. Os galhos e folhas, utilizados para limpar os dentes, são tidos como benéficos para as gengivas, enquanto a casca é útil para o dente.

A casca estomáquica adstringente é usada para hemorragias internas, bronquite e catarro. 

A goma resinosa do tronco é aplicada a fissuras na pele dos pés e sobre a sarna, micose (e outros fungos), sífilis e indução da transpiração. Acredita-se que a fumaça da queima das folhas cura problemas de garganta (asma, soluços, etc.).

Frutos verdes são considerados anticoleréticos (cozido, misturado com açúcar e tomado internamente ou esfregado sobre todo o corpo), antidismenorreico, antiescorbútico, adstringente e diaforético.

Frutos verdes torrados são dissolvidos em água com açúcar e tomado internamente para evitar insolação. Os frutos maduros são considerados diurético, laxante e unguento. Uma papa feita das sementes é tomada internamente para sangramento.

Extratos de frutos verdes, casca, talos e folhas mostraram atividade antibiótica. Em algumas das ilhas do Caribe, a decocção da folha é tomada como um remédio para diarréia, febre, queixas no peito, diabetes, hipertensão e outros males.

A decocção de manga junto com outras folhas serve para após o parto.

Composição química volátil
Segundo um trabalho científico que analisou a composição volátil da manga Tommy Atkins, o aroma desenvolvido pelos frutos ao longo do amadurecimento é constituído basicamente por monoterpenos. A presença de ésteres etílicos e etanol é associada à maturação. Os autores destacaram que alguns terpenos parecem ser biossintetizados em determinados estádios de maturação. Eles relatam pela primeira vez que metacrilato de etila, limonen-4-ol, p-cimen-8-ol, eucarvona, γ-elemeno, α-amorfeno são os componentes do aroma deste cultivar [5].

Outros usos
Folhas de mangueira são usadas ocasionalmente para alimentar o gado. Os frutos são apreciados por bovinos e suínos.

Devido ao alto teor de ácido esteárico, a gordura da semente serve para fazer sabão e o resíduo da semente, após a extração da gordura, é aproveitado na alimentação de gado e enriquecimento de solo.

A casca possui 16% a 20% de taninos e tem sido empregada em curtimento. Produz um corante amarelo, se misturada com açafrão e limão produz um corante cor-de-rosa brilhante. 

A madeira, seca em estufa e tratada, é usada para fazer molduras de janelas, vigas, contraplacados (madeira compensada), saltos de sapatos, caixas, barcos e canoas.

Composição de alimentos por 100 gramas de parte comestível [4]

Manga "Tommy Atkins" crua
Principais Minerais Vitaminas
Umidade % 85,8 Cálcio mg 8 Retinol µg NA
Energia 51 kcal; 212 kJ Magnésio mg 7 RE µg 118
Proteína g 0,9 Manganês mg 0,34 RAE µg 59 
Lipídeos g 0,2 Fósforo mg 14 Tiamina mg Tr
Colesterol mg NA Ferro mg 0,1 Riboflavina mg 0,04
Carboidrato g 12,8 Sódio mg Tr Piridoxina mg 0,03
Fibra alimentar g 2,1 Potássio mg 138 Niacina mg Tr
Cinzas g 0,3 Cobre mg 0,06 Vitamina C mg 7,9
    Zinco mg 0,1    

 Referências

  1. Plant Resources of Tropical Africa (PROTA4U): Mangifera indica L. - Acesso em 8/3/2015
  2. Purdue University: Mango - Acesso em 8/3/2015
  3. EMBRAPA: Cultivo da mangueira - Acesso em 8/3/2015
  4. Tabela Brasileira de Composição de Alimentos (TACO). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), 4a ed. 2011.
  5. Sociedade Brasileira de Química (Química Nova): Composição química volátil de manga "Tommy Atkins" - Acesso em 8/3/2015
  6. Bioscience Journal (Biosci. J.): Uso do extrato de folhas de Mangifera indica L. e da mangiferina na lesão aterosclerótica em camundongos apoE-/- - Acesso em 8/3/2015
  7. Imagem (manga Tommy Atkins): Forest & Kim Starr - Acesso em 8/3/2015
  8. The Plant List - Acesso em 8/3/2015

GOOGLE IMAGES de Mangifera indica - Acesso em 8/3/2015

Galeria: