Laranja-azeda

Nome científico: 
Citrus × aurantium L.
Sinonímia científica: 
Citrus × vulgaris Risso
Família: 
Rutaceae
Partes usadas: 
Exocarpo e o mesocarpo (capa externa) desprovida do endocarpo (capa interna), flor.
Princípio ativo: 
Óleo essencial, flavonoides.
Propriedade terapêutica: 
Ansiolítica, aperiente, antiespasmódica, carminativa, diurética, colagoga, sedante, vermífuga, tônica.
Indicação terapêutica: 
Palpitações, diarreias, indutor do sonho, casos de angústia, quadros depressivos.

Formulário de Fitoterápico da Farmacopeia Brasileira
Laranja-azeda tem uso científico comprovado como ansiolítico e sedativo leve.

​Nome em outros idiomas

  • Inglês: bitter orange
  • Francês: orange amére       
  • Italiano: arancio amaro
  • Alemão: bitterorange

Origem
A laranja amarga é originária da Ásia (Índia, sudeste da China e sul do Vietnam), sendo posteriormente introduzida e naturalizada na Europa e América. Existem exemplares silvestres e cultivados, sendo que em algumas ocasiões é utilizado como base de enxerto para a laranja doce. É encontrada na Europa e principalmente cultivada no sul da França e Espanha (Sevilla).

Descrição
Trata-se de uma árvore perene caracterizada por apresentar ramas e uma altura de cerca de 8 a 10 m. Folhas ovalado-lanceoladas de até 8 cm de largura, sinuosas, brilhantes e com pecíolo alado. Flores aromáticas brancas ou rosas, encontradas na axila das folhas. O fruto é globoso, 7,5 cm de diâmetro e de cor laranja quando maduro.

A laranja-amarga foi empregada na época dos gregos antigos sendo cultivada na Europa a partir do século XII, três séculos antes da laranja-doce, através dos navegantes portugueses procedentes das Índias Orientais. Na Tunísia, desde época imemorial, rende-se culto a essa árvore, em especial nas celebrações da “Festa da Laranja” que se realiza anualmente em Nabeul. As flores, conhecidas como "azahar" (em idioma árabe significa "perfume") são recoletadas no final de março para adornar a celebração.

Curiosidade
C
ostuma-se jogar algumas gotas de "água de azahar" sobre os ombros do visitante para dar as boas-vindas e desejar que ele volte. Dentro das crenças antigas, a laranja simboliza a fecundidade semelhante à maioria dos frutos que contém muitas sementes ou galhos (ramos). Na antiga China, oferecer laranjas às jovens significa pedir a mão em casamento.

Uso popular e medicinal
Popularmente se empregam as flores, folhas, frutos, sucos e casca como aperiente, antiespasmódico, carminativo, diurético, colagogo, sedante, vermífugo e tônico.

O óleo de neroli em vaselina é empregado na Índia como preventivo contra as picadas de sanguessugas. A infusão de folhas e flores (5%) indicam-se como sedante, antidispéptico, orexígeno e em frições (atrito) como antipirético.

Em Cuba, a decocção do fruto emprega-se como anti-hemorrágico em lesões da mucosa digestiva. O suco é recomendado como antidiarreico, antidisentérico e antitérmico.

Entre as formas galênicas se emprega o "enolado" (5%) sob maceração de duas semanas, a administrar 2-3 copos (80 cc.) diários. O extrato fluido (1g = 50 gotas) se administra a razão de 30-40 gotas, 3 vezes ao dia.

Em aromaterapia a essência de neroli se emprega internamente em casos de palpitações, diarreias e como indutor do sonho. A essência de petit grain é empregada em casos de angústia e quadros depressivos.

Composição química
Óleo essencial (1-2,5%): apresenta mirceno (1,3-5,5%), cis e trans-b-ocimenos, paracimeno (1-3%), limoneno (90%), álcool monoterpênicos (linalol, a -terpineol, nerol, geraniol, citronelol), acetatos de geranilo, nerilo, citronelilo e linalino; aldeidos (neral, citronelal, geranial, undecanal, decanal e nonanal), cumarinas e furanocumarinas voláteis (aurapteno, auraptenol, bergapteno, bergaptol, escoparona, citropteno).

Da laranja-amarga pode-se obter 3 tipos de essências: a partir da casca (a mais empregada), das gemas florais e as flores (essência de neroli) e das folhas, ramos e frutos (essência de petit grain). A primeira se obtém por expressão a frio, enquanto as duas últimas de obtém por destilação com vapor de água. Nesses casos o rendimento é pobre: para obter 1 litro de essência de petit grain é necessário 350 kg de matéria vegetal; e para se obter 1 kg de essência de neroli é preciso 1000 kg de flores.

Flavonoides: neohesperidina, hesperidina e naringina (princípios amargos), lonicerina, rutina, aurantina.

Outros: ácido hesperidínico e ácido auranciamarínico (substâncias amargas), umbeliferona e auranciamarínico (cumarinas), pectina (pericarpo dos frutos), resina amarga, ácidos cítrico, ascórbico e málico (frutos), açúcares no fruto (sacarosa, dextrosa e levulosa).

Ações farmacológicas
Alguns componentes do óleo essencial tais como o linalol, acetato de lindilo, nerol e geraniol apresentam um efeito antiespasmódico, sedante e ligeiramente hipnótico. Nesse sentido é muito utilizada a água de azahar (obtido das flores) como antiespasmódico.

Em animais com septicemia, a injeção de extratos de frutos não maduros (rico em sinefrina e N-metiltiramina) permitiu combater o colapso cardiorrespiratório com uma efetividade de 96%.

Os extratos aquosos e alcoólicos exibem atividade bacteriostática frente a Escherichia coliKlebsiella pneumoniaeNeisseria gonorrhoeaeProteus mirabilisPseudomona aeruginosaStaphylococcus aureus e Streptococcus-b-hemolítico.

Outro estudo revelou a ausência de atividade inibidora significativa do óleo essencial frente a E. coliS. aureusStreptococcus pyogensStreptococcus viridansDiplococcus pneumoniaeCorynebacterium diphteriaeSalmonella spp. e Shigella spp. 

Os extratos úmido e alcoólico de Citrus aurantium administrados oralmente a ratas apresentaram ação inibidora nas reações alérgicas de tipo I induzidas por soro IgE de ascaris antidinitrofenilado.

O limoneno demonstrou ter propriedade expectorante. A pectina melhora os processos de obstrução (obstipação intestinal) e se comporta como agente hemostático.

A vitamina C é antiescorbútica e antioxidante. Os princípios amargos conferem ação tônica, aperiente e carminativa.

Os flavonoides exibem uma atividade protetora capilar e ligeiramente diurética. A hesperidina apresenta um efeito depressor sobre o SNC e atividade miorrelaxante. No entanto a neohesperidina di-hidro-chalcona não apresenta efeito depressor e ao contrário, provoca um incremento sobre a atividade motora espontânea e o tono muscular.

Ultimamente importantes avanços estão ocorrendo na abordagem do câncer de próstata, através de um produto padronizado obtido da pectina da laranja, conhecido por MCP: Modified Citrus Pectin. Esta substância exibiu atividade antimetastásica de células malignas de próstata em modelos in vitro dependente de dose. Nesta atividade estariam envolvidos resíduos galactosídicos de MCP como o rhamnogalacturonano, que atrairia os linfócitos CD3+ à área de ação para que exerçam seu efeito citotóxico.

Atualmente é comercializado na América do Norte com o nome de Pecta-Solâ.

O epicarpo dessecado da laranja-amarga madura ou a ponto de amadurecer encontra-se registrado na 6ª Edição da Farmacopeia Nacional Argentina.

 Dosagem indicada [25]

Ansiolítico e sedativo leve (preparar por infusão, uso interno). Componentes: flores secas (1-2 g); água q.s.p. (150 mL). Modo de uso: acima de 12 anos, tomar 150 a 300 mL do infuso após 5 minutos do preparo, de preferência no início da noite.

Advertência: não deve ser utilizado por cardiopatas. Respeitar rigorosamente as doses recomendadas.

 Efeitos adversos e/ou tóxicos
Levar em conta que as furanocumarinas são agentes fototóxicos e potenciais mutágenos do ADN celular. A essência da laranja-amarga também pode resultar em hipersensibilidade, sobretudo sob exposição solar após aplicações com loções que as contenham. O nerol, e em menor medida os terpenos citronelol, linalol e geraniol, seriam os princípios hipersensibilizantes. No caso do vitiligo, a fotossensibilidade provocada por óleos de origem cítrico (em especial o de bergamota) é considerada terapêutica.

Outros usos
Na perfumaria a essência de neroli serve como agente aromatizante. A água das flores (azahar) e a casca da laranja-amarga se empregam como corretor organoléptico, em especial sobre substâncias salinas e amargo-salinas. A hesperidina se emprega como aromatizante amargo em algumas bebidas alcoólicas.

Na cozinha árabe costuma-se colocar um par de gotas de azahar sobre as carnes em cozimento. Também costumam agregar ao café turco antes de tomar o primeiro gole.

 Colaboração

  • Dilvo Bigliazzi Júnior, Médico (Canavieiras, BA). Texto original: Associacion Argentina de Fitomedicina. Tradução: Carla Queiroz Becerra. 2005.

 Referências

  1. Acosta de la Luz L.: Cultive plantas medicinales. Edit. Científico-Técnica de la Habana. 1993.
  2. Adesina S.: Studies on some plants used as anticonvulsants in Amerindian and African traditional medicine. Fitoterapia. Nº 53, pp. 147-62 (1982).
  3. Amorin J.: Guía Taxonómica de Plantas Medicinales con Interés Farmacéutico. Rev. INFYB. 1980.
  4. Ávila J.: Del naranjo al azahar. Fitomédica. Nº 8, pp. 51-4. (1997).
  5. Bross B.: Las plantas y sus aceites esenciales. Edit. Omega S. A. 1994.
  6. Cáceres A.; Biron L. and Martínez A.: Diuretic activity of plants used for the treatment of urinary ailments in Guatemala. Journal of Ethnopharmacology. Vol. 19, nº 3, pp. 233-45 (1987).
  7. Chen X.; Liu L.; Deng H. et al.: The effects of Citrus aurantium and its active ingredient N- methyltyramine on the cardiovascular receptors. Yao Hsueh Hsueh Pao. Vol. 16, nº 4, pp. 253-9 (1981).
  8. Chin W. & Keng H.: Chinese Medicinal Herbs. Times Editions. Kuala Lumpur, Malaysia. 1990.
  9. Dietrich G.: Aceites esenciales en aromaterapia. Edit. Integral S. A. 1ª Edic. Oasis. 1992.
  10. Ebana R.; Madunagu B.; Ekpe E. et al.: Microbiological expoliation of cardiac glycosides and alkaloids from Garcinia kola, Borrelia acymoides, Kola nitida and Citrus aurantifolia. J. Appl. Bact. 71 (5): 398-401 (1991).
  11. El Keltawi N.; Megalla S. and Ross S.: Antimicrobial activity of some Egyptian aromatic plants. Herba Pol. Vol. 26, nº 4, pp. 245-50 (1980).
  12. Forster H.; Nikias H. and Lutz S.: Antispasmodic effects of some medicinal plants. Planta Medica. Vol. 40, nº 4, pp. 309-19 (1980).
  13. Hong N.; Chang I.; Lee S. and Kum N.: Studies on the efficacy of combined preparation of crude drugs. XVI. Effects of "Bojungikgi Tang" on the central nervous system. Korean Journal of Pharmacognosy. Vol. 15, nº 3, pp. 115-120 (1984).
  14. Itokawa H.; Mihashi S.; Watanabe K. et al.: Studies on the constituents of crude drugs having inhibitory activity against contraction of the ileus caused by histamine or barium chloride. Shoyakugaku Zasshi. Vol. 37, nº 3, pp. 223-8 (1983).
  15. Janssen A.; Chin N.; Scheffer J. et al.: Screning for antimicrobial activity of some essential oils by the agar overlay technique. Pharmac. Weekblad. Scientific Edition. Vol. 8, nº 6, pp. 289-92 (1986).
  16. Koda A.; Nishiyori T.; Nagai H.; Matsuura N. and Tsuchiya H.: Antialergic functions from chinese herbs. Fol. Pharmacol. Japan. Nº 80, pp. 31-40 (1982).
  17. Naqvi S.; Khan M. and Vohora S.: Antibacterial, antifungal and anthelmintic investigations on Indian medicinal plants. Fitoterapia. Vol. LXII, nº 3, pp. 221-8 (1991).
  18. Pellecuer J.: Aromaterapia y toxicidad de los aceites esenciales. Natura Medicatrix. Nº 37-8: 36-40 (1995).
  19. Peris J.; Stübing G. y Vanaclocha B.: Fitoterapia Aplicada. Edit. Micof S. A. Colegio Farm. Valencia. 1995.
  20. Pienta K.: Modified citrus pectin in reducing the spread of cancer. Proc. Annu. Meet. American Association Cancer Research. Nº 36, pp. A377 (1995).
  21. Stuart M.: Enciclopedia de Hierbas y Herboristería. Edit. Omega S. A. 1981.
  22. Zhao X.; Li J.; Zhu Z. et al.: Anti-shock effects of synthetic effective compositions of fructus aurantii inmaturus Chinese Med. Journal of England. Vol. 102, nº 2, pp. 91-3 (1989).
  23. Zollner J. et al.: Anticancer Research. Vol. 13, nº 4, pp. 923-30. Jul-Aug. 1993.
  24. Zhu T. et al.: Journal Cancer Research Clin. Oncol. Vol. 120, nº 7, pp. 383-8 (1994).
  25. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), 1ª ed. 2011. 
  26. Imagem: Wikipedia - Acesso em 18/1/2015
  27. The Plant List: Citrus x aurantium - Acesso em 18/1/2015

GOOGLE IMAGES de Citrus aurantium - Acesso em 18/1/2015

Galeria: