Hortelã-graúdo

Nome científico: 
Plectranthus amboinicus (Lour.) Spreng.
Sinonímia científica: 
Coleus amboinicus var. violaceus Gürke
Família: 
Lamiaceae
Partes usadas: 
Folha, seiva (espremida da folha).
Constituintes (princípios ativos, nutrientes, etc.): 
Pó da folha: flavonoides (quercetina, apigenina, luteolina, salvigenina, genkwanino), terpenoides, saponinas, esteroides, taninos, proteínas, hidratos de carbono. Contém óleo essencial rico em timol, sesquiterpenos, mucilagem.
Propriedade terapêutica: 
Cicatrizante, carminativo, vulnerário, antimicrobiano local, antirreumático, anti-inflamatório, antitumoral, demulcente, balsâmico, protetor da mucosa bucal.
Indicação terapêutica: 
Cicatrização de feridas, febre, asma, tosse, dor de cabeça, afta, picada de escorpião e centopéia, dispepsia, sarna, úlcera, bronquite, queixas do sistema geniturinário, dor de garganta, bronquite.

Nome em outros idiomas

  • Inglês: country borage, Cuban oregano, french thyme, Indian borage, Indian mint, Mexican mint, Mexican oregano, soup mint, Spanish thyme
  • Francês: oreille, ti baume, coléus D´afrique, oreille, Plectranthus aromatique
  • Espanhol: orégano, orégano francés, tomillo español, menta mexicana, orégano brujo, borraja india, orégano de Cartagena, toronjil de limón, orégano brujo, orégano poleo

Origem
Acredita-se que seja a África. Atualmente encontra-se naturalizada na região dos trópicos em todos os continentes (pantropical).

Descrição
Planta perene, aromática, ereta. Pode atingir até 1 m de altura. Tem folhas com pecíolos de 1,5 a 4,5 cm, com lâminas suborbicular, romboide, macia e suculenta de 5 a 10 cm de comprimento, cujo sabor e aroma são similares aos do orégano.

Inflorescência terminal de 10 a 20 cm de largura, brácteas com 3 a 4 mm de comprimento, corola de cor azul, rosa ou lilás pálido.

Uso popular e medicinal [1]
P. amboinicus é considerado cicatrizante de feridas. 

Na Indonésia é usada para tratar feridas, febre (interna e externamente), asma, tosse (suco ou decocção das folhas) e dor de cabeça (externamente). Em farmácias deste país as folhas são conhecidas como "Folia colei" e são comumente mascadas para tratar afta.

Na Malásia a decocção das folhas é dada após o parto e o suco para tratar a tosse. 

Nas Filipinas folhas frescas maceradas são aplicadas externamente em queimaduras, picadas de centopéias e escorpiões, dor de cabeça e a infusão de folhas como um carminativo para tratar dispepsia e asma.

Na Tailândia é usada para tratar feridas e aliviar a tosse. 

Em Papua-Nova Guiné (país da Oceania) cortes, feridas e sarna são tratados com a seiva espremida das folhas aquecidas.

Na Indochina é usada para tratar asma, bronquite, picadas de inseto, ainda como peitoral e vulnerário. 

Na Índia é útil em tratamento de queixas do sistema geniturinário.

Em La Réunion (ilha francesa do Oceano Índico) o suco da folha é empregado na cura de feridas e gripe. 

No Brasil, P. amboinicus é usada para tratar úlceras de Leishmania (parasita causador da leishmaniose), doenças de pele, uso tópico em furúnculo e micose superficial, constipação, cefaleia, tosse, rouquidão, febre e problemas do aparelho digestivo [1,2]

A análise química qualitativa revela a presença de flavonoides (quercetina, apigenina, luteolina, salvigenina, genkwanino), terpenoides, saponinas, esteroides, taninos, proteínas, hidratos de carbono e óleo volátil no pó da folha [3].

 Dosagem indicada [4]

Tosse, rouquidão, bronquite, inflamação da boca, dor de garganta. Uso tópico em afecções de pele. 

  • Infusão: picar 2-3 folhas numa xícara e verter água quente. Abafar por 10 min. Coar e tomar 1 xícara 2-3 vezes ao dia.
  • Xarope: Tomar 1-2 colheres de sopa 3 vezes ao dia.
  • Balas ou pirulitos: apurar o xarope de maneira convencional.
  • Lambedor: as folhas inteiras depois de lavadas podem ser sugadas lentamente, uma a uma, com açúcar ou mel, até seis folhas por dia.

 Culinária
As folhas são usadas na Indonésia e as Filipinas como um tempero para dar fragrância para pratos. No Vietnã, as folhas são frequentemente utilizadas como condimento em uma popular sopa agridoce, em pratos de carne e ensopados. Na Índia as folhas são comidas cruas com pão e manteiga.

 Colaboração

  • Nélia Nascimento, Salvador (BA), 2015.

 Referências

  1. Plant Resources of South-East Asia (PROSEA): Plectranthus amboinicus - Acesso em 12 de julho de 2015
  2. Revista Brasileira de Farmacognosia: Interference of Plectranthus amboinicus essential oil on the anti-Candida activity of some clinically used antifungals - Acesso em 12 de julho de 2015
  3. International Journal of Green Pharmacy: Pharmacognostical studies on the leaves of Plectranthus amboinicus
  4. Malvariço - Horto Didático de Plantas Medicinais do HU (UFSC)
  5. MATTOS, S. H. et. al. Plantas Medicinais e Aromáticas Cultivadas no Ceará: Tecnologia de Produção e Óleos Essenciais. Serie BNB Ciência e Tecnologia n. 2, Fortaleza, 2007.
  6. Imagem: Wikimedia Commons (Author: Pinus) - Acesso em 12 de julho de 2015
  7. Imagem: Edible Plant Project - Caribbean Oregano - Acesso em 12 de julho de 2015
  8. The Plant List: Plectranthus amboinicus - Acesso em 12 de julho de 2015

GOOGLE IMAGES de Plectranthus amboinicus - Acesso em 12 de julho de 2015

Galeria: