Hissopo

Nome científico: 
Hyssopus officinalis L.
Sinonímia científica: 
Hyssopus alopecuroides Fisch. ex Benth.
Família: 
Lamiaceae
Partes usadas: 
Sumidades floridas e folhas.
Princípio ativo: 
Óleo essencial (0,3 a 0,9%), composto principalmente de cineol, β-pineno, variedade de derivados de monoterpeno bicíclico, antioxidantes e taninos amargos: fenóis e ácidos triterpenoides (ursólico e oleanólico)
Propriedade terapêutica: 
Antiespasmódica, expectorante, diaforética, anti-inflamatória, hepática, digestiva, antisséptica, carminativa, aperiente.
Indicação terapêutica: 
Tosses, bronquites, dores no peito e garganta, catarros respiratórios, asma, inapetência, digestão lenta e pesada, gases, hipertensão.

Origem
Medi­terrâneo.

Nomes em outros idiomas

  • Inglês: hyssop
  • Alemão: Ysop, Isop
  • Francês: hysope
  • Italiano: issopo
  • Espanhol: hisopo

Descrição
Hissopo é um arbusto pequeno, de caule reto e lenhoso, pode atingir entre 30 e 60 cm de altura. As folhas são lanceoladas e agarram-se ao tronco por um pedúnculo curto. Nas axilas das folhas superiores aparecem verticilos espirais ímpares de flores azuis com forte odor parecido a cânfora e sabor agradável.

A planta cresce em colinas secas na região central do Mediterrâneo. É muitas vezes usada como planta de jardim, mas atualmente é também cultivada para fins medicinais.

A floração ocorre no verão, podendo ​​estender-se até o outono. As partes do hissopo do ponto de vista terapêutico são as sumidades floridas e as folhas, quando macias e frescas. Ambas as partes devem ser coletadas no início da floração e rapidamente secas à sombra e ao ar livre, em seguida preservá-las em frascos herméticos.

Esta planta regenera-se rapidamente, assim pode-se fazer de 2 a 3 cortes ao ano.

Uso popular e medicinal
O principal componente do hissopo é a essência, que pode ser obtida numa proporção 1 - 2 % após a secagem da planta. Possui também um princípio amargo, ácidos fenólicos, flavonóides e muitas outras substâncias. A essência é muito aromática, mas pode ser tóxica se absorvida em grande quantidade. Estima-se que 2 g da essência possa causar convulsões, transtornos psíquicos e sensoriais.

Em doses baixas a substância comporta-se como digestiva, antisséptica, carminativa e aperiente. Graças à presença de princípio amargo, tem efeito expectorante e devido aos ácidos fenólicos, tem efeito hipotensor.

Por todas essas virtudes, a planta é indicada no catarro, tosse, bronquite, dores no peito e garganta, asma, inapetência, digestão lenta e pesada, gases e hipertensão. É potencialmente útil como calmante e tônica. Tem um espectro grande de uso devida a sua ação antiespasmódica. Como um sedativo, hissopo é indicada contra asma em crianças e adultos, especialmente onde a condição do doente é agravada pelo muco.

Contudo é importante lembrar que a essência deve ser manuseada com cuidado, não só pelo quadro de intoxicação que pode causar, mas também porque há sempre a possibilidade de aparecer reações alérgicas. 

Além disso, em doses moderadas pode agir como irritante das membranas mucosas.

Dosagem indicada
Contra nervosismo, dores e digestões pesadas. Tintura. Colha 20 g de cada planta: hissopo, manjericão, hortelã-pimenta e sálvia. Coloque a macerar em 2,5 l de álcool 60º. Tomar uma colher de chá após a refeição.

 Referências

  1. RIGOTTI, M. Plantas Medicinais: Botânica, Cultivo e Utilização. CD-ROM, 2a Ed. 2009.
  2. Enciplopedia de Plantas Medicinales.
  3. Gernot Katzer´s Spice Pages: Hyssop - Acesso em 13 de novembro de 2016
  4. The Plant List: Hyssopus officinalis - Acesso em 13 de novembro de 2016

GOOGLE IMAGES de Hyssopus officinalis - Acesso em 13 de novembro de 2016

Galeria: