Fava

Nome científico: 
Vicia faba L.
Sinonímia científica: 
Faba bona Medik.
Família: 
Leguminosae
Partes usadas: 
Sementes, vagem.
Princípio ativo: 
Aminoácidos essenciais (triptofano, lisina, metionina, fenilalanina, treonina, valina, leucina, isoleucina), ácidos graxos (linoleico, oleico, palmítico).
Propriedade terapêutica: 
Hipolipemiante, antioxidante
Indicação terapêutica: 
Remoção de verrugas, câncer do colo.

Nome em outros idiomas

  • Inglês: broad bean, fava bean, faba bean, field bean, bell bean, tic bean
  • Francês: fève, fève de(s) marais, fèverole, fèvette, gourgane

Origem
Nativa do norte da África, sudoeste e sul da Ásia, cultivada em todo o mundo.

Descrição
Fava é uma planta trepadeira que produz vagens grandes, dentro das quais se formam os grãos. Alcança cerca de 1,20 m de altura e produz flores grandes, brancas ou róseas, às vezes arroxeadas, com mácula preta.

O fruto típico de espécies de Leguminosae é um legume (vagem). 

Uso popular e medicinal
Fava é cultivada para obtenção de sementes maduras secas e sementes verdes (ou vagens). Na Etiópia, países do Mediterrâneo, Oriente Médio e China as sementes maduras secas são amplamente utilizadas como alimento. Em muitos países as sementes verdes são cozidas ou consumidas cruas como vegetal.

O vegetal é componente de alguns pratos da culinária da Etiópia e Eritreia: "shiro wot" (sementes descascadas feitas em molho); "kik wot" (sementes descascadas, cortadas, feitas em molho); "ful" (casca e sementes cozidas, temperadas e picadas com manteiga).

No mundo árabe, sementes de fava são picadas e consumidas com cebola, alho e ervas. Pasta feita de sementes é utilizada em sanduíche.

Na China, sementes e partes vegetativas têm ampla gama de aplicações medicinais. Na Europa, o interior das vagens verdes é esfregado sobre verrugas para removê-las.

Sementes de fava têm efeito hipolipemiante em humanos e ratos. Agentes hipolipemiantes são os fármacos usados no tratamento das dislipidemias (alterações nos lipídios séricos), constituem fator de risco para doença coronariana.

As proteínas isoladas da semente mostraram atividade antioxidante, enquanto que a aglutinina de lectina pode retardar a progressão de câncer do cólon. A palha tem alto teor de proteína (5-20%) e digestibilidade (50% da matéria seca). O elevado teor de tanino das sementes (até 9%) resulta em um sabor amargo quando dado na forma bruta a animais, no entanto tem sido desenvolvidos cultivares com baixo teor de tanino (1%) e elevada digestibilidade.

Valor nutricional das sementes maduras por 100 g de porção comestível

Água: 11,0 g
Energia: 1.425 kJ (340 kcal)
Proteína: 26,1 g
Gordura: 1,5 g 
Carboidratos: 58,3 g
Fibra dietética: 25,0 g
Cálcio: 103 mg
Magnésio: 192 mg
Fósforo: 421 mg
Ferro: 6,7 mg
Zinco: 3,1 mg,
Vitamina A: 53 UI
Tiamina: 0,56 mg
Riboflavina: 0,33 mg
Niacina: 2,8 mg
Vitamina B6: 0,37 mg
Ácido fólico: 423 g
Ácido ascórbico: 1,4 mg

Composição de aminoácidos essenciais por 100 g de porção comestível
Triptofano (247 mg), lisina (1.671 mg), metionina (213 mg), fenilalanina (1.103 mg), treonina (928 mg), valina (1.161 mg), leucina (1.964 mg) e isoleucina (1.053 mg). 

Principais ácidos graxos por 100 g de porção comestível
Linoleico (581 mg), oleico (297 mg), palmítico (204 mg).

Outros usos
As sementes maduras e partes vegetativas de fava servem como concentrado, feno e silagem para animais domésticos. Na Etiópia, a palha é utilizada como combustível para cozinhar. Na China, caules e folhas servem como adubo verde.

 Referências

  1. Plant Resources of Tropical Africa (PROTA4U): Vicia faba - Acesso em 13/1/2015
  2. Imagem: Mkalty - Acesso em 13/1/2015
  3. The Plant List: Vicia faba - Acesso em 13/1/2015

GOOGLE IMAGES de Vicia faba - Acesso em 13/1/2015

Galeria: