Eucalipto

Nome científico: 
Eucalyptus globulus Labill.
Sinonímia científica: 
Eucalyptus gigantea Dehnh.
Família: 
Myrtaceae
Partes usadas: 
Folhas
Constituintes (princípios ativos, nutrientes, etc.): 
Cineol
Propriedade terapêutica: 
Expectorante, balsâmico, anticatarral, hipoglicemiante, antisséptico.
Indicação terapêutica: 
Distúrbios respiratórios.

Nome em outros idiomas

  • Inglês: Tasmanian blue gum, southern blue gum, blue gum
  • Espanhol: eucalipto blanco, eucalipto común, eucalipto azul
  • Alemão: fieberbaum, blaugummibaum
  • Francês: eucalyptus

Origem
Espécie originária da Tasmânia, é cultivada no Estado do Rio Grande do Sul em parques, beira de estradas, como quebra-vento e para obtenção de madeira.

Descrição
Árvore de grande porte, tronco frequentemente retorcido, com casca lisa e caduca, cinzenta. Folhas dos ramos jovens opostas-cruzadas, sésseis, verde-acinzentado-esbranquiçadas, em ramos quadrangulares. Folhas adultas alternas, pecioladas, verde-brilhantes, lanceoladas, falciformes, de até 30cm de comprimento.

Flores hermafroditas, actinomorfas, brancas, vistosas, solitárias, axilares, sésseis ou quase, abrindo-se através da queda de uma tampa (opérculo) por uma linha transversal, deixando ver numerosos estames longos, amarelados. O fruto é uma cápsula cônica, truncada, quadrangular, rugosa externamente, com até 3cm de diâmetro.

Uso popular e medicinal
Internamente, as folhas e o seu óleo são antissépticos das vias respiratórias, expectorantes, balsâmicos, anticatarrais e hipoglicemiantes. Externamente, como cicatrizante e antisséptico.

O óleo de eucalipto é comercializado em associação com mentol, cânfora, etc. sob várias formas farmacêuticas para tratamento de distúrbios respiratórios. 

Os óleos essenciais extraídos das suas folhas, comercializados sob a designação de cineol (cineole ou eucaliptol), são utilizados em confeitaria, produzindo um efeito refrescante e dilatador dos brônquios semelhante ao mentol. A República Popular da China é o maior produtor mundial de cineol.

Outros usos
De valor incomparável pela rapidez do crescimento, qualidade da madeira e facilidade de aclimação, serve para reflorestamento, secagem de pântanos e construções em geral.

A árvore é extensamente cultivada em outras regiões de clima temperado, entre as quais a região mediterrânica da Europa, sendo também a espécie florestal mais cultivada em Portugal, onde fornece a maior parte da matéria-prima para produção de pasta de papel. A sua madeira é também utilizada para lenha, produzindo um biocombustível de boa qualidade.

Nota​
Atualmente é considerada espécie invasora devido a capacidade de se implantar rapidamente em outros habitats, substituindo a vegetação nativa. Como o eucalipto consegue absorver grande quantidade de água no verão, apresenta vantagem competitiva sobre as demais espécies vegetais, com consequências nefastas para a biodiversidade das florestas. Outra polêmica em torno desta espécie são os incêndios florestais, um flagelo recorrente em várias regiões na época de verão. 

 Colaboração

  • Marcos Guião (São Gonçalo do Rio das Pedras, MG), 2016.
  • Rosa Lúcia Dutra Ramos, Bióloga (Porto Alegre, RS), 2013.
  • Martha Batista de Lima, Professora, Terapêuta Naturalista (Florianópolis, SC), outubro de 2007.

 Referências

  1. SIMÕES, C.M. O. et alli. Plantas da Medicina Popular no Rio Grande do Sul. Editora UFRGS, Porto Alegre, 1998.
  2. Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI): Método para obtenção de um extrato rico em ácidos triterpênicos a partir da casca de eucalipto - Acesso em 10 de janeiro de 2016
  3. Wikipédia: Eucalyptus globulus - Acesso em 10 de janeiro de 2016
  4. The Plant Lisst: Eucalyptus globulus - Acesso em 10 de janeiro de 2016
GOOGLE IMAGES de Eucalyptus globulus - Acesso em 10 de janeiro de 2016
Galeria: