Damiana

Nome científico: 
Turnera diffusa Willd. ex Schult.
Sinonímia científica: 
Turnera humifusa (C. Presl) Endl. ex Walp.
Família: 
Passifloraceae
Partes usadas: 
Partes aéreas, folha.
Princípio ativo: 
Óleo essencial, eucaliptol, pinenos (alfa e beta), copaeno, cadineno, calameno, p-cimeno, goma, amido, açúcares, tetrafilina, arbutina, taninos, ácidos, alcanos, daminiana, flavona, beta-sitosterol, resina.
Propriedade terapêutica: 
Tônica, estimulante, afrodisíaca, antidiarreica, diurética, expectorante, adstringente.
Indicação terapêutica: 
Sífilis, úlceras gastrintestinais, leucorreia, diabetes (em animal há comprovação), má-digestão, diarreia, tosses catarrais, neurastenia, bronquites, dificuldades sexuais masculina e feminina, auxilia no tratamento da paralisia, albuminúria.

Nome em outros idiomas

  • Inglês: damiana, mexican-holly
  • Francês: thé bourrique
  • Alemão: schmalblättrige damiana
  • Espanhol: damiana de Guerrero

Descrição
É um arbusto aromático de Vênus com sabor agradável, pubescente, ramoso, cujas folhas são pecioladas ovado-rombas, espatuladas, obtusas e revolutas nas margens. O pedúnculo é curto e as pétalas são espatuladas com estames curtos.

O fruto é uma cápsula subglobosa de cerca de 5 mm.

Uso popular e medicinal
A damiana é uma planta medicinal mexicana, tônica, estimulante, afrodisíaca e antidiarreica, diurética, expectorante e adstringente, usada caseiramente nas manifestações sifilíticas, úlceras gastrintestinais, leucorréia, diabetes (em animal há comprovação), má digestão, diarreia, tosses catarrais, neurastenia, bronquites e nas dificuldades sexuais masculina e feminina, principalmente com componente neurótico ansioso.

Segundo estudos científicos, auxilia no tratamento da paralisia. Um extrato alcoólico mostrou ação depressora sobre o sistema nervoso central.

Combate a albuminúria (presença de albumina na urina).

No México serve como aroma de licores e como substituto do chá-da-Índia. Consta da Farmacopédia oficial dos EUA onde é vendida em extrato fluido como “Turnerae afrodisiacae”. Já teve destaque na Europa como tônico nervoso na amaurose (cegueira total ou parcial) e tônico geral na neurastenia e impotência.

Existe no Brasil desde o Amazonas até São Paulo e uma outra espécie, T. opifera, conhecida também como chananadamiana-turneraerva-damiana e turnera-afrodisíaca, é encontrada no Sul e Sudeste do Brasil sobretudo Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. À mesma atribuem-se iguais propriedades, principalmente a ação tônica e imediata sobre os órgãos geniturinários.

As propriedades curativas são atribuidas ao seu 1% de óleo essencial (com mais de vinte componentes) amargo e adstringente com sabor de cânfora. Tem 1,8 cineol (eucaliptol), 13% de pinenos (alfa e beta), copaeno, cadineno e calameno. Não se confirmam 2% de p-cimeno. Tem ainda 13,5% de goma, 6% de amido, açúcares, tetrafilina (glicosideo cianogênico), arbutina (glicosideo fenólico), taninos, 3,5% ácidos (graxos e vegetais), alcanos, daminiana (7%), flavona, beta-sitosterol, 6,5% de resina.

 Dosagem indicada
Utilizam-se em uso interno, 1 colher de sopa de folhas desidratadas (4 g) em infusão (1 litro de água), 3 xícaras ao dia. Pode ser administrada a crianças, em sexta, terça ou meia parte, dependendo da idade.

Externamente é usada em compressas e duchas. Para a leucorreia faz-se aplicações diárias em seringa de borracha de um infuso com 6 colheres de sopa das folhas em 1 litro de água.

 Toxicidade
Já foi relatado convulsão com dose de 200 g de extrato e 1 g de arbutina, então é considerada tóxica, mas isto não preocupa porque equivale a 100 g da erva.

Por outro lado o efeito afrodisíaco não foi comprovado, há pouca documentação sobre esta planta, não se conhece bem sua composição. Devido a possibilidade de conter glicosideo cianogênico, além da arbutina, deve-se tomar cuidar ao usar esta planta. Talvez seja interessante procurar mais informações para que se justifique o seu uso.

 Colaboração

  • Luis Carlos Leme Franco, médico e professor de Fitoterapia, Curitiba (PR). Abril, 2004.

 Referências

  1. FRANCO, L. C. L.; LEITE, R. C. Fitoterapia para a mulher. Corpomente, Curitiba (PR). 2004
  2. USDA - United States Department of Agriculture (USDA): Turnera diffusa - Acesso em 22 de novembro de 2015
  3. Tropical Plant Database (Raintree): Damiana - Acesso em 22 de novembro de 2015
  4. The Plant List: Turnera diffusa - Acesso em 22 de novembro de 2015

GOOGLE IMAGES de Turnera diffusa - Acesso em 22 de novembro de 2015

Galeria: