Carvalho

Nome científico: 
Quercus robur L.
Sinonímia científica: 
Quercus appenina var. rumelica (Griseb. & Schenk) Nyman
Família: 
Fagaceae
Partes usadas: 
Casca, folha e fruto.
Princípio ativo: 
Taninos (ácido cuercitânico).
Propriedade terapêutica: 
Adstringente, cicatrizante, hemostático, estomáquico, desodorante.
Indicação terapêutica: 
Cicatrização de úlceras, auxiliar no tratamento do diabetes.

Origem
Q. robur é nativa da maior parte da Europa ao Cáucaso, amplamente cultivada em regiões temperadas. Esporadicamente encontrado no sul do Brasil

Nome em outros idiomas

  • Inglês: english oak, pedunculate oak
  • Francês: chêne pédonculé

Descrição
O carvalho é provavelmente a espécie nativa mais conhecida e idolatrada na Grã-Bretanha, onde é denominado rei da floresta. Pode viver por mais mil anos e crescer até 40 m de altura. Caracteriza-se sobretudo pela excelência de sua madeira (o nome robur refere-se a robustez e resistência da madeira ("robur" significa "força" em latim). 

Uso popular e medicinal
Usam-se as cascas, folhas e frutos como adstringente, cicatrizante de úlceras, auxiliar no tratamento do diabetes, hemostático, estomáquico e desodorante em fitocosmética. Posologia: diluições homeopáticas e uso externo como gel, creme e loção.

A casca, rica em matéria tânica (ácido cuercitânico), destina-se também à indústria do couro. 

Nas raízes do carvalho em simbiose desenvolvem-se as trufas ou "diamantes negros" na região do Périgord (Departamento da Dordonha), na França. O Tuber melanosporum (ou trufa-de-Périgord) é um cogumelo tuberoso, a princípio branco e mais tarde torna-se negro, é ingrediente de fundamental importância na preparação do foie gras, pasta à base de fígado de ganso, pato ou coelho. 

A madeira do carvalho é bem recomendada na confecção de tonéis para o envelhecimento de vinho e conhaque, devido a uma interação entre a madeira e o produto alcoólico, com a liberação de tanino. Essa interação empresta sabor e aroma às duas bebidas. Além de permitir a oxigenação das bebidas, o carvalho age como catalizador nas demais reações químicas produzidas. 

 Referências

  1. QUEIROZ, R. G. O mundo mágico das plantas. Thesaurus Editora, Brasília (DF), 2003.
  2. Go Botany: Quercus robur - Acesso em 25 de outubro de 2015
  3. Interactive Agricultural Ecological Atlas of Russia and Neighboring Countries: Quercus robus - Acesso em 25 de outubro de 2015
  4. Royal Botanic Gardens (KEW): Quercus robur - Acesso em 25 de outubro de 2015
  5. Homeopassos: Fitoterapia, homeopatia e manipulação - Acesso em 25 de outubro de 2015
  6. Imagem: Wikimedia Commons (Author: Jean-Pol Grandmont) - Acesso em 25 de outubro de 2015
  7. The Plant List: Quercus robur - Acesso em 25 de outubro de 2015

GOOGLE IMAGES de Quercus robur - Acesso em 25 de outubro de 2015

Galeria: