Cajuzinho

Nome científico: 
Anacardium humile A. St.Hil.
Sinonímia científica: 
Anacardium subterraneum Liais
Família: 
Anacardiaceae
Partes usadas: 
Suco do pseudofruto, castanha, folha, casca do caule, inflorescência, óleo e resina da castanha.
Propriedade terapêutica: 
Antissifilítico, béquico, antidiabético, antidiarreico, cauterizante.
Indicação terapêutica: 
Afecções da pele, diarreia, tosse, baixar a glicose sanguínea, calo, verruga.

Origem
Nativo em áreas de cerrados arenosos, campos cerrados e campos rupestres de todo o Brasil.

Descrição
Espécie arbustiva, atinge 0,5 a 1,5 m de altura, caule subterrâneo horizontal de 1-5 m de comprimento. Floresce de agosto a novembro. Frutifica de outubro a dezembro.

Uso popular e medicinal
O fruto, denominado cajuzinho, é na verdade um pseudofruto (ou fruto acessório). É doce, comestível, muito procurado para consumo tanto in natura como na forma de doces, sucos e geléias. A castanha tem os mesmos usos do caju-verdadeiro (Anacardium occidentale).

A planta toda é empregada na medicina caseira em várias regiões do país conforme indicações baseadas na tradição.

O óleo do pericarpo do fruto verdadeiro (a castanha) é vesicante e usado como cautério para afecções da pele. A infusão tanto de suas folhas como da casca do caule subterrâneo (xilopódio) é indicada contra diarreia.

O suco do cajuzinho é referido na literatura etnofarmacológica como antissifilítico. A infusão das inflorescências é empregada contra tosse e baixar a glicose nos diabéticos.

A casca serve na indústria de plástico e verniz. A resina da castanha serve para queimar calo e verruga.

Dosagem indicada
Diarreia. Colocar 1 xícara (cafezinho) de folhas bem picadas ou cascas de caule subterrâneo em um litro de água fervente. Tomar três xícaras (chá) ao dia.

Tosse. Colocar em um litro de água fervente 1 colher (sopa) das inflorescências. Abafar, adoçar, tomar 3 xícaras (chá) ao dia.

Abaixar a glicose sanguínea. Ferver por 5-10 minutos, em um litro de água , 1 xícara (chá) de inflorescências. Tomar 3 xícaras (chá) ao dia.

 Referências

  1. CORRÊA, M. P. Dicionário de Plantas Úteis do Brasil. Ministério da Agricultura, Rio de Janeiro. 1991.
  2. LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil - Nativas e Exóticas. Instituto Plantarum, Nova Odessa, 2.ed. 2008.
  3. EMBRAPA Pantanal: Anacardium humile
  4. The Plant List: Anacardium humile - Acesso em 23 de agosto de 2015

GOOGLE IMAGES de Anacardium humile - Acesso em 23 de agosto de 2015

Galeria: