Beldroega

Nome científico: 
Portulaca oleracea L.
Sinonímia científica: 
Portulaca oleracea subsp. granulatostellulata (Poelln.) Danin & H.G.Baker
Família: 
Portulacaceae
Partes usadas: 
Planta inteira
Constituintes (princípios ativos, nutrientes, etc.): 
Ácido oxálico, sais de potássio (nitrato, cloreto e sulfato), 1% na planta fresca e 70% na planta seca, derivados da catecolamina (noradrenalina, DOPA e dopamina, em altas concentrações), ômega 3.
Propriedade terapêutica: 
Diurética, laxante, vermífuga, antiescorbútica, sudorífera, colerética, depurativa, emoliente, antinflamatória, antipirética e antibacteriana.
Indicação terapêutica: 
Depurativa do sangue, disenteria, enterite aguda, mastite, hemorroidas, cistite, hemoptise, cólicas renais, queimaduras, úlceras, inflamação dos olhos.

 Esta espécie é considerada Planta Alimentícia Não Convencional

Nome em outros idiomas

  • Inglês: purslane
  • Alemão: portulak
  • Espanhol: verdolaga
  • Francês: poupier
  • Italiano: portulaca

Origem
A literatura é um pouco confusa quanto a sua origem. Tem-se referência de que seja nativa da China, Japão, Índia, África e partes da Europa. Outras fontes afirmam ser originária da América ocidental e andina.

Uso popular e medicinal
A beldroega é uma planta refrescante, tem valiosos minerais, vitaminas e grande quantidade de ácido salicílico. Em infusões é tônica e depurativa do sangue.

É empregada internamente contra disenteria (principalmente infantil), enterite aguda, mastite e hemorroidas. As folhas são utilizadas contra cistite, hemoptise, cólicas renais, queimaduras e úlceras.

Suas folhas tem propriedades diuréticas e refrescantes. Aplicadas sobre as feridas favorecem a cicatrização e, em decocções, combatem as inflamações dos olhos. Colocando-se folhas de beldroega debaixo da língua ajuda a acalmar a sede.

As folhas também podem ser aplicadas como compressas para acalmar hematomas e inflamações nos olhos.

As sementes são vermífugas poderosas e excelentes emenagogas. O suco é particularmente efetivo internamente ou externamente no tratamento de doenças de pele.

Indígenas das Guianas usam-na contra diabetes, para problemas digestivos e como emoliente e externamente, como unguento para problemas musculares.

Estudos clínicos têm mostrado que esta planta é rica em ácido graxo ômega-3 (a mesma encontrada em óleo de peixe), substância importante na prevenção de infartos e no fortalecimento do sistema imunológico. É a planta conhecida mais rica em ômega-3.

Devido a presença de catecolaminas em seu extrato aquoso verificou-se também uma ação relaxante na musculatura.

Dentre os princípios ativos encontram-se mucilagem, saponina, vitamina C (700 mg por 100 g da planta fresca), proteína, alcaloides (0,03%), glicosídeos, esteróis, óleo essencial, resinas e ácidos orgânicos.

 Dosagem indicada
Diurético (infusão). Colocar uma pitada de folhas de beldroega em uma xícara de água fervente. Passado 15 minutos, filtrar e adoçar o líquido, bebendo-o em 2 vezes.

 Culinária
As folhas jovens têm sabor refrescante e podem ser consumidas em saladas ou cozidas ao vapor. As folhas mais velhas servem para enriquecer sopas e ensopados. Os talos podem ser consumidos picados nas saladas no inverno.

Salada refrescante de verão

  • 1 alface grande
  • 1 maço pequeno de folhas de beterraba
  • 8 folhas jovens de borragem
  • 3 folhas jovens de tília
  • 4 folhas picadas de melissa
  • um maço caprichado de folhas de beldroega
  • 1 pepino finamente picado
  • molho de vinagrete

Lave bem e seque todos os ingredientes, rasgue as folhas se necessário. Misture tudo e adicione o molho de vinagrete.

Adicionar folhas de beldroega no espinafre refogado lhe confere um sabor extra.

Sanduíches feitos com fatias finas de pão preto, queijo cremoso e folhas de beldroega são excelentes para uma refeição leve e saudável.

A beldroega é ingrediente importante na tradicional sopa francesa Bonne Femme.

Curiosidades
Todas as partes desta planta são há séculos usadas na medicina tradicional em todo o mundo. Consta que o primeiro registro foi feito na China em 500 aC.

A planta é muito apreciada pelos coelhos. Outra variedade, Portulaca grandiflora, tem valor ornamental.

O nome Portulaca vem do latim portula que significa pequena porta, referindo-se a maneira de abrir a sua cápsula. E oleracea refere-se ao uso na cozinha.

Na Idade Média era considerada planta protetora dos maus espíritos e com poder "antifeitiço". Um herbalista do século XVI disse que a beldroega "esfria o sangue e provoca o aumento de apetite" (foto).

 Colaboração

  • Imagem: Ana Lúcia T. L. Mota, Bióloga, São Paulo (SP), 2016.

 Referências

  1. Plantas que curam. Editora Três
  2. MORGAN, R. Enciclopedia das Ervas e Plantas Medicinais. Editora Hemus, São Paulo, 2003.
  3. GARLAND, S. The Complete Book of Herbs & Spices. Readers Digest, 1993.
  4. LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil - Nativas e Exóticas. Instituto Plantarum, Nova Odessa, 2.ed. 2008.
  5. GRAU, JUNG, MUNKER. Plantas medicinales.
  6. CHIEJ, R. The Macdonald Encyclopedia of Medicinal Plants. Macdonald, London, 1984.
  7. BALMÉ, F. Plantas Medicinais. Editora Hemus, São Paulo, 2004.
  8. SIMONETTI, G.; SIMONETTI, W. Simon & Schuster's Guide to Herbs and Spices. Fireside Books (paperback).
  9. HEMPHILL, J.; HEMPHILL, R. Complete Book of Herbs. Chancellor Press, 1995.
  10. KEVILLE, K. The Illustrated Herb Encyclopedia. Barnes & Noble, 1997.
  11. The Plant List: Portulaca oleracea - Acesso em 7 de junho de 2015

GOOGLE IMAGES DE Portulaca oleracea - Acesso em 7 de junho de 2015

Galeria: