Beldroegão

Nome científico: 
Talinum paniculatum (Jacq.) Gaertn.
Sinonímia científica: 
Calandrinia andrewskii H.Vilm.
Família: 
Talinaceae
Partes usadas: 
Toda a planta.
Constituintes (princípios ativos, nutrientes, etc.): 
Mucilagem, taninos, pigmentos, sais minerais, ácido fólico, saponinas, polifenóis, óleo essencial, fitoesteróis.
Propriedade terapêutica: 
Emoliente, vulnerária, diurética, emenagoga.
Indicação terapêutica: 
Amolecer calos, acelerar a cicatrização de feridas, inflamações tópicas e afecções de pele como plurido, erisipela, eczema, coceira, inchaços (edemas), infecções intestinais, fadiga, cansaço fisico e mental, debilidade orgânica.

 Esta espécie é considerada planta alimentícia não convencional.

Nome em outros idiomas

  • Inglês: Jewels-of-Opar (americano), pink baby's-breath (britânico), panicled fameflower
  • Francês: grassé grand pourpier, gros pourpier, herbe onze heures
  • Espanhol: rama del sapo

Origem
Nativa do continente americano, incluindo o Brasil. Cresce naturalmente no mundo todo.

Descrição
Planta ornamental herbácea, perene, decídua, selvagem, apresenta sistema radicular bem desenvolvido. Tem folhas simples, espatuladas. Flores pequenas rosadas e muito delicadas, reunidas em panículas terminais sobre um longo escapo floral. 
As sementes se abrigam em cápsulas amareladas com as flores.

Multiplica-se por sementes e raízes tuberosas.

Resiste a ataque de insetos, vai bem tanto em lugares sombreados como a pleno sol, vasos, jardins e terrenos.

Raízes, folhas e flores são comestíveis. É muito resistente ao clima (umidade, seca, frio, calor). Adapta-se ao terreno em que vive. Se houver sombra e umidade, desenvolve-se com folhas grandes, ramificando mais e mais. Em terreno livre espalha-se por todo o espaço. Em pleno sol fica compacta. Pode ser arrancada várias vezes que rebrota, devido a sua raiz subterrânea grossa (sua reserva de água e alimento).

Uso popular e medicinal
Todas as partes da planta são usadas na medicina caseira. As folhas servem como emoliente e vulnerária, são empregadas na forma de cataplasma para amolecer calos, acelerar a cicatrização de feridas, inflamações tópicas e afecções de pele como plurido, erisipela, eczema, coceira. Aplicar o cataplasma de folhas frescas maceradas em pilão até formar uma pasta.

As raízes são diuréticas, repõe o potássio, elimina urina de mau cheiro, servem também para inchaços (edemas), infecções intestinais, fadiga, cansaço fisico, mental e debilidade orgânica. Na forma de decocto, pique juntas 1 colher (chá) de raízes e 1 colher (chá) das folhas para 1 xícara de água.

As sementes são emenagogas. Há relato de que a raiz tuberosa é medicinal, destacando-se sua ação antiescorbútica.

No Brasil a planta é mais usada para problemas inflamatórios.

Na medicina popular da Tailândia (onde é conhecida como Wan Pak Pang), os moradores consomem as folhas como suplemento vegetal e as raízes como tônico reprodutivo. Já foi usada na medicina tradicional antiga no tratamento da diabetes tipo 2, inflamações de pele e distúrbios gastrointestinais.

Dois trabalhos dos mesmos autores atestam as propriedades desta planta. Foi estudado o potencial efeito estrogênico em animais ovarectomizados (sem os ovários). Relatam mudanças histológicas na estrutura de órgãos reprodutivos femininos em modelos experimentais (roedores) [1]. Avaliam que extratos de raiz e folha de T. paniculatum possuem atividade estrogênica e efeito antifertilidade, possivelmente devido a presença de fitoesteróis (campesterol, β-sitosterol, estigmasterol, stigmastan-3-ol, stigmast-22-en-3-ol e estigmastanol) [2].

Na composição química são encontrados alta concentração de mucilagem, taninos, pigmentos, sais minerais, ácido fólico, saponinas, polifenóis e óleos essenciais.

 Culinária
As folhas são macias, têm pouca fibra e sabor refrescante. São consumidas cruas ou cozidas. Crua tem sabor neutro. Cozidas brevemente em água 
podem ser temperadas com azeite, alho e qualquer outro tempero a gosto, servindo como complemento a vários pratos. Servem ainda para recheio de torta e incrementar os sucos verdes ou vitaminas.

Fora do Brasil transformou-se em iguaria, recebendo o nome de Ceylon spinach ou Philipine spinach.

As  sementes ficam dentro de cápsulas coloridas. Separe as cápsulas e deixe-as secando, ao romper liberará pequeninas sementes pretas, similares às da papoula. Podem ser usadas em confeitarias e panificação.

As raízes são também comestíveis, porém sem gosto.

Composição proteica e mineral em base seca (porção folhas e raízes) [4]

Proteína % Cálcio % Magnésio % Manganês % Fósforo % Ferro % Sódio % Boro % Potássio % Cobre % Zinco % Enxofre
21,85 1,3 2,1 0,0275 0,25 0,0151 0,0142 0,0017 6,8 0,0015 0,0229 0,32

 Colaboração

  • Ana Lúcia Teixeira de Lima Mota, Bióloga (São Paulo, SP). Outubro 2016.

 Referências

  1. International Journal of Pharmacy and Pharmaceutical Sciences (2013). Talinum paniculatum: a medicinal plant with potencial estrogenic activity in ovariectomized rats - Acesso em 23 de outubro de 2016
  2. African Journal of Pharmacy and Pharmacology (2013): Evaluating the anti-fertility activity of Talinum paniculatum in female wistar rats - Acesso em 23 de outubro de 2016
  3. LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil - Nativas e Exóticas. Instituto Plantarum, Nova Odessa, 2.ed. 2008.
  4. KINUPP, V. F. Plantas alimentícias não convencionias da região de Porto Alegre. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre (RS). 2007. (Tese de Doutorado).
  5. Matos de comer: Beldroegão - chegou a hora de fazer estacas - Acesso em 23 de outubro de 2016
  6. Matos de comer: Talinum paniculatum - Acesso em 23 de outubro de 2016
  7. Imagem: Ana Lúcia Teixeira de Lima Mota
  8. The Plant List: Talinum paniculatum - Acesso em 23 de outubro de 2016

GOOGLE IMAGES de Talinum paniculatum - Acesso em 23 de outubro de 2016

Galeria: