Batata-de-purga

Nome científico: 
Operculina macrocarpa (Linn) Urb.
Sinonímia científica: 
Convolvulus macrocarpus Linn
Família: 
Convolvulaceae
Partes usadas: 
Raiz
Constituintes (princípios ativos, nutrientes, etc.): 
Resina glicosídica. Ácidos protocatecúico, clorogênico, caféico e ferúlico.
Propriedade terapêutica: 
Laxativa, purgativa, antihelmíntica.
Indicação terapêutica: 
Depurativo do sangue e sequelas de AVC. Depurativa contra moléstias da pele e no tratamento da leucorréia.

Origem
Nativa do Nordeste brasileiro.

Descrição
No Brasil duas espécies podem ser destacadas quanto ao uso medicinal: batata-de-purga branca (Operculina macrocarpa), a espécie em descrição nesta página; e batata-de-purga amarela (Operculina alata). Ambas são trepadeiras, com raízes tuberosas, grandes, amiláceas e lactescentes, caule tipo haste, folhagem perenifólia, fosca/lisa, flor tipo ripídio e frutos com 1 a 4 sementes duras.

O. macrocarpal é bienal, tem flores brancas e frutos mais arredondados e sementes de cor marrom.

O. alata é anual, tem flores amarelas, frutos de forma estrelada e sementes de cor preta.

Nas condições do Ceará, a batata-de-purga branca apresenta o ciclo vegetativo de 70 dias, enquanto a amarela é de 133 dias. Na fase reprodutiva, a batata-de-purga branca emite o botão floral aos 70 dias de idade, assim permanecendo por 24 dias e, a seguir, 3 dias em antes e 1 dia em pós-floração, levando 5 dias para frutificar.

Já na batata-de-purga amarela o ciclo produtivo é de 70 dias e a diferenciação reprodutiva de botão floral a frutificação é de 56 dias.

A planta propaga-se por sementes ou tubérculos. Usam-se mais frequentemente as sementes, que devem ser escarificadas fisicamente com supressão de parte de seu tegumento e colocadas em pré-embebição em água por 24 horas.

Uso popular e medicinal
A batata-de-purga é muito utilizada como laxativa e purgativa no Nordeste, como depurativo do sangue e sequelas de AVC. Seu estudo fitoquímico ainda está incompleto, porém sabe-se que contém como principais componentes a fécula e 12% de resina, formada pela mistura complexa de substâncias de natureza glicosídica polimérica, de propriedade purgativa, sendo reconhecida como laxante ou, em doses maiores, como purgativo drástico e antihelmíntico.

Em um estudo científico, a avaliação do perfil cromatográfico de O. macrocarpa resultou na identificação de ácidos protocatecúico, clorogênico, caféico e ferúlico, compostos que possuem inúmeras atividades farmacológicas descritas na literatura, dentre elas: antioxidante, antimicrobiana e antimutagênica. A conclusão é que estes sejam os possíveis responsáveis pela atividade laxante da planta.

Outros usos
Na medicina veterinária, demonstra bons resultados como anti-helmíntico, inibindo a eclosão de ovos de nematóides.

 Referências

  1. MATTOS, S. H. et. al. Plantas Medicinais e Aromáticas Cultivadas no Ceará: Tecnologia de Produção e Óleos Essenciais. Serie BNB Ciência e Tecnologia n. 2, Fortaleza, 2007.
  2. Sociedade Brasileira de Química (SBQ): Constituintes fenólicos de Operculina macrocarpa - Acesso em 24 de maio de 2015
  3. Associação Brasileira de Horticultura: Influência da escarificação mecânica e pré-embebição na emergência e crescimento de plântulas de batata-de-purga "branca" e "amarela"  - Acesso em 24 de maio de 2015
  4. Imagem: Soma Sociedade, Meio Ambiente e Desenvolvimento - Acesso em 24 de maio de 2015
  5. The Plant List: Operculina macrocarpa - Acesso em 24 de maio de 2015

GOOGLE IMAGES de Operculina macrocarpa - Acesso em 24 de maio de 2015

Galeria: