Bananeira

Nome científico: 
Musa × paradisiaca L.
Família: 
Musaceae
Sinonímia científica: 
Musa balbisiana var. vittata (W.Ackm. ex Rodigas) M.R.Almeida
Partes usadas: 
A planta toda.
Constituintes (princípios ativos, nutrientes, etc.): 
Vitaminas, minerais, glicosídeos, amido, açúcares, proteínas, tanino, serotonina, noradrenalina, dopamina.
Propriedade terapêutica: 
Adstringente, anti-helmíntica, emoliente, laxante, constipativa.
Indicação terapêutica: 
Cãibras, fadiga, alterações nos batimentos cardíacos, alergias, TPM, prisão de ventre, diarreia infantil, bronquite, úlceras, histeria, epilepsia, lepra, febre, hemorragia, disenteria.

Nomes em outros idiomas

  • Inglês: banana, edible banana, banana tree
  • Espanhol: banano, platano, guineo, cambur 

Origem
Não se conhece exatamente a origem da bananeira. Muitos pesquisadores consideram-na oriunda da Ásia meridional, Índia, onde é cultivada há milênios. Outros, da América tropical. Nossos índios já a cultivavam desde o descobrimento do Brasil.

Descrição 
A bananeira é considerada uma grande erva, com haste suculenta formada por folhas cujas bainhas são sobrepostas. O fruto forma cachos, conforme a espécie há cachos com mais de 200 frutas. Atinge altura de 6 a 7,5 m decorrente de um rizoma carnudo e rebentos lançados pelo rizoma. Existem muitas variedades, as mais conhecidas são:

  • Banana-ouro: tem casca amarela e fina, com polpa também amarela. Mede de 5 a 7 cm. É ligeiramente encurvada. Conhecida no Norte e Nordeste do país com o nome de “inajá”, é uma das mais cultivadas.
  • Banana-prata: tem casca de cor amarela e polpa creme, medindo de 10 a 15 cm. É a mais popular.
  • Banana nanica ou caturra: tem casca amarela e polpa brancacenta (creme). Em outras regiões, recebe o nome de banana d’água ou nanicão. O tamanho varia de 12 a 20 cm. É a mais cultivada, principalmente em São Paulo.
  • Banana-maçã: tem casca fina e amarela, polpa branca, macia e perfumada. Mede de 5 a 10 cm. Por ser mais digestiva, é a mais indicada pelos pediatras para recém-nascidos.

A bananeira pertence ao gênero Musa que compreende 40 espécies. Destas apenas 3 são alimentícias:

  • Musa paradisíaca L.
  • Musa sapientum
  • Musa cavendish

Outras espécies são ornamentais, usadas para fornecimento de fibra, cobertura de casas, etc..

Uso popular e medicinal

Todas as partes da bananeira têm aplicações medicinais. As flores são usadas na bronquite, disenteria e úlceras. As flores cozidas são dadas aos diabéticos. A seiva adstringente da planta é empregada em casos de histeria, epilepsia, lepra, febre, hemorragia, disenteria, diarreia aguda, hemorroidas, picadas e mordidas de insetos e outros animais.

As folhas novas são utilizadas em compressas para queimaduras e outras afecções da pele. As cinzas adstringentes da casca verde e das folhas auxiliam no tratamento da disenteria, diarreia e úlceras malignas. As raízes são administradas em desordens digestivas, disenteria e outras doenças. Na Índia a mucilagem da semente da banana serve nos casos de catarro e diarreia [2].

A planta contém glicosideo sitoindosideo IV. Flores contêm nas brácteas diglicosideo de delfinidina e cianidina. A fruta verde contém amido. A fruta contém açúcares, proteínas de albumina e globulina. A polpa da fruta madura contém tanino, serotonina e noradrenalina, dopamina e uma catecolamina não identificada. A casca contém tanino.

Raízes e caules são adstringente e anti-helmíntico. Suco da bainha das folhas e do caule é útil em otalgia (dor de ouvido) e hemoptise (expectoração de sangue pela tosse). Os frutos maduros são emoliente, nutritivo e levemente laxante. A fruta totalmente madura é constipativa, indicada em distúrbios hemorrágicos. A fruta verde é utilizada em diabetes junto a outros medicamentos. A flor é usada em menorragia, o suco do caule suco é indicado na epilepsia e outras desordens neurológicas e a raiz em tumores [3].

Trata-se de uma das mais populares e nutritivas frutas já conhecidas [1].

Suas propriedades químicas diferem pouco de uma variedade para outra. É conhecida como uma fruta higiênica, pois ao descascá-la não é necessário pegar na polpa. Esta forma simples e altamente prática é destacada por profissionais que criam móveis e outras centenas de objetos de nosso uso diário como o exemplo perfeito de design.

O mais importante é conhecer o seu conteúdo nutricional e ver o que ela nos oferece de especial no fortalecimento do corpo humano e combate ou prevenção a enfermidades.

A banana é muito rica em minerais e tem grande quantidade de ferro, que ajuda na hemoglobina do sangue, contra a anemia, principalmente em grávidas e crianças. Ela tem magnésio, que ajuda a combater muitas espécies de alergia – inclusive a febre do feno.

Segundo pesquisadores da Alemanha, a ingestão de três bananas médias fornece cerca de 180 mg de magnésio. Mas o seu forte é uma grande quantidade de potássio, mineral necessário para contração muscular, evitando cãibras, fadiga e alterações nos batimentos cardíacos.

A banana é fonte essencial de energia e, sendo de fácil acesso e tornando a refeição ligeira, passou a ser o alimento ideal para os desportistas sujeitos aos grandes desgastes nos esforços físicos.

O potássio ajuda ainda na transmissão dos impulsos nervosos e recompõe a perda deste mineral nos casos de diabetes, auxilia os pacientes com hipertensão ou com problemas cardíacos e, também, nos casos de diurese provocada em pessoas em regime de emagrecimento.

A banana contém o tão necessário cálcio para fortalecimento de ossos, dentes e células do nosso corpo.

Vitaminas [1]

  • A (betacaroteno): necessária para o funcionamento do sistema imunológico, ajuda a diminuir o tempo de duração das doenças
  • C (ácido ascórbico): ajuda a aumentar a imunidade e oferece proteção contra o câncer
  • B1 (tiamina): ajuda a normalizar o funcionamento do sistema nervoso, músculos e coração
  • B2 (riboflavina): ajuda na cicatrização das feridas
  • B3 (niacina): interfere no metabolismo das gorduras e açúcares

Outros benefícios [1] 
Fruta ideal para integrar a dieta de mulheres que sofrem de síndrome da tensão pré-menstrual (TPM). A banana-maçã combate o colesterol e ajuda a evitar prisão de ventre. Uma pesquisa feita na Inglaterra diz que a ingestão de bananas forma um fermento digestivo do tipo dietético, que protege contra o câncer do estômago.

Alcaliniza o sangue no caso da acidez no estômago, facilitando a digestão. Estimula os rins na depuração de elementos tóxicos; no caso de infecção do fígado, ajuda no fortalecimento celular.

A banana é ótima para combater a diarreia infantil, sendo o remédio provido pela Natureza para facilmente curá-la. A dieta a base de banana, comumente recomendada por pediatras, é adequada, reitera o Prof. William B. Greenough III, da Johns Hopkins University e presidente da Fundação Internacional para a Saúde da Criança.



 
Curiosidade
Devido a reprodução contínua, a bananeira é considerada pelos hindus como símbolo de fertilidade e prosperidade. Folhas e frutas são depositadas nas escadarias das casas onde ocorrem os casamentos. É plantada frequentemente no canto de um campo de arroz como amuleto de proteção. Mulheres malaias banham-se com uma decocção de folhas por 15 dias após o parto. Havaianos primitivos usavam a planta jovem como "bandeira da paz" durante as guerras.

Dedicado a Cristina Prochaska (Ubatuba, SP).

 Colaboração
  • Lelington Lobo Franco, escritor, pesquisador, químico-fitologista (Curitiba, PR).
  • Mário Sérgio Sigrist (Mestrando em Genética e Melhoramento de Plantas (IAC, Campinas, SP).

 Referências

  1. FRANCO, L. L. As incríveis 50 frutas com poderes medicinais. Acesso em 25 de janeiro de 2015
  2. Purdue University: Banana - Acesso em 25 de janeiro de 2015
  3. Ayurvedic Community: Musa paradisiaca - Acesso em 25 de janeiro de 2015
  4. National Tropical Botanical Garden: Musa × paradisiaca - Acesso em 25 de janeiro de 2015
  5. Missouri Botanical Garden: Musa × paradisiaca - Acesso em 25 de janeiro de 2015
  6. The Plant List: Musa x paradisiaca - Acesso em 25 de janeiro de 2015

GOOGLE IMAGES de Musa × paradisiaca - Acesso em 25 de janeiro de 2015

 

Galeria: clique na imagem para ampliar: