Artemísia

Nome científico: 
Artemisia vulgaris L.
Sinonímia científica: 
Absinthium spicatum (Wulfen ex Jacq.) Baumg.
Família: 
Compositae
Partes usadas: 
Folhas, flores, raizes.
Constituintes (princípios ativos, nutrientes, etc.): 
Da planta toda isolam-se lactonas sesquiterpênicas, acetilenos, óleos essenciais (eucaliptol), tuiona, tanino, mucilagem.
Propriedade terapêutica: 
Inseticida, antifúngica, digestiva.
Indicação terapêutica: 
Anemia, cólicas, coréia, diarréia, enterite, epilepsia, nevralgias, icterícias, lombrigas, dispepsias, reumatismo, como tônico para estimular a menstruação escassa ou irregular, regular o ciclo menstrual, mucosidades, asma.

Origem
Nativa das zonas temperadas da Europa, Ásia e Norte da África, mas também naturalizada na América do Norte.

Nome em outros idiomas

  • Inglês: mugwort
  • Francês: armoise, ceinture de Saint-Jean
  • Italiano: artemisia comune, amarella, assenzio selvatico
  • Alemão: beifuß
  • Espanhol: artemisa

Descrição
As folhas são púberes, verde escuro na superfície superior, têm várias formas dependendo da sua posição na planta. As folhas perto da base são elípticas e oblongas, profundamente bipinadas (dividida duas vezes) mesmo quando próximas da nervura central.

O caule possui tom vermelho escuro. As flores são hermafroditas (têm ambos os sexos masculino e órgãos femininos), pequenas, amarelas ou vermelho escuro, polinizadas pela ação do vento.

Uso popular e medicinal
O gênero Artemisia conta com muitas espécies. Assemelha-se a A. absinthium (losna ou absinto), por isso é também confundida com esses nomes. Para diferenciá-la das demais, costuma-se chamar a Artemisia vulgaris por artemísia-verdadeira.

É muito usada na medicina caseira para anemia, cólicas, coréia, diarréia, enterite, epilepsia, nevralgias, icterícias, lombrigas, dispepsias, reumatismo, como tônico para estimular a menstruação escassa ou irregular, regular o ciclo menstrual, mucosidades, asma, nas inflamações e contra hemorragia, além de ser inseticida e antifúngica.

Segue um resumo das principais espécies de Artemisia.

Artemisia annua cresce próximo aos trópicos, atinge 0,5 m de altura, foi estudada na China e Índia de onde foi levada pelos ingleses. As sementes são usadas contra malária (há vários trabalhos científicos comprobatórios), doenças dos olhos e do estômago (úlcera) e as folhas para disenterias e transtornos oculares.

O óleo essencial é amargo, tem aroma doce e refrescante com nuanças de cânfora e é muito usado na perfumaria. Não irrita a pele e tem propriedades antimicrobianas, o que pode ajudar em banhos vulvo-vaginais para corrimentos.

Informe da Organização Mundial da Saúde revela que injeção de Artemísia reduz a morte por malária três vezes mais que a quinina (também extraída de planta). Por ser tônica sobre a musculatura uterina, não se usa em grávidas e em lactantes.

A. capillares, originária da China, Japão e Taiwan, é usada contra hepatite, febres, constipação, diurese e como antibacteriana e antifúngica.

A. cina, (santônica ou sêmen-contra) é do leste europeu, embora existam alguns exemplares silvestres na América do Sul. Tem óleo essencial rico em 1,8 cineol (80%), terpinol, carvacrol, lactonas sesquiterpênicas (ou sesquiterpenos lactonizados, santonina, que lhé dá o nome). A santonina tem ação musculoparalisante no parasito, no que é ajudado por eucaliptol. Suas sumidades floridas são vermífugas.

A. copa, dos Andes, é conhecida como copa-copa. Sua infusão serve como hipotensora arterial, antirreumática e dores gástricas. Fricção em álcool de folhas na cabeça ou inalação delas aliviam cefaléias.

A. douglasiana é uma erva argentina (lá tem o nome matico) usada nas úlceras gástricas. Tem uma lactona sesquiterpena, a dehidroleucodina que aumenta a secreção mucosa, secreção de prostaglandina e de sulfihidrilos em ratos.

A. abrotanum, ou abrótano macho, hierba lombriguera, é conhecida em muitos lugares somente como artemísia. É um arbusto com folhas plumosas finamente divididas, pequenas flores branco-amareladas. Dela usam-se as flores secas, talos e sumidades floridas como aperitivas pelo óleo essencial. É colerética pelo ácido cafêico e ácido clorogênico que contém. Na verdade é um excelente digestivo muito usado na cozinha italiana. Tem absintol e por isso é antihelmíntico de grande valor.

A. glabella é espécie russa que tem os sesquiterpenos arglabina, argolida e dihidroargolina, é imunomoduladora, ativa a produção de citoninas.

A. marítima, as sementes e sumidades floridas servem especificamente como oxiurucida, ascaricida, laxante, antianêmico e cicratizante da pele. Tem artemisina, santonina e potássio.

A. marshalliana é uma das 20 espécies turcas, contém cumarinas, hidroxiacetofenona, acetilenos e atividade antihelmíntica.

A. mexicana e A. ludoviciana são espécies muito comum no México e América do Norte. Os astecas a usavam em cerimônias e suas propriedades são semelhantes ao absinto. É antimicrobiana, tem sesquiterpenos, flavonóides, monoterpenos, cumarinas e enxofre.

A. moorcrofitiana é usada na Índia contra vermes, em extrato aquoso de folhas frescas. A variedade parviflora apresenta óleo essencial útil contra Candida albicans e outros fungos.

A. scoparia também é indiana e seu extrato etanólico mostra ser antibacteriano contra Staphylococci aureusviridans e pyogens e contra micoses superficiais da pele. Contra candidíase apresentou resultados regulares. Exemplares turcos têm um pouco de artemisina, o que lhe confere propriedades antimaláricas, embora bem menor que A. annua.

 Dosagem indicada

  • Regulador do ciclo menstrual, antihelmíntico, aperitivo, colagogo e adjuvante do crescimento capilar. Infusão de 3 a 5g de folhas ou sumidades floridas na dosagem de três xícaras ao dia, ou em massagens no couro cabeludo.
  • Amenorréia. Usam-se 3 ou 4 colherinhas de tintura (20g em 10 cm3 de álcool a 60o C) ao dia.

Antigamente aplicava-se cataplasma sobre o ventre das mulheres em curso de parto difícil. E ainda fricções ou cataplasma com o suco da erva em casos de reumatismo.

 Culinária
Tem uso na cozinha como tempero de carnes e como ingrediente de bebidas bitter.

 Cuidado
Em altas doses irrita o sistema nervoso. 

Riscos conhecidos: pode ser venenosa em grandes doses. Contato com a pele pode causar dermatite em algumas pessoas. Provavelmente inseguro para as mulheres grávidas, pois pode estimular o útero a se contrair e induzir o aborto.

Curiosidade
Antigamente era tida como “espantadora de bruxas” junto com outras 8 ervas. Na França, em pleno Renascimento, falava-se que a “Artemísia faz com que as mulheres voltem a ser umas flores”, para referir-se à ação desta planta na menstruação.

 Referências

  1. FRANCO, L. C. L.; LEITE, R. C. Fitoterapia para a mulher. Corpomente, Curitiba.2004.
  2. Plants for a Future: Artemisia vulgaris - Acesso em 26 de abril de 2015
  3. Botanical.com A Modern Herbal: Mugwort - Acesso em 26 de abril de 2015
  4. Imagem: Wikimedia Commons - Acesso em 26 de abril de 2015

GOOGLE IMAGES de Artemisia vulgaris - Acesso em 26 de abril de 2015

Galeria: