Amor-perfeito

Nome científico: 
Viola tricolor L.
Sinonímia científica: 
Viola tricolor var. hortensis DC.
Família: 
Violaceae
Partes usadas: 
A planta toda
Princípio ativo: 
Flavonóides, saponinas, alcalóides, taninos, violarrutina, violanina, mucilagens, resina, glucosídeos. Contém sobretudo um óleo essencial, a violaquercitrina-flavona, um metil éster do ácido salicílico.
Propriedade terapêutica: 
Anti-inflamatória, expectorante, estimulante, sudorífica, diurética, depurativa, emoliente, antitumoral, laxante
Indicação terapêutica: 
Feridas, chagas, úlceras, eczema úmido, infecções cutâneas, afecções do sangue, debilidade nervosa, cansaço, doenças cardíacas nervosas, icterícia.

Origem
Europa.

Nome em outros idiomas

  • Alemão: stiefmütterchen
  • Francês: pensée du bois
  • Espanhol: pensamiento, trinitaria
  • Inglês: pansy
  • Italiano: viola del pensioero

Propriedades terapêuticas
Especialmente útil no tratamento do eczema úmido. Atua favoravelmente sobre os gânglios linfáticos.

Uso popular e medicinal
É muito empregada desde os tempos remotos. Homero conta que os atenienses a utilizavam para moderar a ira. Utilizavam uma guirlanda de flores da Viola tricolor para prevenir dores de cabeça e enjôos. Os chineses utilizam a espécie Viola yedoensis de forma similar. Esta última também empregada em tratamento do eczema infantil grave em um hospital de Londres.

As folhas secas da Viola tricolor, pulverizadas ou misturadas com mel até formarem uma pomada, aplicadas sobre as feridas, ajudam a cicatrizá-las. Para curar infecções cutâneas, tratam-se as partes afetadas com compressas de gaze embebidas em uma infusão da planta. A decocção alivia também as dores reumatismais e trata as afecções de pele, dermatites e eczemas. A infusão, que também pode ser bebida, combate as afecções do sangue, a debilidade nervosa, o cansaço, as doenças cardíacas nervosas e icterícia, pois estimula o metabolismo.

Constitui um bom expectorante devido ao seu alto conteúdo em saponinas e também tonificam e fortalecem os vasos sanguíneos.
Emprega-se como cosmético para limpeza de pele e como loção capilar contra a queda do cabelo. Serve para gargarejos. As raízes são eméticas.

 Dosagem indicada

Infusão para uso geral. Prepara-se infusão de duas colheres de café por xícara de água fervente, deixe descansar por um quarto de hora. Adoçar com mel. Em virtude dos efeitos eméticos do amor-perfeito, desaconselha-se o aumento das doses.

Xarope: triturar uma colher média de flores secas e colocar em maceração durante uma hora em 250 g de água fervendo. Filtrar. Dissolver a quente, sem ferver, 250 g de açúcar. Tomar de 5 a 6 colherinhas ao dia.

Depurativo (infusão): macerar, por uma noite, 8 g de flores e folhas secas de amor-perfeito em um 1/4 de litro de água fria. Pela manhã, ferver tudo, adicionando 100 g de leite açucarado. Filtrar a bebida e ingeri-la em jejum. Continuar o procedimento por 3 semanas.

Feridas, chagas e úlceras (cataplasma). Para favorecer a cicatrização, fazer compressas com flores e folhas frescas e esmagadas de amor-perfeito, misturadas com leite frio. Infusão: derramar durante 15 minutos uma colher de flores secas trituradas em uma xícara de água fervendo. Tomar de 2 a 3 vezes ao dia. Adoçar com mel.

 Contraindicação
Não se deve administrar doses muito altas, já que a planta contém saponinas que podem produzir náuseas e vômitos.

Curiosidade
No livro de Shakespeare "Sonho de uma noite de verão", o amor-perfeito é a flor que Oberon pede a Puck encontrar para fazer adormecer Titânia. 

 Referências

  • BALBACH, A. As Plantas que Curam. Editora Missionária, São Paulo, 2a ed., 1992.
  • BALMÉ, F. Plantas Medicinais. Editora Hemus, São Paulo, 2004.
  • CARIBÉ, J.; CAMPOS, J. E. Plantas que Ajudam o Homem - Guia Prático para a época atual. Pensamento-Cultrix, São Paulo, 1991.
  • CHIEJ, R. The Macdonald Encyclopedia of Medicinal Plants. Macdonald, London, 1984.
  • CORRÊA, M. P. Dicionário de Plantas Úteis do Brasil. Ministério da Agricultura, Rio de Janeiro, 1991.
  • COSTA, A. F. Farmacognosia. Fundação Calouste Gulbenkian, v.III, 2a ed., 1967.
  • Family Guide to Natural Medicine. Reader´s Digest, 1993.
  • GARLAND, S. The Complete Book of Herbs & Spices. Readers Digest, 1993.
  • GLADSTAR, R. Herbal Healing for Women. Fireside, Simon & Schuster Inc., New York,1993.
  • GREM, J.; JUNG, M. Plantas Medicinales - bayas, verduras silvestres. Editora Blume, 1998. (Colección Guias de Naturaleza)
  • HEMPHILL, J.; HEMPHILL, R. Complete Book of Herbs. Chancellor Press, 1995.
  • HERTWIG, I. F. Plantas Aromáticas e Medicinais. Editora Ícone, São Paulo, 2a ed., 1991.  (Coleção Brasil Agrícola)
  • KEVILLE, K. The Illustrated Herb Encyclopedia. Barnes & Noble, 1997.
  • LAINETTI, R.; BRITO, N. R. S. A Cura pelas Ervas e Plantas Medicinais Brasileiras. Ediouro, Rio de Janeiro, 1979.
  • LEIBOLD, G. Guia das Plantas Medicinais. Editorial Presença, 1997.
  • LORENZI, H. Árvores Brasileiras. Instituto Plantarum, Nova Odessa (SP), v.2, 1998.
  • MARTINS, J. E. C. Plantas medicinais de uso na Amazônia. CEJUP, Belém, 2a ed., 1989.
  • MASUCCI, O. As Plantas como Remédio na Cura das Doenças. Brasilivros Editora e Distribuidora LTDA, 1982.
  • MINTER, S. The Healing Garden. Eddison Sadd Editions, 1995.
  • MOREIRA, F. As Plantas que Curam Através da Natureza. Editora Hemus, São Paulo, 1978.
  • MORGAN, R. Enciclopedia das Ervas e Plantas Medicinais. Editora Hemus, São Paulo, 2003.
  • ODY, P. Las Plantas Medicinales. Javier Vergara, Buenos Aires, 1993. (The Herb Society)
  • OLIVEIRA, F.; AKISUE, G.; AKISUE, M. K. Farmacognosia. Editora Atheneu, São Paulo, 1991.
  • PANIZZA, S. Plantas que Curam - Cheiro de Mato. IBRASA, São Paulo, 4a ed., 1997.
  • POLETTI, A. Plantas y Flores Medicinales I e II. Editora Parramon, v. I,II, 1980.
  • QUER, P. F. Plantas Medicinales - el diocórides renovado. Editorial Labor, 1993.
  • REID, D. Chinese Herbal Medicine. Shambhala, USA, 1996.
  • RUDER, E. A. M. C. O Tratamento Através das Plantas Medicinais - Saúde e Beleza. Editora Rideel LTDA, São Paulo.
  • SANTOS, C. A. M.; TORRES, K. R.; LEONART, R. Plantas Medicinais - Herbarium, Flora et Scientia. Editora Ícone, São Paulo, 2a ed., 1988. (Coleção Brasil Agrícola)
  • STASI, L.C.; HIRUMA-LIMA, C. A. Plantas Medicinais na Amazônia e na Mata Atlântica. Editora UNESP, São Paulo, 2a ed. 1989.
  • THOMSON, W. A. R. Guia Práctica Ilustrada de las Plantas Medicinales. Editora Hemus, Barcelona, 1981.
  • VOLAK, J.; STODOLA, J. Plantas Medicinais. Editorial Inquérito, Lisboa, 1990.
  • WEIL, R. As Ervas que Curam - Um Reencontro com a Farmacologia Natural. Editora Gaia, São Paulo, 5a ed., 2005.
  • YARZA, O. Plantas que Curam & Plantas que Matam. Editora Hemus, São Paulo, 1982.

The Plant List – Acesso em  8/3/2015

​GOOGLE IMAGES de Viola tricolor – Acesso em  8/3/2015

Galeria: