Alfazema

Nome científico: 
Lavandula angustifolia Mill.
Sinonímia científica: 
Lavandula angustifolia var. delphinensis (Jord. ex Billot) O.Bolòs & Vigo
Família: 
Lamiaceae
Partes usadas: 
Flores
Princípio ativo: 
Óleos essenciais (acetato de linalilo e linalol), taninos 12%, cumarinas, princípio amargo, saponina ácida, resina
Propriedade terapêutica: 
Anti-séptico, tônico, antiespasmódico, calmante, digestivo, antibacteriana, carminativa, revulsiva
Indicação terapêutica: 
Reumatismo, nevralgias, hemicrania, excitação nervosa, insônia, vertigens, contusões, feridas, inapetência, má digestão, asma, coqueluche, faringite, laringite, depressão, cistites, enxaquecas, bronquite, corrimento vaginal, prurido vaginal, sarna, piolho

Nome em outros idiomas

  • Alemão: lavendel
  • Inglês: lavender
  • Francês: lavende
  • Italiano: lavanda

Uso popular e medicinal
A planta apresenta diversas propriedades terapêuticas: antisséptico, tônico do sistema nervoso, antiespasmódico, calmante dos nervos, digestiva, antibacteriana, carminativa, favorece o fluxo biliar. Para o uso externo é ligeiramente revulsivo, sendo empregada no reumatismo.

As indicações mais comuns são para nevralgias, hemicrania, excitação nervosa, insônia, vertigens, contusões, feridas, inapetência, má digestão, asma, coqueluche, faringite e laringite.

 Dosagem indicada

Asma, bronquite, tosse, catarro, gripes, sinusites, tensão nervosa, depressão, insônia, vertigens, cistites, enxaquecas

  • Coloque 2 colheres de flores em 1 xícara de álcool de cereais a 60%. Deixe em maceração por 5 dias e coe. Tome 1 colher (café) diluída em um pouco de água, 2 vezes ao dia. Pode também adicionar este preparado à água de banho. Faça banho de imersão por 20 minutos.

Asma, bronquite, tosses, catarro e gripes

  • Decocção: ferver por 2 minutos, em um litro de água, 60g de sumidades floridas de alfazema. Filtrar e beber o líquido de 4 a 6 xícaras ao dia. 

  • Infusão: colocar em infusão, por 5 minutos, 5 g de flores de alfazema em uma xícara de água fervente. Adoçar com mel e beber. Repetir a dose 4 vezes ao dia.

Cansaço

  • Óleo de alfazema: em um recipiente, colocar 3 quartos de litro de um bom azeite e um punhado de flores frescas de alfazema. Fechar bem o recipiente e colocá-lo em um lugar fresco onde deve ser deixado por cerca de 20 dias. Filtrar o óleo sobre um tecido de linho. Pingar algumas gotas do óleo sobre um torrão de açúcar e deixar derreter lentamente na boca. Algumas gotas de essência de alfazema sobre as têmporas e pulsos dará um grande alivio àquele que se sente cansado por excesso de trabalho ou por uma vigília prolongada.

Contusões

  • Alcoolato de alfazema: colocar em infusão, por 15 dias, 50g de flores de alfazema em 1 litro de álcool. Filtrar o líquido e colocá-lo em um vidro provido de tampa em esmeril. Contra as contusões, friccionar suavemente com um pouco de líquido para aliviar as dores e fazer desaparecer a inflamação. 
  • Fricções: verter na palma da mão algumas gotas de essência de alfazema e friccionar a região contundida. A essência de alfazema encontra-se à venda em farmácias especializadas.

Diurético

  • Colocar por cinco minutos 5g de flores de alfazema em uma xícara de água fervente. Filtrar e beber 3 xícaras ao dia.

Estômago (má digestão) 

  • Óleo de alfazema (vide cansaço). Pingar algumas gotas do óleo de alfazema em um dedo de água ou um torrão de açúcar para tomar após a refeição.
  • Alcoolato de alfazema (vide contusões). No álcool empregado para uso interno, certificar-se ser álcool de cereais, próprio para consumo. Antes de cada refeição, beber dois dedos de água na qual foram diluídas alguma gotas de alcoolato de alfazema.

Excitação nervosa

  • Infusão: em uma xícara de água quente, colocar em infusão uma pitada da mistura obtida com: 30 de flores de alfazema, 10g de camomila, 5g de hipérico, 5g de lúpulo, 5g de raiz de valeriana. Filtrar o líquido e beber antes de deitar-se. 
  • Inalação: em uma tigela com água fervente e esfumaçante colocar algumas gotas de essência de alfazema, colocar a cabeça sobre o recipiente, tendo à testa uma toalha. Aspirar profundamente os vapores.

Faringite

  • Decocção: ferver por 2 minutos 40g de flores de alfazema em 1 litro de água. Filtrar o líquido ainda morno. Tomar de 4 a 6 xícaras ao dia.

Feridas

  • Desinfetante: a falta de um desinfetante alcoólico pode ser suprida, momentaneamente, com algumas gotas de essência de alfazema vertidas sobre a ferida.

Hemicrania, vertigens

  • Ver cansaço.Tomar seis ou sete gotas muitas vezes ao dia. Contra as vertigens, algumas gotas em pouca água.

Insônia

  • Alcoolato de alfazema: ver contusões. Pingar algumas gotas de alcoolato em um torrão de açúcar e deixar derreter na boca. 
  • Decocção: ferver uma pitada de alfazema em uma xícara de água. Filtrar, adoçar e beber antes de deitar-se. 
  • Infusão: ver excitação nervosa. Uma ou duas xícaras antes de deitar-se.

Laringite, coqueluche e tosse

  • Infusão: colocar 50g de flores de alfazema em um litro de água fervendo. Filtrar e beber de 4 a 5 xícaras, adoçadas com mel, durante o dia.

Nevralgia

  • Óleo de alfazema: ver cansaço. Algumas gotas de óleo sobre um torrão de açúcar. Deixar derreter na boca. 
  • Infusão: misturar as seguintes ervas: 20g de flores de alfazema,60 g de flores de prímula medicinal e 20g de flores de camomila. Colocar 5g desta mistura em uma xícara de água fervente e deixar repousar por meia hora. Filtrar e beber em seguida. A dose deve ser repetida de 2 a 3 vezes ao dia.

Corrimento vaginal, prurido vaginal, sarna, piolho

  • Coloque 2 colheres (sopa) de flores em 1 xícara (chá) de vinagre branco. Deixe em maceração por 3 dias e coe. No caso de pruridos e corrimento vaginal, adicione 2 colheres (sopa) à água de banho. Faça banho de assento 1 vez ao dia. Para piolhos aplique no couro cabeludo, com ligeira massagem, deixando agir por 2 horas. Em seguida enxague e passe o pente fino. Para sarnas, aplique com um chumaço de algodão.

Escaras de decúbito, queimaduras, picadas de inseto, afecções da pele (eczemas,dermatites e psoríases)

  • Em 1 xícara (chá) coloque 2 colheres (sopa) de flores e adicione óleo de cozinha. Leve ao fogo, em banho-maria, por 1 hora. Espere amornar e coe. Aplique nos locais afetados, com um chumaço de algodão, de 2 a 3 vezes ao dia.

 Contraindicações

Seu uso dentro das doses preconizadas não tem contra-indicação. Nas mulheres grávidas deve-se evitar o uso em doses altas por ser estimulante uterino.

 Culinária
Conta-se como curiosidade que uma rainha inglesa gostava de conservas condimentadas com alfazema. Pode-se também fazer um vinagre de alfazema, macerando-se alguns caules em vinagre branco por 3 semanas. No Marrocos suas flores são usadas numa mistura de especiarias em pratos finos.

Empregos caseiros

  • Água de colônia antisséptica. Deixar macerar por vinte dias, 60 g de sumidades floridas de alfazema em 1 litro de álcool de cereais a 60º. Filtrar e conservar a água-de-colônia em vidro fechado. Além de ser utilizada para fricções sobre o corpo, após o banho, serve também para desinfetar as mãos e banhar as têmporas e as narinas após ter-se estado próximo a um doente atingido por uma moléstia infecciosa, ou quando se está cansado e acalorado.
  • Água de alfazema n° 1. Misturar 200 g de álcool a 80º,10 g de essência de alfazema,1 g de essência de cravo, 2 g de essência de citronela, 5 g de essência de bergamota. Deixar em maceração por vinte dias, filtrando em seguida e conservando o líquido em garrafa.
  • Água de alfazema nº 2. Misturar 1 litro de álcool a 80º, 8 g de essência de alfazema, 5 g de essência de cedro, 8 g de essência de bergamota, 3 g de essência de benjoim, 15 g de alcoolato de melissa. Após vinte dias, filtrar o líquido e conservá-lo em garrafa.
  • Banho perfumado. Misturar 150 g de bicarbonato de sódio, 100 g de ácido tartárico, 25 g de amido de banho, 100 g de óleo de amêndoa, 10 g de essência de alfazema, 5 g de essência de bergamota. Misturar todos os ingredientes e conservar a pasta em um vidro. Usar uma colherinha para cada banho.
  • Saquinhos perfumados para a roupa branca. Misturar todos os ingredientes após tê-los triturados até reduzí-los a pó: 25 g de sementes de lírio germânico, 30 g de pétalas de rosa secas, 7 g de canela, 10 g de cravo. Distribuir a mistura em saquinhos e colocar em gavetas, no meio da roupa, ou pendurar nos armários.
  • Sais aromáticos de alfazema. Escolher um vidro com tampa esmerilhada, preenchendo-o com carbonato de amônia em grãos. Adicionar depois uma solução composta de 3 gotas de essência de rosas, 2 gotas de essência de cravo, 1 gota de essência de canela, 3 gotas de essência de bergamota. A solução deve preencher os interstícios entre as paredes do vidro e os grãos de sal.

 Referências

  • BALBACH, A. As Plantas que Curam. Editora Missionária, São Paulo, 2a ed., 1992.
  • BALMÉ, F. Plantas Medicinais. Editora Hemus, São Paulo, 2004.
  • CARIBÉ, J.; CAMPOS, J. E. Plantas que Ajudam o Homem - Guia Prático para a época atual. Pensamento-Cultrix, São Paulo, 1991.
  • CHIEJ, R. The Macdonald Encyclopedia of Medicinal Plants. Macdonald, London, 1984.
  • CORRÊA, M. P. Dicionário de Plantas Úteis do Brasil. Ministério da Agricultura, Rio de Janeiro, 1991.
  • COSTA, A. F. Farmacognosia. Fundação Calouste Gulbenkian, v.III, 2a ed., 1967.
  • Family Guide to Natural Medicine. Reader´s Digest, 1993.
  • GARLAND, S. The Complete Book of Herbs & Spices. Readers Digest, 1993.
  • GLADSTAR, R. Herbal Healing for Women. Fireside, Simon & Schuster Inc., New York,1993.
  • GREM, J.; JUNG, M. Plantas Medicinales - bayas, verduras silvestres. Editora Blume, 1998. (Colección Guias de Naturaleza)
  • HEMPHILL, J.; HEMPHILL, R. Complete Book of Herbs. Chancellor Press, 1995.
  • HERTWIG, I. F. Plantas Aromáticas e Medicinais. Editora Ícone, São Paulo, 2a ed., 1991.  (Coleção Brasil Agrícola)
  • KEVILLE, K. The Illustrated Herb Encyclopedia. Barnes & Noble, 1997.
  • LAINETTI, R.; BRITO, N. R. S. A Cura pelas Ervas e Plantas Medicinais Brasileiras. Ediouro, Rio de Janeiro, 1979.
  • LEIBOLD, G. Guia das Plantas Medicinais. Editorial Presença, 1997.
  • LORENZI, H. Árvores Brasileiras. Instituto Plantarum, Nova Odessa (SP), v.2, 1998.
  • MARTINS, J. E. C. Plantas medicinais de uso na Amazônia. CEJUP, Belém, 2a ed., 1989.
  • MASUCCI, O. As Plantas como Remédio na Cura das Doenças. Brasilivros Editora e Distribuidora LTDA, 1982.
  • MINTER, S. The Healing Garden. Eddison Sadd Editions, 1995.
  • MOREIRA, F. As Plantas que Curam Através da Natureza. Editora Hemus, São Paulo, 1978.
  • MORGAN, R. Enciclopedia das Ervas e Plantas Medicinais. Editora Hemus, São Paulo, 2003.
  • ODY, P. Las Plantas Medicinales. Javier Vergara, Buenos Aires, 1993. (The Herb Society)
  • OLIVEIRA, F.; AKISUE, G.; AKISUE, M. K. Farmacognosia. Editora Atheneu, São Paulo, 1991.
  • PANIZZA, S. Plantas que Curam - Cheiro de Mato. IBRASA, São Paulo, 4a ed., 1997.
  • POLETTI, A. Plantas y Flores Medicinales I e II. Editora Parramon, v. I,II, 1980.
  • QUER, P. F. Plantas Medicinales - el diocórides renovado. Editorial Labor, 1993.
  • REID, D. Chinese Herbal Medicine. Shambhala, USA, 1996.
  • RUDER, E. A. M. C. O Tratamento Através das Plantas Medicinais - Saúde e Beleza. Editora Rideel LTDA, São Paulo.
  • SANTOS, C. A. M.; TORRES, K. R.; LEONART, R. Plantas Medicinais - Herbarium, Flora et Scientia. Editora Ícone, São Paulo, 2a ed., 1988. (Coleção Brasil Agrícola)
  • STASI, L.C.; HIRUMA-LIMA, C. A. Plantas Medicinais na Amazônia e na Mata Atlântica. Editora UNESP, São Paulo, 2a ed. 1989.
  • THOMSON, W. A. R. Guia Práctica Ilustrada de las Plantas Medicinales. Editora Hemus, Barcelona, 1981.
  • VOLAK, J.; STODOLA, J. Plantas Medicinais. Editorial Inquérito, Lisboa, 1990.
  • WEIL, R. As Ervas que Curam - Um Reencontro com a Farmacologia Natural. Editora Gaia, São Paulo, 5a ed., 2005.
  • YARZA, O. Plantas que Curam & Plantas que Matam. Editora Hemus, São Paulo, 1982.

The Plant List - Acesso em  8 de março de 2015

GOOGLE IMAGES de Lavandula angustifolia - Acesso em  8 de março de 2015

Galeria: