Alcachofra

Nome científico: 
Cynara scolymus L.
Sinonímia científica: 
Não há registro de sinônimo científico.
Família: 
Compositae
Partes usadas: 
Folhas, brácteas (cabeça), raízes
Princípio ativo: 
Cinarina (amargo cristalizável), ácido cafeíco, pigmentos, flavonoides (luteol), glicosídeos, cinarosídeos, cinaropectina, taninos, mucilagens, pró vitamina A, vitamina C, enzimas.
Propriedade terapêutica: 
Antiesclerótico, digestiva, antidispéptico.
Indicação terapêutica: 
Psoríase, doenças das vias biliares e hepáticas, diabetes, icterícia, eczemas, erupções cutâneas, anemia, escorbuto, raquitismo, colesterol, hemorroidas, prostatite, uretrite, bronquite asmática, debilidade cardíaca, hepatite, colecistite

Formulário de Fitoterápico da Farmacopeia Brasileira
Alcachofra tem uso científico comprovado como antidispéptico (má digestão).

Nomes em outros idiomas

  • Francês: artichaut
  • Inglês: artichoke
  • Italiano: carciofo
  • Alemão: artischocke
  • Espanhol: alcachofera

Origem
Planta européia das regiões do Mediterrâneo, sendo cultivada no sul da Europa, na Ásia menor e ainda na América do Sul, principalmente no Brasil.

Uso popular e medicinal
Possui substâncias com efeito benéfico nas doenças das vias biliares e hepáticas. Possui como princípios ativos a cinarina e o ácido cafeico que estimulam a formação da bile hepática, regularizam a formação de sais biliares e o colesterol, e o seu uso é indicado para os diabéticos.

São usadas igualmente com sucesso contra a icterícia, cujos sintomas desaparecem mais rapidamente. As folhas reduzem a taxa de açúcar no sangue e são usadas como adjuvantes no tratamento da diabetes. Tem efeito antiesclerótico, ou seja, é um bom combatente do endurecimento das artérias e servem também para fabricar licores e bebidas amargas.

O suco fresco é utilizado externamente para tratar eczemas e erupções cutâneas. O consumo da cabeça de alcachofra é excelente para quem sofre de anemia, pois é uma fonte muito rica em ferro. Por ter ação digestiva, auxilia também na prisão de ventre. Combate o escorbuto e o raquitismo pelo conteúdo de suas vitaminas.

É portadora da enzima cinerase, que coagula o leite na fabricação de queijos. Possui como matérias minerais: cal, ácido silícico, óxido de ferro, cloreto de sódio, magnésio e ácido fosfórico.

 Dosagem indicada

Estimulante (hepático, vesicular e venal); artérias endurecidas; colesterol; diurético:

  1. Coloque 1 colher (sopa) de folhas fatiadas em 1 xícara (chá) de água em fervura. Deixe ferver por 5 minutos. Abafe por 10 minutos e coe. Tome 1 xícara (chá), 2 ou 3 vezes ao dia, antes das principais refeições.
  2. Coloque 2 colheres (sopa) de folhas fatiadas em xícara de álcool de cereais a 70%. Deixe em repouso por 5 dias e coe. Tome 1 colher (café) diluído em um pouco de água, antes das principais refeições.
  3. Coloque 3 colheres (sopa) de folhas fatiadas em uma garrafa de vinho branco. Deixe em maceração por cinco dias, agitando às vezes e coe. Tome 1 cálice antes das principais refeições.

Inflamações rebeldes, anemia. Consumir as brácteas tenras e cruas ou ligeiramente aferventadas(cabeça), comer duas a três vezes ao dia, durante algumas semanas.

Nefrite. Caldo cozido da cabeça da alcachofra misturado ao suco do limão, 1 xícara três a quatro vezes ao dia.

Diabetes. Consumir a cabeça da alcachofra ao natural, juntamente com suco de limão, três a quatro vezes ao dia.

Bronquite asmática. Caldo cozido da cabeça da alcachofra misturado ao suco de limão e um pouco de azeite de oliva, 1 xícara de 3 a 4 vezes ao dia.

Hemorroidas, prostatite e uretrite. Caldo em mistura com suco de cenoura ou limão, 1 copo quatro vezes ao dia.

Debilidade cardíaca. Comer brácteas cruas ou cozidas, sob a forma de salada, acompanhada de suco de limão.

Hepatite, colecistite, arterioesclerose. Chá por decocção, na proporção de 30g de folhas para 1 litro de água, 1 xícara 3 vezes ao dia.

Diurético. Ferver 20g de raízes de alcachofra por cinco minutos em 1 litro de água. Deixar o líquido amornar, adoçar e tomar na dose de 3 xícaras ao dia.

Antidispéptico. Componentes: folhas secas (1g); água q.s.q. (150 mL). Preparar por infusão. Uso interno: acima de 12 anos, tomar 150 mL do infuso após 10 minutos do preparo, antes das refeições. Advertência: contraindicado para pessoas com cálculos biliares e obstrução dos ductos biliares. Não utilizar em caso de tratamento com anticoagulantes. Evitar o uso em pessoas alérgicas ou com hipersensibilidade à alcachofra ou plantas da família Asteraceae (Compositae) [35].

 Culinária 
Lave muito bem 1 cabeça de alcachofra, coloque em água suficiente para cozinhar adicionando 1 folha de louro. Deve ser consumida ao dente, isto é, nem moles nem duras.

 Contraindicações
Contraindicado para alérgicos à alcachofra, quando há obstrução do canal biliar.

 Referências

  1. BALBACH, A. As Plantas que Curam. Editora Missionária, São Paulo, 2a ed., 1992.
  2. BALMÉ, F. Plantas Medicinais. Editora Hemus, São Paulo, 2004.
  3. CARIBÉ, J.; CAMPOS, J. E. Plantas que Ajudam o Homem - Guia Prático para a época atual. Pensamento-Cultrix, São Paulo, 1991.
  4. CHIEJ, R. The Macdonald Encyclopedia of Medicinal Plants. Macdonald, London, 1984.
  5. CORRÊA, M. P. Dicionário de Plantas Úteis do Brasil. Ministério da Agricultura, Rio de Janeiro, 1991.
  6. COSTA, A. F. Farmacognosia. Fundação Calouste Gulbenkian, v.III, 2a ed., 1967.
  7. Family Guide to Natural Medicine. Reader´s Digest, 1993.
  8. GARLAND, S. The Complete Book of Herbs & Spices. Readers Digest, 1993.
  9. GLADSTAR, R. Herbal Healing for Women. Fireside, Simon & Schuster Inc., New York,1993.
  10. GREM, J.; JUNG, M. Plantas Medicinales - bayas, verduras silvestres. Editora Blume, 1998. (Colección Guias de Naturaleza)
  11. HEMPHILL, J.; HEMPHILL, R. Complete Book of Herbs. Chancellor Press, 1995.
  12. HERTWIG, I. F. Plantas Aromáticas e Medicinais. Editora Ícone, São Paulo, 2a ed., 1991.  (Coleção Brasil Agrícola)
  13. KEVILLE, K. The Illustrated Herb Encyclopedia. Barnes & Noble, 1997.
  14. LAINETTI, R.; BRITO, N. R. S. A Cura pelas Ervas e Plantas Medicinais Brasileiras. Ediouro, Rio de Janeiro, 1979.
  15. LEIBOLD, G. Guia das Plantas Medicinais. Editorial Presença, 1997.
  16. LORENZI, H. Árvores Brasileiras. Instituto Plantarum, Nova Odessa (SP), v.2, 1998.
  17. MARTINS, J. E. C. Plantas medicinais de uso na Amazônia. CEJUP, Belém, 2a ed., 1989.
  18. MASUCCI, O. As Plantas como Remédio na Cura das Doenças. Brasilivros Editora e Distribuidora LTDA, 1982.
  19. MINTER, S. The Healing Garden. Eddison Sadd Editions, 1995.
  20. MOREIRA, F. As Plantas que Curam Através da Natureza. Editora Hemus, São Paulo, 1978.
  21. MORGAN, R. Enciclopedia das Ervas e Plantas Medicinais. Editora Hemus, São Paulo, 2003.
  22. ODY, P. Las Plantas Medicinales. Javier Vergara, Buenos Aires, 1993. (The Herb Society)
  23. OLIVEIRA, F.; AKISUE, G.; AKISUE, M. K. Farmacognosia. Editora Atheneu, São Paulo, 1991.
  24. PANIZZA, S. Plantas que Curam - Cheiro de Mato. IBRASA, São Paulo, 4a ed., 1997.
  25. POLETTI, A. Plantas y Flores Medicinales I e II. Editora Parramon, v. I,II, 1980.
  26. QUER, P. F. Plantas Medicinales - el diocórides renovado. Editorial Labor, 1993.
  27. REID, D. Chinese Herbal Medicine. Shambhala, USA, 1996.
  28. RUDER, E. A. M. C. O Tratamento Através das Plantas Medicinais - Saúde e Beleza. Editora Rideel LTDA, São Paulo.
  29. SANTOS, C. A. M.; TORRES, K. R.; LEONART, R. Plantas Medicinais - Herbarium, Flora et Scientia. Editora Ícone, São Paulo, 2a ed., 1988. (Coleção Brasil Agrícola)
  30. STASI, L.C.; HIRUMA-LIMA, C. A. Plantas Medicinais na Amazônia e na Mata Atlântica. Editora UNESP, São Paulo, 2a ed. 1989.
  31. THOMSON, W. A. R. Guia Práctica Ilustrada de las Plantas Medicinales. Editora Hemus, Barcelona, 1981.
  32. VOLAK, J.; STODOLA, J. Plantas Medicinais. Editorial Inquérito, Lisboa, 1990.
  33. WEIL, R. As Ervas que Curam - Um Reencontro com a Farmacologia Natural. Editora Gaia, São Paulo, 5a ed., 2005.
  34. YARZA, O. Plantas que Curam & Plantas que Matam. Editora Hemus, São Paulo, 1982.
  35. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira. ANVISA, 1ª ed. p. 31, 2011.
  36. The Plant List – Acesso em 8/3/2015

GOOGLE IMAGES de Cynara scolymus – Acesso em 8/3/2015

 

 

Galeria: