Alcaçuz

Nome científico: 
Glycyrrhiza glabra L.
Sinonímia científica: 
Glycyrrhiza glabra var. glandulifera (Waldst. & Kit.) Regel & Herder
Família: 
Leguminosae
Partes usadas: 
Raiz
Constituintes (princípios ativos, nutrientes, etc.): 
Glicósidos do grupo das flavonas, saponinas, óleo essencial, taninos, enzimas, glycirrizinina 5 a 10%, goma, sucrose, fitoesteróis, polissacarídeos, cumarinas
Propriedade terapêutica: 
Antitussígeno, antiúlcera, laxante, antihistamínico, regulador hormonal, expectorante, laxante
Indicação terapêutica: 
Conjuntivite, fígado, supra-renais, desequilíbrios hormonais, úlceras pépticas, baço, rins, hepatite, toxinas, difteria, tétano, garganta

Nomes em outros idiomas

  • Espanhol: Regaliz
  • Alemão: Süssholz
  • Inglês: Licorice

Origem

Europa meridional e Oriente. O uso medicinal do alcaçuz é datado dos povos antigos do Egito, relatado em seus papiros.

Uso popular e medicinal

A complicada composição química do alcaçuz dá a ele um largo espectro de propriedades. Centenas de estudos já comprovaram sua ação no tratamento de doenças do fígado, supra-renais, desequilíbrios hormonais e úlceras pépticas.

Na China, onde é uma das ervas mais utilizadas, é indicado para o baço, rins e proteger o fígado de doenças. No Japão um preparado de alcaçuz é utilizado para tratar a hepatite. Estudos mostram que o uso do alcaçuz ajuda o fígado a combater as toxinas produzidas pela difteria, tétano, cocaína e estriquinina e também aumenta a estocagem de glicogênio.

Uma outra ação é de estimular as supra-renais. Muitos estudos comparam sua ação com a hidrocortisona, mas sem seus efeitos colaterais. Como a cortisona, diminui as inflamações e alivia sintomas de artrite e alergias, daí seu efeito anti-histamínico. A raiz possui glicirrizina (cinquenta vezes mais doce que a sacarose), que favorece a formação de hormônio como a hidrocortisona. Mulheres com ciclos menstruais irregulares tratadas com alcaçuz normalizam seus ciclos, pelo equilíbrio hormonal que o tratamento promove.

O alcaçuz também é utilizado para tratamento de úlceras. Seu uso cobre o estômago como um gel protetor, além de diminuir a acidez estomacal e reduzir os espasmos intestinais. O alcaçuz também combate irritações na garganta e congestão nos pulmões, sendo um expectorante. Estudos na Índia comprovaram o uso do alcaçuz para combater conjuntivites.

O alcaçuz é ligeiramente laxante. O suco evaporado, purificado e engrossado é abundantemente utilizado em farmacologia como coadjuvante aromático e elástico para pastilhas.

 Dosagem indicada

Mau-hálito, tosse 
Vinho medicinal: colocar em infusão, por 10 dias em um litro de bom vinho branco, 120 g de raízes de alcaçuz esmagadas, 60 g de sementes de anis e 60g de sementes de funcho. Filtrar o vinho e tomar 6 colheres ao dia. Este vinho serve também para fazer bochechos, especialmente quando o mau-hálito é persistente. Também é eficaz contra tosse nesta dose

Inflamações das gengivas e boca
Decocção 1: ferver por 3 minutos 300g de alcaçuz em 1 litro e meio de água e, após meia hora, filtrar o líquido morno e empregá-lo em bochechos e gargarejos freqüentes. 
Decocção 2: ferver por 10 minutos em 1 litro de água, 20g de raízes e ramos de alcaçuz, 40g de eucalipto, 10g de segurelha. Deixe o líquido repousar por meia hora e depois filtrá-lo, empregando-o para bochechos e gargarejos freqüentes.

Depurativo, eczema
Decocção: cozinhar lentamente por uma hora em 3litros de água, 15g de raízes de alcaçuz, 20g de raízes de genciana, 20 g de raízes de salsaparrilha, 50g de raízes de bardana, 50g de raízes de gramínea, 150g de raízes de dente-de-leão. Quando o líquido estiver frio, filtrá-lo e tomar uma xícara pela manhã em jejum, outra no meio da tarde e outra à noite, antes de deitar-se.

Prisão de ventre 
Infusão: misturar 50g de raízes de alcaçuz em pó, 50g de folhas de sene em pó, 30g de folhas de funcho em pó, 20g de folhas de zolfo em pó. Verter uma colherinha desta mistura em um pouco de água morna, deixar repousar por alguns minutos, remisturar e beber. Ingerida à noite ao deitar.

Úlcera do duodeno 
Decocção: verter em um litro de água 100g de alcaçuz e 100g de hipérico. Ferver tudo por 5 minutos, deixar repousar meia hora e filtrar. Tomar 1 xícara pela manhã em jejum e uma xícara após as refeições principais.

Acalmar tosse e acessos de bronquite
Balas de alcaçuz: dissolver 500g de alcaçuz em meio litro de água, adicionar 250g de goma arábica, 150g de açúcar e levar ao fogo. Deixe cozinhar até a mistura adquirir a consistência de massa ou pasta, espalhando-a então sobre uma superfície de mármore previamente untada. Depois de fria corta-se a massa com uma tesoura, em pequenos pedaços.

  Contraindicações 
O emprego de altas doses de alcaçuz pode reter sódio e eliminar potássio, retendo líquidos, causando aumento de pressão sanguínea e dores de cabeça. Portanto usa-se com cuidado em hipertensos. Extratos concentrados em laxantes podem agravar perda de potássio quando o uso é diário e prolongado. Evitar uso em grávidas, hipertensos e doentes renais.

 Culinária
É um flavorizante de doces, licores, sorvetes, gomas por ser a gilicirrizina 50 vezes mais doce que a sacarose, além de enriquecer o sabor do cacau. Aumenta também a quantidade de espuma nas cervejas.

 Referências

  • BALBACH, A. As Plantas que Curam. Editora Missionária, São Paulo, 2a ed., 1992.
  • BALMÉ, F. Plantas Medicinais. Editora Hemus, São Paulo, 2004.
  • CARIBÉ, J.; CAMPOS, J. E. Plantas que Ajudam o Homem - Guia Prático para a época atual. Pensamento-Cultrix, São Paulo, 1991.
  • CHIEJ, R. The Macdonald Encyclopedia of Medicinal Plants. Macdonald, London, 1984.
  • CORRÊA, M. P. Dicionário de Plantas Úteis do Brasil. Ministério da Agricultura, Rio de Janeiro, 1991.
  • COSTA, A. F. Farmacognosia. Fundação Calouste Gulbenkian, v.III, 2a ed., 1967.
  • Family Guide to Natural Medicine. Reader´s Digest, 1993.
  • GARLAND, S. The Complete Book of Herbs & Spices. Readers Digest, 1993.
  • GLADSTAR, R. Herbal Healing for Women. Fireside, Simon & Schuster Inc., New York,1993.
  • GREM, J.; JUNG, M. Plantas Medicinales - bayas, verduras silvestres. Editora Blume, 1998. (Colección Guias de Naturaleza)
  • HEMPHILL, J.; HEMPHILL, R. Complete Book of Herbs. Chancellor Press, 1995.
  • HERTWIG, I. F. Plantas Aromáticas e Medicinais. Editora Ícone, São Paulo, 2a ed., 1991.  (Coleção Brasil Agrícola)
  • KEVILLE, K. The Illustrated Herb Encyclopedia. Barnes & Noble, 1997.
  • LAINETTI, R.; BRITO, N. R. S. A Cura pelas Ervas e Plantas Medicinais Brasileiras. Ediouro, Rio de Janeiro, 1979.
  • LEIBOLD, G. Guia das Plantas Medicinais. Editorial Presença, 1997.
  • LORENZI, H. Árvores Brasileiras. Instituto Plantarum, Nova Odessa (SP), v.2, 1998.
  • MARTINS, J. E. C. Plantas medicinais de uso na Amazônia. CEJUP, Belém, 2a ed., 1989.
  • MASUCCI, O. As Plantas como Remédio na Cura das Doenças. Brasilivros Editora e Distribuidora LTDA, 1982.
  • MINTER, S. The Healing Garden. Eddison Sadd Editions, 1995.
  • MOREIRA, F. As Plantas que Curam Através da Natureza. Editora Hemus, São Paulo, 1978.
  • MORGAN, R. Enciclopedia das Ervas e Plantas Medicinais. Editora Hemus, São Paulo, 2003.
  • ODY, P. Las Plantas Medicinales. Javier Vergara, Buenos Aires, 1993. (The Herb Society)
  • OLIVEIRA, F.; AKISUE, G.; AKISUE, M. K. Farmacognosia. Editora Atheneu, São Paulo, 1991.
  • PANIZZA, S. Plantas que Curam - Cheiro de Mato. IBRASA, São Paulo, 4a ed., 1997.
  • POLETTI, A. Plantas y Flores Medicinales I e II. Editora Parramon, v. I,II, 1980.
  • QUER, P. F. Plantas Medicinales - el diocórides renovado. Editorial Labor, 1993.
  • REID, D. Chinese Herbal Medicine. Shambhala, USA, 1996.
  • RUDER, E. A. M. C. O Tratamento Através das Plantas Medicinais - Saúde e Beleza. Editora Rideel LTDA, São Paulo.
  • SANTOS, C. A. M.; TORRES, K. R.; LEONART, R. Plantas Medicinais - Herbarium, Flora et Scientia. Editora Ícone, São Paulo, 2a ed., 1988. (Coleção Brasil Agrícola)
  • STASI, L.C.; HIRUMA-LIMA, C. A. Plantas Medicinais na Amazônia e na Mata Atlântica. Editora UNESP, São Paulo, 2a ed. 1989.
  • THOMSON, W. A. R. Guia Práctica Ilustrada de las Plantas Medicinales. Editora Hemus, Barcelona, 1981.
  • VOLAK, J.; STODOLA, J. Plantas Medicinais. Editorial Inquérito, Lisboa, 1990.
  • WEIL, R. As Ervas que Curam - Um Reencontro com a Farmacologia Natural. Editora Gaia, São Paulo, 5a ed., 2005.
  • YARZA, O. Plantas que Curam & Plantas que Matam. Editora Hemus, São Paulo, 1982.

The Plant List – Acesso em 8/3/2015

GOOGLE IMAGES de Glycyrrhiza glabra – Acesso em 8/3/2015

Galeria: