Agrião

Nome científico: 
Nasturtium officinale R.Br.
Sinonímia científica: 
Rorippa nasturtium-aquaticum (L.) Hayek
Família: 
Brassicaceae
Partes usadas: 
O vegetal inteiro
Constituintes (princípios ativos, nutrientes, etc.): 
Iodo, potássio, fósforo, óleo, sais minerais, vitaminas, óleo essencial; glicosídeos, gliconastursídeo. Fermento (mirosina). Sais minerais, vitaminas, proteínas, carotenos, clorofila.
Propriedade terapêutica: 
Depurativo, antiescorbútico, diurético, antidiabético, anti-raquitismo, expectorante, unguento, cicatrizante
Indicação terapêutica: 
Tuberculose, afecções pulmonares, tosse, bronquite, limpeza de pele.

Origem
Europa, tendo se aclimatado bem no Brasil. É uma planta que se difundiu pelas regiões temperadas de ambos os hemisférios, quer como planta cultivada quer como assilvestrada, como ocorre em locais úmidos de inúmeros países.

Nome em outros idiomas

  • Inglês: watercress, tall nasturtium, ducks
  • Francês: cresson de fontaine
  • Alemão: brunnenkresse

Descrição
Planta perene, herbácea, rasteira, de caules relativamente compridos, tenros, verde-claro com tonalidade levemente avermelhada; estriados, de secção poligonal que enraízam com facilidade.

Folhas simples, lirado-pinatisséctas dando a impressão de uma folha composta, alternas, sem estípulas, com 5 a 9 lobos, sendo o central maior de formato pentagonal e os demais formando 2, 3 ou raramente 4 pares sendo menores, quase ovalados e de ápice afilado. Face ventral verde-escura brilhante e dorsal verde-esbranquiçado e fosca.

Flores pequenas, cíclicas, hermafroditas, actinomorfas, diclamídeas. Sépalas em número de 4. Corola cruciforme com 4 pétalas, brancas e alternas com as sépalas. Androceu com 6 estames sendo 2 mais curtos que os 6 restantes. Ovário súpero, bicarpelar, unilocular com vários óvulos. As flores se agrupam em rácimos axilares o terminais. Florescimento em janeiro.

Frutos: pequenas síliquas encerrando poucas sementes.

Sementes: muito pequenas, redondas, castanho-avermelhadas.

Uso popular e medicinal

As folhas quando mastigadas absorvem os odores da respiração.

As folhas bem picadas, embebidas em mel e tomadas à noite é muito útil como remédio para tosse.

O agrião também é valorizado por limpar e melhorar a pele, comendo-o e aplicando-o externamente como uma loção. O suco fresco aplicado no rosto e lavado na parte da manhã do dia seguinte ajuda no desaparecimento de sardas, pintas, manchas, espinhas, cravos e acnes. É um vegetal recomendado pelo seu valor nutritivo, teor de vitaminas e ótimo paladar, com odor característico e sabor francamente amargo e picante. As folhas devem ser coletadas somente quando aparecerem as flores.

Loção de beleza para a pele

  • Misture 1 tablesp. de mel com 4 tablesp. de sumo de agrião, engarrafe e guarde na geladeira. Obs: 1 tablesp equivale a 1 colher de sopa.
  • Com um chumaço de algodão, aplique de leve a loção na pele de manhã e à noite, tendo o cuidado de evitar os olhos.

Curiosidade
Nasturtium ("chaga" ou "chaga seca" segundo a tradução em Português) significa literalmente "torcer o nariz", foi o nome dado pelos romanos ao agrião picante. Officinale significa que ele foi aprovado na Roma antiga para ser vendido como um alimento ou medicamento em lojas do ramo.

 Cuidado
Seu uso interno em grandes quantidades pode provocar irritações na mucosa do estômago e nas vias urinárias.

Cultivo

Propagação: por sementes e por estacas.

Época de plantio: primavera (sementes) e outono (por estacas).

Espaçamento: 20 a 30 cm entre as linhas e 15 a 20 cm entre as plantas.

Clima. Temperado, suportando bem os frios hibernais. No fim do verão morre a sua parte aérea ou toda a planta, comportando-se como anual, renovando-se no outono pelo nascimento das sementes deixadas sobre o solo úmido. É planta de plena luz e não resiste à seca.

Solo. Baixo, úmido, mas não alagado. O solo deve ter uma boa retenção de água (solos rasos ou argilosos). A água deve ser renovada para não haver estagnação. Com isso há renovação de oxigênio e não se desenvolvem micróbios nocivos à planta e ao homem que a consome. Deve ser rico em matéria orgânica e minerais. Os solos arenosos e permeáveis são inadequados, os pantanosos, ao contrário do que pode parecer, não são adequados pois não há oxigênio em dissolução, a acidez é elevada e poderão ocorrer germes patogênicos ao homem nas folhas e talos.

Tratos culturais. Replantes (quando houver falhas), raleamento (quando a semeadura for muito densa). Môndoa (arrancamento das ervas invasoras), manejo da água para que esta nunca falte, renove-se continuamente e não forme uma capa muito espessa. Adubação suplementar com adubos solúveis. O uso de esterco verde é contraindicado e mesmo o curtido só deve ser colocado bem antes do plantio.

Pragas e doenças. Até o momento não se constatou a ocorrência de pragas e doenças em caráter prejudicial nesta cultura. Ocorrem às vezes doenças fisiológicas devido a excesso de sombreamento, densidade excessiva, águas frias, estagnadas ou com alto teor salino, carências de nutrientes maiores ou menores, pH elevado ou muito baixo (acidez), etc..

ColheitaPartes colhidas são os talos e folhas, 2 meses após o transplante em vários repasses, colhendo toda a planta a 5 cm do solo.

Rendimentos: 1 a 2 kg/m de canteiro, de folhas e ramos frescos em diversos repasses mensais.

Valor nutricional

Valor nutricional do agrião cru e folha estão na Tabela Brasileira de Composição de Alimentos - USP

 Colaboração

  • Erika Hecht, Psicóloga, Prefeitura Municipal de São Paulo, Secretaria de Assistência Social. Agosto, 2004.
  • Martha Batista, Pedagoga e Terapêuta Naturalista (Florianópolis, SC).

 Referências

  1. CASTRO, L. O.; CHEMALE, V. M. Plantas Medicinais, Aromáticas e Condimentares – Descrição e Cultivo. Livraria e Editora Agropecuária, Guaíba (RS). 1995.
  2. Survival Plants Memory Course: Nasturtium officinale - Acesso em 12 abril 2015
  3. Imagem: CPT - Centro de Produções Técnicas - Acesso em 12 abril 2015
  4. The Plant List: Naturtium officinale - Acesso em 12 abril 2015

GOOGLE IMAGES de Nasturtium officinale - Acesso em 12 abril 2015

Galeria: