Abóbora, abobrinha-italiana

Nome científico: 
Cucurbita pepo L.
Sinonímia científica: 
Cucurbita melopepo var. ozarkana (Deck.-Walt.) G.L. Nesom
Família: 
Cucurbitaceae
Partes usadas: 
Semente descascada, raiz, polpa do fruto maduro, folhas e flores.
Constituintes (princípios ativos, nutrientes, etc.): 
Minerais (Mg, K, Ca), vitaminas (RE, RAE, C), ácidos graxos insaturados (linoleico, oleico), carotenoides, porfirinas.
Propriedade terapêutica: 
Estomáquica, anti-inflamatória, antitérmica, emoliente, diurética, vermífuga.
Indicação terapêutica: 
Queimaduras, erisipela, febre, inflamações do fígado, rins e baço, feridas, corrimento vaginal, prostatite, diarreia, prisão de ventre.

Origem [4]

Abóbora (Cucurbita pepo) é nativa da América Central, especialmente do México, onde tem sido cultivada há milênios. Depois que os espanhóis descobriram a América, a abóbora foi trazida para a Europa e Ásia, onde foi recebida como um vegetal barato e nutritivo. 

Nome em outros idiomas

  • Inglês: pumpkinseeds
  • Francês: courge nue
  • Alemão: ölkürbis

Descrição [5,6]
Abóbora ou aboboreira é o nome dado ao fruto e a planta de diferentes espécies do gênero Cucurbita. As espécies mais conhecidas são a abóbora-rasteira (C. moschata) e a abobrinha-italiana, abobrinha-de-moita ou abobrinha-de-árvore (Cucurbita pepo).

Cucurbita pepo apresenta hastes bem curtas e grossas que produzem muitas folhas verde-escuras, grandes, com recortes profundos, formando em geral 5 lobos que por sua vez são recortados. Este conjunto constitui a "moita" que confere um dos nomes populares a esta espécie.

Suas flores têm cor amarelo vistoso e são diclinas (unissexual, apresentam sexos separados). As flores masculinas, mais numerosas que as femininas, desabrocham primeiro e seus grãos de pólen são viscosos.

Os cultivares mais importantes são:

  • Caserta, de origem norte-americana, tem grande aceitação no Brasil. Suas plantas eretas atingem 0,80 cm de altura e apresentam folhas com lobos profundos próximos da nervura central e de cor verde escuro. Os frutos, no momento da colheita (imaturos e tenros), são compridos, cilíndricos, afinando-se um pouco na região do pedúnculo e de cor verde claro. Alcançam em média 16 cm de comprimento, 4 cm de diâmetro e 180 g de peso.
  • Cocozelle, de origem canadense, apresenta folhas verde-escuras fendidas com 5 lobos subdivididos formando a parte aérea da planta que alcança em média 58 cm de altura. Os frutos imaturos e tenros, próprios para consumo, apresentam coloração verde-escura com estrias de cor mais clara e, em média, comprimento de 15 cm, diâmetro de 3,5 cm 90 g de peso.
Uso popular e medicinal [3]

A abóbora tem sido muito utilizada como medicamento na América Central e Norte. É um remédio suave e seguro para uma série de queixas, especialmente como um removedor de tênia (parasita) eficaz em crianças e mulheres grávidas para quem atos mais agressivos e tóxicos não são adequados.

As sementes são ligeiramente diuréticas e vermífugas. A semente junto com a casca é usada para remover tênia. Primeiro moer em uma farinha fina e depois transformar em uma emulsão com água e ingerida. É necessário tomar um purgativo em seguida, para expulsar os parasitas do corpo.

A semente é também usada para tratar a hipertrofia da próstata. Por ser alta em zinco, tem tido sucesso nos primeiros estágios dos problemas da próstata.

A ação diurética tem sido utilizada no tratamento de nefrite e outros problemas do sistema urinário. 

As folhas são aplicadas externamente às queimaduras. Nesses casos são também usadas a seiva da planta e a polpa da fruta. Na forma de decocção, a polpa das frutas serve para aliviar a inflamação intestinal [3].

As sementes contêm quantidades consideráveis ​​de proteína (35%) e aproximadamente 50% de óleo fixo, cujo perfil de ácidos graxos é dominado pelos insaturados linoleico e oleico. Existem muitos traços de tocoferóis (0,1%) e fitoesteróis (total 0,1 a 0,5%).

A cor verde escura do óleo da semente é causada por carotenoides (15 ppm, principalmente luteína) e ainda mais por porfirinas (13 ppm, principalmente clorofila b e feofitina a) [4].

 Dosagem indicada [2]

Uso interno

  • Diarreia. Cozinhar 100 g de polpa em 1 litro de água. Quando houver redução do líquido à metade, passar a polpa em uma peneira e administrar durante todo o dia.
  • Prisão de ventre. Cortar em pedaços uma fatia grossa e a seguir extrair o suco, adoçar e tomar em jejum.
  • Queimaduras, feridas, erisipela. Infuso das folhas. Cozinhar 100 g de polpa em 1 litro de água.

Composição de alimentos por 100 g de parte comestível [1]

Abobrinha-italiana refogada
Principais Minerais Vitaminas
Umidade % 93,5 Cálcio mg 21 Retinol µg NA
Energia 24 kcal; 102 kJ Magnésio mg 13 RE µg 42
Proteína g 1,1 Manganês mg 0,14 RAE µg 21
Lipídeos g 0,8 Fósforo mg 32 Tiamina mg 0,04
Colesterol mg NA Ferro mg 0,4 Riboflavina mg Tr
Carboidrato g 4,2 Sódio mg 2 Piridoxina mg Tr
Fibra alimentar g 1,4 Potássio mg 194 Niacina mg Tr
Cinzas g 0,4 Cobre mg 0,02 Vitamina C mg 7,5
    Zinco mg 0,3    

NA: Não Aplicável Tr: Traços 

 Referências

  1. Tabela Brasileira de Composição de Alimentos (TACO). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), 4a ed. 2011.
  2. MELLO, E.C. C.; XAVIER FILHO, L. Plantas Medicinais de Uso Popular no Estado de Sergipe. UNIT, Aracaju. 2000.
  3. Plants for a Future: Cucurbita pepo - Acesso em 5 de abril de 2015
  4. Gernot Katzer´s Spice Pages: Oilseed Pumpkin (Cucurbita pepo) - Acesso em 5 de abril de 2015
  5. CAMARGO, L.S. Hortaliças e seu cultivo. Campinas, Fundação Cargill, 1981.
  6. FILGUEIRA, F.A.R. Manual de olericultura. São Paulo, Ed. Agronômica Ceres, 1981. vol.1
  7. Imagem: © Sigrist SR 2018. Piracicaba (SP).
  8. The Plant List: Cucurbita pepo - Acesso em 5 de abril de 2015

GOOGLE IMAGES de Cucurbita pepo - Acesso em 5 de abril de 2015

Galeria: