Açacu

Nome científico: 
Hura crepitans L.
Sinonímia científica: 
Hura brasiliensis Willd.
Família: 
Euphorbiaceae
Partes usadas: 
Folha, casca, fruto, semente, látex.
Constituintes (princípios ativos, nutrientes, etc.): 
Na semente: alcaloide, taninos, fitato, glicósido cardíaco, saponina; minerais (Na, K, Ca), traços de Mg, Fe e Zn; o óleo contém ácidos oleico, esteárico e linoleico; vitaminas (A, E, K); glutamato, aminoácidos essenciais (arginina, leucina).
Propriedade terapêutica: 
Inseticida, vomicida.
Indicação terapêutica: 
Doenças da pele, reumatismo, vermes intestinais.

Origem [3,4]
Nativa do Brasil. Distribui-se na região Amazônica, em várzeas inundáveis, beira de rios e terrenos pantanosos. Naturalizada no norte da Austrália e na África oriental.

Nome em outros idiomas

  • Inglês: sandbox tree, monkey's dinner bell, monkey's pistol
  • Francês: arbre du diable, sablier blanc
  • Espanhol: arbol del diablo, haba, jabillo, ceiba amarilla, ceiba de leche, ceiba blanca, ceiba habillo
  • Alemão: sandbüchsenbaum

Descrição [1,4,5]
Espécie arbórea de grande porte, tem altura média de 20 a 40 m, destaca-se como uma das mais frequentes espécies da floresta de várzea do Estado do Pará.

O caule todo reveste-se de espinhos de 1 a 2 cm, a casca é de coloração parda. Apresenta separadamente as flores femininas (solitárias) e masculinas, sendo estas em inflorescência do tipo espiga. O fruto tem aparência de uma moranga, com cerca de 8 cm de diâmetro e sua abertura é explosiva lançando suas sementes a até 14 m de distância. 

Floresce de maio a junho e frutifica em junho e julho. 

A planta é reconhecida por vários nomes: "dynamite tree" (árvore de dinamite), "monkey's pistol" (pistola ou arma de macaco), devido ao barulho da dispersão das sementes; "monkey-no-climb"  (macaco-não-sobe) devido ao caule espinhoso. O nome "sandbox tree" (árvore de dispensador de areia) provavelmetne deve-se ao uso do fruto como retentor de areia em papel, antiga forma de secar a tinta de manuscritos (similar ao mata-borrão). 

Uso popular e medicinal
Suas propriedades medicinais concentram-se em inseticida e vomicida [1]

Folhas, cascas, frutos, sementes, óleo de semente e látex são utilizadas medicinalmente [6].

O látex é usado para envenenar pontas de flecha e causar a queda de dentes em dificuldade de extração. Como medicamento serve para tratar doenças da pele, reumatismo e vermes intestinais. Foi usado nos EUA para preparar gás lacrimogêneo. O extrato da casca é usado para tratar lepra [3].

Em uma análise dos componentes das sementes de H. crepitans foram encontrados alcaloide (5,0 +/- 0,2 mg / 100 g), taninos (5,0 +/- 0,3 mg / 100 g), fitato (ácido fítico na forma de sal) (53,0 +/- 6,0 mg / 100 g), glicósido cardíaco (1890,0 +/- 1,5 mg / 100 g) e saponina (2,2 +/- 0,1 mg / 100 g). 

Descobriu-se que a atividade inibidora de tripsina (um componente do suco pancreático) é de 30,27 +/- 1,86 TIU / mg de proteína. O resultado da análise centesimal mostrou que a semente é muito rica em proteína bruta (25,16 +/- 0,22%), óleo bruto (51,43 +/- 0,22%) e conteúdo energético (2,621.891 +/- 6.357 kJ / 100 g). 

A semente contém 1,85 ppm de Na, 3,4 ppm K, 0,088 ppm de Ca e traços de Mg, Fe e Zn. O óleo contém ácido oleico 20,12%, seguido por ácido esteárico (3,0%) enquanto que o ácido linoleico está presente no nível mais baixo (0,03%) entre outros ácidos. 

O óleo tem um alto valor de saponificação (127,16 +/- 0,18 mg / g) e baixo índice de acidez (3,56 +/- 0,16 mg / g). As sementes contém 328,1 UI de vitamina A / 100 g, 0,398 mg de vitamina E / 100 g e 0,26 mg de vitamina K / 100 g. A semente é muito rica em glutamato (14,41 g / 100 g de proteína) e deficiente em cisteína (0,78 g / 100 g de proteína). Entre os aminoácidos essenciais, a arginina tem o valor mais elevado (5,97 g / 100 g de proteína), seguido por leucina a 4,16 g / 100 g de proteína. Os autores concluem que a semente de H. crepitans é promissora em termos nutricionais [2].

Toxicidade [4]
Provoca queimaduras graves em contato com a pele. Seu uso interno provoca hemorragia, cegueira, constrição da garganta, diarreia etc.. Seu látex é muito venenoso.

Outros usos [4]
Pode ser usado na produção de polpa celulósica. É bastante ornamental e produtora de ótima sombra, podendo ser empregada na arborização e paisagismo. A madeira é usada em obras internas, artesanatos e utensílios de madeira.

 Referências

  1. Revista Árvore (2011): Respostas morfofisiológicas de plantas de açacu provenientes de várzeas do rio Amazonas - Acesso em 31 de outubro de 2015
  2. US National Library of Medicine (2007): Nutritional quality of sandbox tree (H. crepitans) - Acesso em 31 de outubro de 2015
  3. Bionet - Eafrinet Keys and Facts Sheets: Hura crepitans (sandbox tree) - Acesso em 31 de outubro de 2015
  4. Horto Botânico do Museu Nacional (UFRJ): Hura crepitans - Acesso em 31 de outubro de 2015
  5. JSTOR Platform (1977): Explosive seed dispersal in Hura crepitans - Acesso em 31 de outubro de 2015
  6. Mansfeld's World Database of Agricultural and Horticultural Crops: Hura crepitans - Acesso em 31 de outubro de 2015
  7. Imagem: Wikimedia Commons (Author: Molly Stevens) - Acesso em 31 de outubro de 2015
  8. The Plant List: Hura crepitans - Acesso em 31 de outubro de 2015

GOOGLE IMAGES de Hura crepitans - Acesso em 31 de outubro de 2015

Galeria: