Açaí, açaizeiro

Nome científico: 
Euterpe oleracea Mart.
Sinonímia científica: 
Euterpe brasiliana Oken
Família: 
Arecaceae
Partes usadas: 
Fruto, raiz.
Princípio ativo: 
Ácidos graxos de qualidade, antocianina, rico em proteínas e minerais.
Propriedade terapêutica: 
Vermífugo, antihemorrágico.
Indicação terapêutica: 
Hemorragia após extração dentária, distúrbios intestinais.

Nome em outros idiomas

  • Inglês: assai (acai) palm, assai berry
  • Francês: açaï

Origem
Brasil (Região Amazônica), Colômbia, Venezuela, Equador e Guianas. No estuário do Rio Amazonas encontram-se as maiores populações naturais dessa palmeira.

Descrição [1]
Palmeira de estipe delgado, alcança até 25 m de altura, forma touceiras.

Folhas finamente recortadas de coloração verde-escura, atinge cerca de 2 m de comprimento. Flores pequenas, amareladas, agrupadas em cachos pendentes. Fruto do tipo baga, arredondado ou oval, de coloração violácea quase negra quando maduro, reunidos em cachos.

Polpa comestível, envolvendo a semente. A frutificação ocorre praticamente o ano todo, mais intensamente de outubro a janeiro. Propaga-se por semente. O fruto é conhecido como açaí e a palmeira como açaizeiro.

Uso popular e medicinal [1,2]
Na medicina popular os frutos novos são utilizados no combate aos distúrbios intestinais. As raízes são empregadas como vermífugos. Na forma de pasta, atua como antihemorrágico quando aplicado após extrações dentárias.

O óleo extraído do açaí é composto de ácidos graxos de qualidade (60% de monoinsaturados e 13% de poli-insaturados). O açaí possui elevado teor de antocianinas, um pigmento flavonoide responsável pela cor do fruto e pela função antioxidante, que assegura melhor circulação sanguínea e protege o organismo contra o acúmulo de substâncias causadoras da arteriosclerose.

Do açaizeiro aproveita-se especialmente o açaí, um coquinho arroxeado, quase negro quando maduro. Dele se extrai por maceração o tradicional "vinho ou suco de açaí", que possui grande demanda em toda a região Amazônica.

Esse coco enche todas as manhãs os calçadões próximos ao mercado Ver-o-Peso em Belém (PA), por isso o local passou a ser conhecido como a Feira do Açaí.

Outros produtos do açaí como refrescos e sorvetes são consumidos pela manhã em substituição ao leite. Nas demais refeições, engrossado com farinha-d'agua ou de tapioca, acompanham peixes, camarão seco, carnes e arroz com feijão.

Nas regiões Sul e Sudeste do Brasil e no exterior, a polpa é consumida de forma diferente. O suco é misturado com outras frutas e cereais entre as refeições, antes ou depois de práticas esportivas, como fonte de reposição de energia.

Valor nutricional por 100 g da porção comestível [3]

Açaí, polpa congelada
Principais Minerais Vitaminas
Umidade % 88,7 Cálcio mg 35 Retinol µg NA
Energia 58 kcal; 243 kJ Magnésio mg 17 RE µg  
Proteína g 0,8 Manganês mg 6,16 RAE µg  
Lipídeos g 3,9 Fósforo mg 16 Tiamina mg Tr
Colesterol mg NA Ferro mg 0,4 Riboflavina mg 0,04
Carboidrato g 6,2 Sódio mg 5 Piridoxina mg 0,07
Fibra alimentar g 2,6 Potássio mg 124 Niacina mg Tr
Cinzas g 0,3 Cobre mg 0,18 Vitamina C mg Tr
    Zinco mg 0,3    

NA: Não Aplicável, Tr: Traços

Confira a composição química e valor nutricional da matéria seca [2].

Outros usos [2]
As populações ribeirinhas do baixo Amazonas contam com essa palmeira para o sustento e a nutrição das suas famílias praticamente todo o ano. É a principal fonte de matéria-prima para a agroindústria de palmito no Brasil.

Do açaizeiro tudo se aproveita: frutos, folhas, raízes, palmito, tronco e cachos frutíferos. As folhas servem para cobertura de casas; suas fibras, na arte de tecer chapéus, esteiras, sacolas e rasas (cestas usadas como medida padrão na atividade extrativista em praticamente toda a Amazónia), móveis, placas acústicas, xaxim, compensados, indústria automobilística etc.. 

Aproveitado também para a extração de corantes e antocianina.

A borra do caroço é utilizada na produção de cosméticos e caroços limpos na torrefação de café, panificação, extração de óleo comestível, fitoterápicos, ração animal, geração de vapor, carvão vegetal e adubo orgânico.

Quando seca, a madeira de seu estipe transforma-se em toras duráveis e resistentes a pragas e insetos, sendo útil na construção de casas, pontes e trapiches. Cachos secos após a extração dos frutos são aproveitados como vassouras.

 Referências

  1. SILVA, S.; TASSARA, H. Frutas Brasil. Empresa das Artes, São Paulo (SP), 2005.
  2. EMBRAPA AMAZÔNIA ORIENTAL: Sistema de produção do açaí - Acesso em 5 de julho de 2015
  3. Tabela Brasileira de Composição de Alimentos (TACO). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), 4a ed. 2011.
  4. Imagem: © Forest & Kim Starr - Acesso em 5 de julho de 2015
  5. The Plant List: Euterpe oleracea - Acesso em 5 de julho de 2015

GOOGLE IMAGES de Euterpe oleracea - Acesso em 5 de julho de 2015

Galeria: